Estudantes neozelandeses chegam ao Brasil para conhecer o agronegócio brasileiro e fomentar parcerias

 Image

•           Jornada de conhecimento foi contemplada com o Projeto Bolsas de Estudos do Primeiro-Ministro para América Latina, financiado pelo governo da Nova Zelândia e administrado pela Education New Zealand, agência do governo para a promoção da educação internacional;

•           Alunos e professores da Lincoln University, da cidade de Christchurch, passarão cinco semanas entre São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina em visitas técnicas, palestras e atividades sociais que terão efeito transformador na carreira dos futuros profissionais;

•           Roteiro da programação inclui USP, Esalq, Universidade Federal de Viçosa e Universidade Federal de Santa Catarina

São Paulo, novembro de 2017 – O estudante neozelandês Josh Kirk, de 22 anos, só usou o passaporte uma vez na vida: para conhecer a Austrália. A vontade de atravessar o mundo para saber como funcionam as fazendas brasileiras o motivou a se inscrever no projeto Bolsas de Estudo do Primeiro-Ministro, que desde 2017 contempla oportunidades na América Latina. Dentro do consulado da Nova Zelândia em São Paulo, prestes a embarcar em uma jornada de palestras, visitas técnicas e atividades culturais por três estados brasileiros, Kirk aguardava com ansiedade o início das atividades. “Moro em uma fazenda onde crio vacas e, no futuro, pretendo fazer negócios com o Brasil. Essa viagem é o início de algo muito importante para a minha vida”, diz o aluno, interessado em saber como se maneja gado e algodão no país.

Kirk faz parte de um time de dezesseis estudantes e dois professores da Lincoln University, da cidade de Christchurch, na Ilha Sul da Nova Zelândia, que desembarcou em São Paulo na segunda-feira, 12. A turma estuda temas relacionados ao universo do agronegócio, como economia, cadeia de fornecedores, marketing de comida, comércio, entre outros. O professor David Cohen, um dos que acompanha os estudantes, espera que “os olhos dos alunos estejam bem abertos para um mundo totalmente diferente e transformador”.

 Image

Estudantes neozelandeses chegam para conhecer o agronegócio brasileiro durante cinco semanas em três estados brasileiros: São Paulo, Minas Gerais e Santa Catarina Foto: Divulgação Consulado da Nova Zelândia

O programa de Bolsas de Estudo para a América Latina é financiado pelo governo da Nova Zelândia e administrado pela Education New Zealand. O objetivo é intensificar a mútua cooperação entre as instituições de ensino e promover o entendimento da prática de negócios e cultura da América Latina entre neozelandeses.

Durante o período de cinco semanas, Kirk e colegas irão visitar a USP, em São Paulo, a Esalq (Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz), em Piracicaba, interior do estado, a Universidade Federal de Viçosa, em Minas Gerais, e também a Universidade Federal de Santa Catarina, em Florianópolis. O programa para estudantes internacionais cobre história, economia, sistema político do Brasil, cultura, língua e atividades culturais.

“Temos certeza de que a rica experiência acadêmica e cultural que esses estudantes neozelandeses terão no Brasil irá colaborar para o fortalecimento dos vínculos entre os dois países”, explica Ana Azevedo, Senior Market Development Manager da Education New Zealand. “A experiência cultural proporcionada pela educação internacional é sem dúvida uma das mais marcantes que se pode ter, ela transcende o conhecimento acadêmico adquirido e cria uma relação pessoal entre os participantes dos dois lados”, completa.

SOBRE A EDUCATION NEW ZEALAND – A Education New Zealand (ENZ) é a principal agência do governo para a divulgação e representação da educação da Nova Zelândia em âmbito internacional. Com o objetivo de tornar a Nova Zelândia conhecida como destino para estudantes internacionais e como a mais importante parceira para conhecimento e serviços ligados à educação, a ENZ conta com 70 funcionários em mais de 20 localidades e é dirigida por uma junta nomeada pelo Ministro de Educação Superior, Competências e Ofícios, Sr. Paul Goldsmith.