Corpo ativo e mente renovada, a receita da longevidade em Groaíras (CE)

Quatro horas de atividades físicas e culturais por semana revolucionaram a vida da cearense Maria Alice Mesquita, de 60 anos. Com aulas de alongamento, treinos funcionais e dança, além de oficinas de artesanato, teatro e de Libras, ela venceu o sedentarismo, ganhou flexibilidade e melhorou a autoestima. Alice é uma das 400 integrantes do núcleo do Programa Esporte e Lazer da Cidade (PELC) em Groaíras (CE) – cidade de 12 mil habitantes a 250 quilômetros de Fortaleza.

Alguns dos 400 inscritos no PELC em Groaíras, no Ceará. Foto: Maria Alice Mesquita/Divulgação

“Minha vida melhorou 100%. Eu era acomodada. Tinha preguiça. Agora sou ativa, comprometida mesmo. Não só eu, mas todos do nosso grupo. Acho que melhoramos muito nossa qualidade de vida. Eu já vou fazer ‘6.0’. Para mim, está sendo uma experiência nota mil. Veio realmente para fazer a diferença”, afirmou Maria Alice

Segundo Elisiane Vasconcelos, uma das coordenadoras do núcleo, a comunidade “abraçou” o projeto. O programa atende crianças, jovens, adultos, idosos e pessoas com deficiência. “O Pelc é super bem aceito por aqui. Ajudou a tornar Groaíras mais ativa. Estamos bem satisfeitos”.

Vôlei, basquete, futsal, tênis de mesa, caminhadas e jogos populares fazem parte do “cardápio” esportivo oferecido. Teatro, jogos mentais, eventos culturais e oficinas, como as de artesanato, completam a lista. As atividades são divididas em dois núcleos. O principal envolve a Secretaria de Cultura da Prefeitura de Groaíras, uma escola municipal e um pátio no centro da cidade. O segundo núcleo aproveita quadras de esporte na periferia.

Em âmbito nacional, são mais de 132 mil pessoas beneficiadas nas parcerias vigentes do PELC, programa da Secretaria Especial do Esporte do Ministério da Cidadania. São 346 núcleos em todo o país, em 121 municípios, e mais R$ 83 milhões investidos.

Além de atividades físicas, o PELC proporciona a prática de atividades culturais, mentais e de lazer para todas as faixas etárias com o objetivo de estimular a convivência social, a formação de gestores e de lideranças comunitárias. Criado em 2003, o projeto favorece a pesquisa e a socialização do conhecimento e contribui para que o esporte e o lazer sejam tratados como políticas e direitos de todos.

“É como indica o próprio programa. O lazer toma conta da cidade e a cidade toma conta do lazer. Eles vêem os resultados positivos no dia a dia”, afirmou Elisiane, de 34 anos, que é formada em educação física e também é professora do ensino regular. “Temos vários casos aqui de pessoas que sentiam dores para caminhar e para fazer atividades cotidianas, e que hoje vivem muito melhor”, completou.

Maria Alice, por exemplo, é do time das que deixou para trás condições físicas e emocionais que a impediam de ter uma vida plena. “Eu tinha problemas de tontura à noite, como se fosse uma labirintite. Tinha perdido a vontade de sair, até de ir à missa. Agora, não. Faz tempo que não sinto mais nada. E voltei a gostar de sair à noite”.

Maria Alice (centro) é uma das grandes entusiastas do projeto: “Me deu energia e motivação”. Foto: Arquivo pessoal

Programa Vida Saudável

A Secretaria Especial do Esporte também incentiva a prática de atividades físicas pelos idosos por meio do programa Vida Saudável, que até 2012 era vertente do PELC. O objetivo é oferecer exercícios físicos e atividades culturais e de lazer especificamente para a terceira idade – a partir de 60 anos – incluindo pessoas com deficiência. São 12 parcerias ativas, com 11.400 pessoas beneficiadas em 58 núcleos em 12 municípios, num investimento de R$ 7,5 milhões.

Por meio de núcleos de lazer e esporte recreativo implementados nas diversas regiões brasileiras, o programa incentiva a realização de oficinas esportivas, culturais e artísticas, de eventos específicos para os idosos e de iniciativas que estimulem o convívio das pessoas da terceira idade com suas famílias e com as outras gerações presentes na comunidade e no entorno.

