Biogen anuncia o início do estudo Affinity, de fase 2, de opicinumabe (anti-lingo-1), medicamento para esclerose múltipla

  • Potencial do anticorpo monoclonal humano direcionado contra LINGO-1 está sendo avaliado para melhorar a incapacidade preexistente em pacientes com Esclerose Múltipla Recorrente Remitente (EMRR) por remielinização
  • Análise abrangente dos dados do estudo clinico anterior, SYNERGY, identificou uma população específica de pacientes que necessita aprofundamento das análises do opicinumabe

São Paulo, 25 de outubro de 2017 – A Biogen (NASDAQ: BIIB) anunciou hoje o início recente do estudo clínico AFFINITY, de Fase 2. O estudo foi proposto para avaliar o opicinumabe como terapia complementar em investigação, sendo utilizado em pessoas com EMRR. O estudo segue a ampla análise do estudo SYNERGY, de Fase 2, que identificou um grupo específico de pacientes portadores de EMRR mais propenso a responder ao tratamento.

Esses dados estão sendo apresentados no MSParis2017, a sétima Reunião Conjunta do Comitê Europeu para Tratamento e Pesquisa de Esclerose Múltipla e do Comitê das Américas para Tratamento e Pesquisa em Esclerose Múltipla (ECTRIMS-ACTRIMS, de 25 à 28 de outubro, em Paris, França).

A análise post-hoc dos dados do estudo SYNERGY indicou um aumento do efeito clínico do opicinumabe versus placebo (quando utilizado concomitante injeções intramusculares de betainterferona 1a) em pacientes que apresentam períodos mais curtos de doença nos quais a ressonância magnética revelou determinadas características de integridade e preservação cerebrais, que sugerem um substrato capaz de reparar as lesões de EM, através da remielinização.[1]

“Como parte do nosso compromisso com a comunidade de EM, a Biogen continua se dedicando ao tratamento da doença e a investir na pesquisa de última geração para compreender o potencial terapêutico de reparar os danos causados pela EM”, ressalta Marcelo Gomes, Diretor Médico da Biogen no Brasil. “Os dados do estudo SYNERGY sugerem evidências de que o opicinumabe, que demonstrou propriedades de remielinização em um estudo anterior de Fase 2, possa ter efeito no tratamento de determinados pacientes.”

O recém-iniciado AFFINITY é um estudo de Fase 2, multicêntrico, randomizado, duplo-cego, controlado por placebo, e visa a inclusão de 240 pessoas com EMRR. Ele avaliará o opicinumabe como terapia complementar em pacientes que estão adequadamente controlados por sua terapia anti-inflamatória modificadora da doença (DMT) versus DMT isolada. O endpoint (objetivo) primário do estudo, Pontuação da Resposta Global (SRO), é uma medida integrada da melhora e da piora da incapacidade ao longo do tempo.

“Ao analisar os resultados do estudo SYNERGY, descobrimos quais pacientes com EMRR podem obter melhor resposta ao opicinumabe, e isso se tornou um componente significativo do desenho do estudo AFFINITY”, disse o professor Gavin Giovannoni, chefe de Neurologia na Blizard Institute, Barts e na London School of Medicine and Dentistry.

Sobre a Biogen
Por meio da ciência e medicina de ponta, a Biogen descobre, desenvolve e oferece terapias inovadoras em todo o mundo para pessoas que vivem com doenças neurológicas e neurodegenerativas graves. Fundada em 1978, a Biogen é pioneira em biotecnologia, e hoje a empresa possui o portfólio líder de medicamentos para tratar a esclerose múltipla, introduziu o primeiro e único tratamento aprovado para a atrofia muscular espinhal e é líder em pesquisa na área neurológica para patologias como doença de Alzheimer, doença de Parkinson e Esclerose Lateral Amiotrófica. A Biogen também fabrica e comercializa biossimilares de produtos biológicos avançados. Para mais informações, visite www.br.biogen.com.

[1] Conforme medido pela razão de transferência de magnetização (MTR) e imagem por tensor de difusão – difusividade radial (DTI-RD).

Fn | lLorente y Cuenca