Insônia atinge até 40% dos brasileiros e pode estar ligada a hábitos simples antes de dormir

Hospital São Rafael promove Simpósio de Distúrbios Respiratórios do Sono nesta quinta-feira (14)

insonia.jpg
Imagem: ilustração

Se você costuma mexer no celular, tomar café e assistir televisão minutos antes de ir dormir, cuidado! Esses hábitos podem afetar a qualidade do seu sono. A insônia, por exemplo, é uma das consequências mais frequentes e atinge entre 10 e 40% da população brasileira. De acordo com a pneumologista e especialista em Medicina do Sono do Hospital São Rafael (HSR), Andrea Barral, além de fatores externos, o problema está ligado a outras causas, como a ansiedade e o estresse. Dentro dessa perspectiva, o HSR vai promover, no Auditório Luigi Faroldi, o Simpósio de Distúrbios Respiratórios do Sono, nesta quinta-feira (14.03), das 13 às 17 horas. O evento é voltado para médicos e outros profissionais da saúde.

A atividade, que é uma alusão ao Dia Mundial do Sono (15.03), vai debater diversos temas, como fisiologia e distúrbios respiratórios do sono, exame de polissonografia, apneia em crianças, complicações cardiovasculares da apneia, avaliação pré-operatória e ventilação não invasiva. Para Andrea Barral, “as discussões sobre esses assuntos têm o objetivo principal de divulgar conhecimento sobre os distúrbios do sono, alertando aos profissionais da saúde sobre a importância de dormir bem, como também mostrar a necessidade de se procurar um especialista em Medicina do Sono, em casos de sinais que indicam o problema. O Hospital São Rafael realiza o exame de polissonografia completo, em laboratório de sono. Esse ambiente oferece exame observacional de noite inteira, onde o paciente é monitorado, passando por eletroencefalograma, eletrocardiografia, oximetria, dentre outros”, detalha a especialista.

Andrea Barral ainda explica que os distúrbios do sono são diversos, estando divididos em seis grandes grupos: o grupo das insônias (pessoas que têm dificuldade para iniciar ou manter o sono ou sono muito fragmentado); o grupo das hipersonolências (pessoas que sentem muito sono); o dos que têm problemas respiratórios durante o sono; os que têm ciclos de sono alterados; os que têm distúrbios de movimento durante o sono; e as parassonias (aquelas que falam ou andam durante o sono, tem despertar confusional, terror noturno nas crianças e pesadelos, entre outros).

Saúde do sono

Fadiga, dor de cabeça, cansaço, irritabilidade, sonolência, déficit de atenção e de concentração, além de alteração na memória, são alguns dos sintomas de uma noite mal dormida. Pensando nisso, Andrea Barral preparou algumas dicas para quem quer ter uma boa noite de sono.

1.    Estabeleça horários regulares para dormir e acordar.

2.    Evite aparelhos eletrônicos, como celular, televisão e tablets, próximo da hora de dormir.

3.    tenha um ambiente agradável e propício ao sono, com boa temperatura, baixa luminosidade e sem barulho.

4.    Exercite-se mais cedo. Academia perto da hora de dormir pode tirar o seu sono.

5.    Evite álcool, bebidas cafeinadas, nicotina e refeições pesadas, próximo ao horário de dormir.

6.    Evite dormir muito durante o dia para não perder o sono à noite.

7.    Uma boa noite de sono é de 8 horas, no mínimo, para a maioria da população adulta.