Vale adota emergência em barragens de Nova Lima e Ouro Preto

Experimento de restauração florestal em área sob influência de rejeitos da barragem de Fundão, trecho do rio Gualaxo do Norte, um dos principais afluentes do rio Doce, que abrange os municípios de Mariana, Ouro Preto e Barra Longa

© Tânia Rêgo/Agência Brasil

Protocolo não requer evacuação da população em local próximo

Publicado em 09/06/2020 – 10:31 Por Cristina Indio do Brasil – Repórter da Agência Brasil – Rio de Janeiro

A mineradora Vale começou hoje (9), de forma preventiva, o protocolo de emergência em nível 1 das barragens 6 e 7A, da Mina de Águas Claras, em Nova Lima (MG), e da barragem Área IX, da Mina de Fábrica, em Ouro Preto (MG).

Segundo a empresa, as barragens estão inativas e o protocolo não requer a evacuação da população em local próximo.

“Recentemente, ao identificar três estruturas inativas e com características de barragens, a Vale comunicou e cadastrou essas estruturas nos órgãos competentes. A partir de inspeções mais recentes, não foram identificadas anomalias que possam comprometer a segurança das estruturas”, informou a mineradora.

A empresa destacou que trabalha na investigação das estruturas para verificar mais detalhes sobre as suas características e condições. “A decisão de elevar o nível de emergência é uma medida preventiva até que sejam concluídas as análises técnicas das estruturas”, diz  em nota.

De acordo com a Vale, o acionamento do nível 1 das barragens não impacta o plano de produção de 2020, conforme apresentado no Relatório Produção e Vendas no primeiro trimestre de 2020.

Edição: Maria Claudia

Bombeiros do DF lançam plano contra incêndio para público infantil

Folheto funciona como um guia prático e tem caráter lúdico

Publicado em 08/06/2020 – 17:41 Por Agência Brasil – Brasília

Com o objetivo de prevenir incêndios em residências, principalmente em época de isolamento social devido ao novo coronavírus (covid-19), o Corpo de Bombeiros Militar do Distrito Federal (CBMDF) lançou uma publicação com um plano de escape e prevenção de incêndios voltado principalmente para o público infantil.

Chamado de “planinho de fuga”, o material foi produzido com base em uma publicação de grande utilização e repercussão da National Fire Protection Association (NFPA), entidade considerada a fonte dos códigos e normas voltados para a indústria de proteção contra incêndios e segurança da vida.

Folheto ensina crianças a produzir um plano de fuga em caso de incêndio em casa
Folheto ensina crianças a produzir um plano de fuga em caso de incêndio em casa – Corpo de Bombeiros do DF/Divulgação

O planinho contra incêndios tem um QRCode que aponta para a página “Dicas de Bombeiro” onde os pais e crianças poderão ter acesso a materiais de prevenção à incêndio, acidentes domésticos e outros.

A publicação é o primeiro material traduzido para o português, em uma  parceria entre o CBMDF e a NFPA. O folheto funciona como um guia prático e tem caráter lúdico, pois disponibiliza uma página em papel quadriculado para a criança desenhar o seu próprio planinho de fuga em caso situações de emergência relacionadas a incêndio em casa.

Edição: Fernando Fraga

Acidente entre Fiat Uno e Toyota Corolla deixa dois mortos

ACIDENTES, INTERIOR, TRANSITO, Vicentina – Jornal do Estado MS

Acidente em Vicentina ©ViaWhatsApp/MSNews

Acidente entre um Fiat Uno e Toyota Corolla matou dois jovens em uma via no conjunto Habitacional Altos do Barreirão em Vicentina, cidade a 247 quilômetros de Campo Grande, no início da noite desta sexta-feira (05).
Já uma mulher que estava no Corolla com placas de Campo Grande, ficou gravemente ferida. Ainda não se sabe a causa e dinâmica do acidente.
Ainda segundo as primeiras informações, as duas vítimas fatais estavam no Fiat Uno que tem placas de Rio Brilhante. O Corpo de Bombeiros de Fátima do Sul e Polícia Militar de Vicentina estão no local.

Fonte: Midiamax Por: Diego Alves 

Campanha de Prevenção e Combate a Incêndios Florestais integra Governo e setor produtivo

Campo Grande (MS) – A ação integrada dos setores público e privado no combate a incêndios florestais em Mato Grosso do Sul foi destacada pelo secretário Jaime Verruck, da Semagro (Secretaria de Meio Ambiente, Desenvolvimento Econômico, Produção e Agricultura Familiar), no evento virtual de lançamento da 8ª edição da Campanha de Prevenção e Combate a Incêndios 2020, realizada na sexta-feira (5.6), data em que se comemora o Dia Mundial do Meio Ambiente. A ação é promovida pela Reflore/MS, Governo do Estado, Corpo de Bombeiros Militar e Ibama, Famasul e o Senar/MS.

Em 2019, Mato Grosso do Sul registrou mais de 11,6 mil focos de incêndio florestal, um aumento de 389% em relação ao mesmo período de 2018, resultado que colocou o Estado em 6º lugar do ranking nacional. “No ano passado, em decorrência da gravidade da situação das queimadas no Estado, nós reativamos o Comitê Interinstitucional de Combate a Incêndios Florestais, que conta com Semagro, Imasul, Defesa Civil, Corpo de Bombeiros, Ibama, por meio do PrevFogo, e o apoio fundamental das estruturas de combate ao fogo mantidas pelas empresas da base florestal, do setor sucroenergético, bem como dos proprietários rurais”, comentou Jaime Verruck.

