Prefeito de Três Lagoas participa de audiência pública sobre exploração do gás Xisto

Sessão na Assembleia Legislativa discute Impactos na extração do gás no Estado

No destaque o deputado estadual Amarildo Cruz (PT-MS)

 Assembleia Legislativa de Mato Grosso do Sul vai debater na próxima segunda-feira, 16 de abril, às 13h30, os “Impactos na extração do gás de Xisto no MS”. O evento foi proposto pelo deputado estadual Amarildo Cruz, 2º secretário da Casa de Leis.

Conforme o Prefeito Angelo Guerreiro, o gás Xisto é pouco conhecido e a Audiência vai servir para detalhar sobre o assunto e aprofundar o conhecimento sobre a extração, os impactos ambientais e a relevância do processo para os municípios ou para o Estado.

Guerreiro lembrou que a extração também resulta em resíduos químicos e o manuseio e depósito desse material além do processo de vazão do gás precisa ser amplamente discutido.

O Xisto é um gás que fica comprimido no interior da rocha sedimentar porosa e é explorado através de uma tecnologia denominada fraturamento hidráulico que usa alta pressão hidráulica com composto de água, areia e produtos químicos tóxicos.

Amarildo Cruz propõe suspender a exploração do gás por 10 anos “para evitar o impacto ambiental”. Segundo o Parlamentar, foi feito um leilão de áreas pela Petrobras, empresa que constatou a existência do Xisto no Estado, para começar a exploração, e a região inicial é a Bacia do Paraná, que abrange 17 municípios. Entre os municípios impactados está Três Lagoas.

Nos estados de São Paulo e Paraná as autoridades também estão restringindo a exploração do Xisto.

Fonte: Diretoria de Comunicação