Quanto mais colorido, melhor

Aliada ao esporte, a alimentação é essencial para a saúde e o bem estar dos idosos. Em todas as fases da vida, inclusive na terceira idade, é importante buscar uma alimentação natural, com verduras, frutas e legumes variados, explica Ana Maria Florentino, nutricionista e professora do curso de Medicina da Universidade Estácio de Sá. “Escolher alimentos in natura e montar um prato bem colorido garantem a qualidade da alimentação”, reforça a profissional, que alerta sobre a necessidade de se fazer várias refeições ao dia: “O idoso deve fazer, no mínimo, três grandes refeições por dia: café da manhã, almoço e jantar; e dois lanches saudáveis, um no meio da manhã e outro à tarde. Assim, terá todo o suporte nutricional para a prática de atividades físicas. O importante é manter-se hidratado e não pular as refeições”.

Como o envelhecimento provoca a perda de alguns estímulos de regulação da capacidade de sentir sede, a nutricionista recomenda uma estratégia para manter a hidratação: “O idoso deve sempre ter uma garrafa de água próxima. Assim, pode alcançar aos poucos, ao longo do dia, a ingestão mínima de 1,5 litro”.

Segundo Ana Maria, os alimentos fundamentais para a saúde dos idosos são aqueles ricos em vitaminas A, D e C, com função antioxidante, que previnem o envelhecimento celular; ricos em vitaminas do complexo B, como o ácido fólico, B6 e B12; e ricos em minerais como ferro, cálcio e zinco. Alguns exemplos são acerola, goiaba, limão, açaí, grãos, oleaginosas, carnes magras, leite e derivados, folhas verdes-escuras, entre outros.

“O ato da alimentação deve estar inserido no cotidiano dos idosos como um evento agradável e de socialização, tendo como enfoque o resgate de hábitos alimentares regionais e o consumo de alimentos produzidos em nível local, como frutas, legumes e verduras, grãos integrais, leguminosas, sementes e castanhas”, destaca Ana Maria.

Para ela, a maior dificuldade enfrentada pelas pessoas da terceira idade para seguir uma alimentação saudável é o isolamento social. “Preparar uma comida para apenas uma pessoa, às vezes, pode não ser legal por trazer lembranças do trabalho ou da família. Nesses casos, indico um restaurante a quilo, sugerindo a escolha de preparações com baixa concentração de gordura e sal, ou incentivo que o idoso prepare sua alimentação com prazer, pensando que transformar o alimento é como dizer ‘estou vivo e independente'”.

Convívio também é saúde

Outras opções de atividades físicas indicadas para a terceira idade são natação, caminhada, musculação e dança, por exemplo. “Para atividades de alta intensidade, como corrida, deve ser feita previamente uma boa avaliação médica”, alerta a presidente do Departamento de Gerontologia da Sociedade Brasileira de Geriatria e Gerontologia, Claudia Fló, que acrescenta: “Se considerarmos que estamos falando de idosos autônomos, independentes e com doenças crônicas controladas, podem ser indicadas atividades físicas que não prejudiquem doenças prévias”.

Já nos primeiros três meses de atividades físicas, é possível perceber benefícios cardiocirculatórios e aumento ou manutenção de massa óssea e muscular. Porém, os efeitos dos exercícios para a terceira idade ultrapassam a questão da saúde: “O convívio social proporcionado pelas atividades em grupo diminui o isolamento e pode ser benéfico até para evitar depressão”, reforça Claudia.

Mais informações
Assessoria de Comunicação Social
Secretaria Especial do Esporte – Ministério da Cidadania
Tel.: (61) 3217-1875
E-mail: imprensa@esporte.gov.br
www.esporte.gov.br e www.rededoesporte.gov.br
http://www.facebook.com/SecretariaEspecialDoEsporte

http://www.instagram.com/esportegovbr/
http://www.facebook.com/RedeNacionalDoEsporte/
http://twitter.com/RedeDoEsporteBr
http://www.instagram.com/rededoesporte/
http://www.youtube.com/user/MinisterioEsporte