Dente do siso: Vilão ou Mocinho?

Dentista e consultora de higiene bucal da Condor, Érika Vassolér, comenta sobre o famoso “dente do juízo”

Por muitos anos o terceiro molar, mais conhecido como “dente do siso” ou “dente do juizo”,  era extraído sem motivo aparente. Porém, o que nem todo mundo sabe é que a extração deve ser feita apenas após a avaliação e recomendação de um profissional. “Por ser o último dente a nascer, em pessoas nas faixa dos 16 e 20 anos, normalmente não há espaçamento suficiente na boca para acomodá-lo”, comenta a dentista e consultora de higiene bucal da Condor, Érika Vassolér.

A falta de espaço é considerada um dos principais motivos para a remoção, uma vez que os dentes ficam presos embaixo do tecido gengival, de outros dentes ou até mesmo junto ao osso, ocasionando inchaço e dor. A demora na retirada do dente do siso pode provocar ainda uma inflamação moderada nos tecidos moles circundantes, chamada infecção pericoronária.

Por isso, é preciso ficar atento aos  sinais de alerta: fortes dores na face próximo a mandíbula, inflamação ou inchaço na gengiva, dor de dente aguda, mau-hálito (halitose) e limitação ao abrir a boca.  “Nestes casos, é fundamental procurar um profissional qualificado para diagnosticar o problema e o tratamento a ser feito”, fala Vassolér.

Apesar de ser um problema simples, a condução incorreta do procedimento ou a demora  em realizar a retirada pode levar a morte. Em casos extremos, o dente do siso pode ocasionar uma infecção grave, alojando bactérias na boca e atingindo outras regiões do corpo.

O diagnóstico é feito por meio de um raio X panorâmico da boca. A pequena cirurgia é realizada no consultório do dentista e dura entre uma e três horas, dependendo da gravidade. Em situações mais complexas, como dente mal posicionado, por exemplo, é preciso realizar o procedimento em hospitais com anestesia geral, já que existe uma proximidade com nervos da boca ou àreas de risco.

**Dicas da especialista***

– Em caso de dores e inchaços, procure um profissional qualificado para diagnosticar o problema;

– Dê preferência aos alimentos gelados ou mornos como sopas ou sorvetes, por exemplo;

– Após o procedimento, mantenha uma dieta leve durante os primeiros sete dias.

– Evite mastigar alimentos duros, principalmente no local operado;

– Evite o consumo de bebidas alcóolicas;

– Evite o uso do tabaco;

– Coloque uma bolsa de gelo na região da extração três vezes ao dia para diminuir o inchaço e as dores;

–  Utilize os medicamentos recomendados pelo profissional ;

– Em casos de febre, inchaço, sangramentos e dores além do normal, recomenda-se retornar ao dentista rapidamente para iniciar o tratamento adequado.


Sobre a Condor

Higiene Bucal Beleza, Limpeza, Pintura Artística e Imobiliária são os segmentos de negócios da Condor. A empresa fundada pelo imigrante alemão Augusto Emílio Klimmek, em 1929, na cidade de São Bento do Sul – Santa Catarina, é líder nos mercados de escovas para limpeza do lar, escovas dentais infantis, escovas e pentes para cabelos e pincéis artísticos.  E segue firme no objetivo de ser a marca mais lembrada e preferida pelos consumidores brasileiros nos mercados de utensílios para cuidados pessoais e com o lar. Nesses 88 anos de operação, a Condor se tornou uma indústria de 53 mil metros quadrados de área construída, distribuídos em duas unidades na cidade de São Bento do Sul. Maior fábrica de escovas da América Latina, emprega 1.200 colaboradores e está presente em mais de 100 mil pontos de vendas pelo Brasil e em outros 30 países. A Condor é a marca que oferece o melhor portfólio de utensílios e acessórios para pessoas que valorizam seus cuidados pessoais e o ambiente em que vivem.

Site: http://www.condor.ind.br/  / SAC: 0800 47 6666


Informações para Imprensa:
Porta-Voz Comunicação Estratégica
Fernanda Sene – fernanda.sene@portavoz.com.br
Mayara Guerrero – mayara.guerrero@portavoz.com.br
Tel.: (11) 3871-3666 ramais 19 e 16
www.portavoz.com.br