Dia Internacional da Mulher é para a conquista do seu melhor

Qual é, onde está, como acessar?

Por Alice Schuch

imagem_release_1209043_medium.jpg
por Alice Schuch, pesquisadora e autora do universo feminino

O pensador argentino José Ingenieros conceitua melhor como o resultado natural da evolução pessoal. A vida, segundo o autor, tende naturalmente a aperfeiçoar-se. Por outro lado, a mediocridade poderia definir-se como ausência de características pessoais que permitam distinguir o indivíduo em sua sociedade, pontua o autor.

Aristóteles (384 a.C. – 322 a.C.) ensinava que a atividade é um movimento do ser até o seu estado de perfeição, o que significa que existe em cada organismo uma tensão a se realizar segundo leis próprias, passando da potência ao ato.

Nós mulheres, inteligências borbulhantes, sentimos claramente essa tensão ao melhor de nós, embora tantas vezes não saibamos como alcançar de modo concreto esse melhor. Justo por esse motivo, precisamos saber quem somos, pois é impossível buscar algo que não compreendemos: compreender, entender com inteligência, conter, interpretar e conceber, são sinônimos. Quando sei quem sou é fácil saber o que quero e então vou me organizando, ajustando os ambientes, buscando ferramentas, construindo passo a passo um trabalho que me proporcione satisfação.

Se queremos fazer uma escolha superior devemos qualificar-nos seriamente, definindo com clareza as nossas características pessoais, trata-se de fazer uma pequena revolução interior, perguntar-se: quem sou? Qual é o meu melhor hoje? Onde está? Como conquista-lo?

Para algumas mulheres, o ideal pode ser uma vida como dona de casa e mãe de família, nada tem de errado com isso. A liberdade de escolha é o grande presente que o Século XXI nos traz.

Iniciamos o Mês da Mulher dando passos decididos em direção à conquista do meu melhor!

Até nosso próximo encontro!

Fn | Wh Com,.