Indústria de MS tem melhor janeiro dos últimos seis anos na geração de emprego

17 de Março, 2017 | Acontece nas Casas | Indústria | FIEMS | Unicom

O setor industrial de Mato Grosso do Sul, que é composto pelas indústrias de transformação, de extrativismo mineral, de construção civil e de serviços de utilidade pública, teve em janeiro deste ano o melhor saldo positivo de geração de emprego para o mês nos últimos seis anos, conforme levantamento do Radar Industrial da Fiems. Em janeiro, as indústrias apresentaram saldo de 811 postos de trabalho, resultado de 5.644 contratações e 4.833 demissões, enquanto nos últimos 12 meses foram 1.287 postos de trabalho, que é resultado de 62.313 contratações e 61.026 demissões.Segundo o presidente da Fiems, Sérgio Longen, o saldo positivo na geração de emprego é resultado da busca por novos investimentos do setor industrial. “Na medida que se busca novas empresas para se instalar no Estado, gera-se novos postos de trabalho. Mesmo assim, nos últimos anos, tivemos uma queda na geração de empregos, mas, desde 2016, em razão desses novos investimentos da iniciativa privada, estamos começando a recuperar as perdas acumuladas e devemos encerrar 2017 com mais de 130 mil trabalhadores no setor”, analisou.

Já o coordenador da Unidade de Economia, Estudos e Pesquisas da Fiems, Ezequiel Resende, informa que os maiores saldos registrados em janeiro de 2017 foram nos segmentos da indústria da construção (+370), de alimentos e bebidas (+100), de serviços industriais (+95), de calçados (+75) e de material elétrico (+65). No caso dos últimos 12 meses, os maiores saldos foram nos segmentos da indústria da construção (+1.935), de serviços industriais (+538), de alimentos e bebidas (+224), de indústria do material elétrico (+196), de indústria da borracha, couro e diversos (+96) e de calçados (+87).

Ele acrescenta que o conjunto das atividades industriais em Mato Grosso do Sul encerrou janeiro de 2017 com 126.989 trabalhadores empregados, indicando aumento de 0,6% em relação a dezembro de 2016. “A indústria encerrou o mês com o 3º maior contingente de trabalhadores formais do Estado. Atualmente, a atividade industrial responde por 19,7% de todo o emprego formal existente em Mato Grosso do Sul, ficando atrás dos setores de serviços, que emprega 192.203 trabalhadores e tem participação equivalente a 29,8%, e de administração pública, com 129.960 trabalhadores ou 20,1%”, informou.

Contingente

Ainda de acordo com o Radar da Fiems, Mato Grosso do Sul registrou, em janeiro deste ano, que 78 atividades industriais apresentaram saldo positivo de contratação, proporcionando a abertura de 1.529 vagas, sendo que entre as atividades industriais com saldo positivo de pelo menos 40 vagas se destacaram montagem de instalações industriais e de estruturas metálicas (+395), instalações elétricas (+196), coleta de resíduos não-perigosos (+87), abate de suínos, aves e outros pequenos animais (+70) e abate de reses, exceto suínos (+63). Por outro lado, 83 atividades industriais apresentaram saldo negativo, proporcionando o fechamento de 718 vagas, sendo que entre as atividades industriais com saldo negativo de pelo menos 40 vagas se destacaram construção de Edifícios (-249) e Fabricação de Açúcar em Bruto (-48).

Em relação aos municípios, constatou-se que em 32 deles as atividades industriais registraram saldo positivo de contratação em janeiro de 2017, proporcionando a abertura de 1.206 vagas. Entre as cidades com saldo positivo de pelo menos 30 vagas estão Três Lagoas (+325), Campo Grande (+189), Nova Andradina (+104), Santa Rita do Pardo (+84), Rio Brilhante (+71), Itaquiraí (+60), Dourados (+59), Aparecida do Taboado (+54), Bataiporã (+46) e Selvíria (+37). Por outro lado, em 31 municípios as atividades industriais registraram saldo negativo, proporcionando a fechamento de 395 vagas, com destaque para Vicentina (-54), Angélica (-45) e Maracaju (-34).

Fiems