Profissionais do Hospital Auxiliadora participam de palestra sobre Protocolo de Tratamento com Insulina

O Hospital Auxiliadora visando à qualidade contínua no atendimento e a capacitação de seus colaboradores, sediou na última quarta-feira (15), uma palestra sobre Protocolo de Tratamento com Insulina Intravenosa, ministrado pela médica coordenadora da clínica médica do hospital, Dra. Priscila Scatena Costa, a aula reuniu os profissionais dos setores assistenciais do Auxiliadora.

De acordo com a médica, a prevalência de diabete mellitus nas principais causas de internação hospitalar cresceu de 60% para 140% nos últimos 10 anos. Estudos mostram que o adequado controle dos níveis glicêmicos pode reduzir a mortalidade, tempo de internação e complicações associadas à doença crítica. “Para se instituir e padronizar um protocolo dessa importância, a qualificação e o treinamento da equipe médica e enfermagem são de fundamental importância”, afirmou.

Diabetes Mellitus

A Diabetes Millitus é uma doença cuja principal característica é o aumento de açúcar no sangue. Ela altera o metabolismo do açúcar, da gordura e das proteínas.

A diabete se manifesta quando o corpo não produz a quantidade essencial de insulina para que o açúcar do corpo se mantenha normal. Existem dois tipos de Diabetes Mellitus, que são:

Tipo I: Apenas 10% dos diabéticos têm a diabete tipo I, esse tipo se manifesta principalmente em crianças e adolescentes. Nela, o pâncreas do indivíduo produz pouca insulina ou nenhuma, pois as células betas, que são as que produzem a insulina, são destruídas de uma forma irreversível e é necessário receber injeções diárias de insulina. Deve-se controlar a insulina, a alimentação e fazer exercícios.

Tipo II: Também aparece em crianças e jovens, mas é mais comum depois dos 30 anos, em pessoas obesas e pessoas idosas.  Neste tipo o pâncreas continua a produzir a insulina, mas neste caso é o organismo que se torna resistente aos seus efeitos. O tipo II é comum também para quem tem casos na família.

Os sintomas de diabete são:

  • a concentração de açúcar no sangue;
  • aumento de volume urinário;
  • perda de peso ( Tipo I antes do tratamento, já no tipo II não )
  • fome exagerada;
  • visão esfumaçada;
  • sonolências,
  • náuseas;
  • facilidade para ter infecções;

Fonte: Ar-Comunicação