Em debate, Marcelo Bluma cobra justiça para os atos de corrupção em MS

O candidato criticou a falta de valorização dos profissionais da educação. “Recurso tem. Se tem para dar isenção para JBS, tem para aumentar o piso salarial do professor”, disparou.

Durante o debate realizado na FETEMS (Federação dos Trabalhadores em Educação de Mato Grosso do Sul) na tarde da última quarta-feira (12), o candidato ao Governo do Estado, Marcelo Bluma (PV) ressaltou sobre a urgência na necessidade de fazer justiça para os casos de corrupção em MS, se referindo a Operação Vostok, que tem como alvo o atual governador Reinaldo Azambuja (PSDB), apontado como um dos investigados no esquema de concessão de incentivos fiscais para o grupo JBS.

“É uma vergonha para o nosso Estado ter esse tipo de notícia sendo repercutida nacionalmente. Não é possível que as pessoas não estejam atentas a isso, precisamos mudar esse cenário”, alertou.

Além do tema educação, Bluma destacou durante o debate a falta de investimentos no Estado, culpando os envolvidos em corrupção. “Como é que o Brasil vai quebrar sendo um país rico desse! É só prender essa turma que anda com Reinaldo e companhia Brasil a fora, que isso aqui não quebra nunca”, questionou recebendo apoio de quem estava na plateia.

De acordo com o candidato, dentro das suas propostas de governo existem prioridades para serem desenvolvidas na área da educação. “Precisamos cuidar dos professores convocados, estabelecer critérios, objetivos transparentes para o processo seletivo. Repactuar a incorporação ao piso nacional das 20 horas que o governo atual empurrou para outubro de 2021 para chegar no 100%. Vamos cuidar do professor que é a base de toda nossa sociedade”, finalizou.

Eliene Smith

DRT 663/MS – Assessoria de Imprensa

www.marceloblumagovernador.com.br

“O nosso movimento é por mudança!”