O secretário lembrou do “bom diálogo com o governo federal e com os estados vizinhos que auxiliam no combate aos incêndios florestais”. “Por conta de uma situação atípica no Pantanal, que nos meses de março e abril registrou queimadas na região, acionamos o Comitê de forma permanente e demos início a uma série de ações preventivas. O Ibama já antecipou a contratação de brigadistas, estamos concluindo o a licitação para adquirir horas de voo para o deslocamento de aeronaves vindas de outros estados, para o caso de necessitarmos de combate aéreo”, disse.

Também será lançada licitação para adquirir, com recursos do Imasul, uma aeronave para combate a incêndios florestais que deve ser destinada ao Corpo de Bombeiros. “O Cemtec tem municiado o Comitê com os dados meteorológicos, mas já temos um prognóstico, atípico, de que o volume de chuvas no Estado, de junho a agosto, deverá ficar abaixo das médias históricas. Por isso é fundamental reunir esforços e trabalharmos com prevenção e orientação”, acrescentou.

De acordo com o titular da Semagro, “a campanha tem cumprido seu papel”. “A cada ano tem uma proposta diferente, mas sempre com o mesmo objetivo de combater e prevenir o fogo. Não temos condições de realizar tudo isso sem essa rede de instituições envolvidas. Estamos em plena pandemia, um fator adicional que consome recurso financeiro e humano, e que exigirá ainda mais empenho de todos”.

Na avaliação do presidente da Famasul, Mauricio Saito “envolver setores público e privado, no propósito de conscientizar a sociedade sul-mato-grossense, é a meta desta iniciativa”. “Em 2019, capacitamos com a metodologia de Formação Profissional Rural do Senar/MS, aproximadamente mil pessoas. Difundir conhecimento, alcançar números positivos, preservar o meio ambiente, dar continuidade ao excelente trabalho desempenhado pelos produtores rurais, tudo isso faz parte da missão ambiental do agro”, explica Saito, ressaltando a parceria com o Ibama e o Corpo de Bombeiros.

Para o presidente da Reflore/MS, Moacir Reis, apesar do momento delicado, o assunto tem que estar em pauta. “Temos 1,2 milhão hectares de área plantada, somos o 2º no país. Este é um setor que tem se destacado cada vez mais dentro do agronegócio. São pessoas, fauna, flora e economia. É preciso que haja treinamento, envolver cada vez mais segmentos. Pessoalmente ou virtualmente, o mais importante é fazer isso acontecer nos quatro cantos do Estado”.

Também participaram da transmissão o comandante geral do Corpo de Bombeiros Militar , Joilson Alves do Amaral, e Alexandre Pereira, representante do Ibama.

O vídeo completo você confere aqui.

Marcelo Armôa – Semagro

Navio que transportava minério é desencalhado e passa por inspeção

Fotos: Google

Embarcação sul-coreana estava encalhada há mais de três meses

Publicado em 05/06/2020 – 16:55 Por Alex Rodrigues – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Mais de três meses após encalhar a cerca de 100 quilômetros da costa brasileira, o navio mercante Stella Banner foi, enfim, rebocado até uma área de águas profundas onde será inspecionado para que os responsáveis decidam seu destino.

Pertencente à armadora sul-coreana Polaris Shipping, a embarcação transportava cerca de 275 mil toneladas de minério de ferro da empresa Vale e milhares de litros de combustível e óleo quando os tripulantes constataram que havia água do mar penetrando por uma fissura no casco.

Para evitar que o navio ficasse à deriva ou naufragasse, o comandante decidiu lançá-lo sobre um banco de areia de uma área de menor profundidade do canal da Baía de São Marcos, na costa maranhense. Os 20 tripulantes logo foram resgastados, em segurança.

O risco de um acidente ambiental de grandes proporções motivou a Marinha a montar um gabinete de crise envolvendo representantes da Capitania dos Portos no Maranhão; do Comando do 4º Distrito Naval, em Belém; do Comando de Operações Navais, do Rio de Janeiro; órgãos ambientais e das empresas responsáveis pela embarcação e pela carga.

Todo o minério e o combustível foram retirados em etapas, segundo um planejamento meticuloso, qur foi seguido à risca para evitar vazamentos que causassem danos ao meio ambiente. O Stella Banner estava encalhado relativamente próximo ao Parque Estadual Marinho do Parcel de Manuel Luís, uma unidade de conservação brasileira de proteção integral.

Em nota divulgada ontem (4), a Marinha confirmou que o processo de reflutuação do navio foi concluído nesta quarta-feira, quando foi rebocado para um ponto a cerca de 67 quilômetros da costa maranhense, onde mergulhadores e um veículo submarino operado remotamente estão averiguando a exata dimensão dos danos estruturais para que os responsáveis decidam o que fazer.

“Os órgãos e empresas envolvidas continuam envidando o máximo de esforços e recursos possíveis, visando solucionar o ocorrido com brevidade, e sempre atendendo as normas e legislação em vigor”, informa a Marinha, na nota.Embarcações militares continuam acompanhando a operação de perto.

Edição: Nádia Franco

Amigos, Escola e Sindicato lamentam morte de professora campo-grandense

Campo Grande, luto – Jornal do Estado MS

Soraya Ximenes de Sena morreu neste sábado (30) após cair e bater a nuca

©REPRODUÇÃO/FACEBOOK

Profissionais da educação e amigos lamentaram a morte da professora Soraya Ximenes de Sena, de 59 anos, na manhã deste sábado (30). A professora foi encontrada sem vida pelo SAMU em casa no bairro Monte Carlo após ter batido a cabeça na pia do banheiro.
O caso foi registrado como ‘morte a esclarecer’ na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Centro. O corpo foi velado e sepultado no Parque das Palmeiras na tarde deste domingo (30).
Soraya era professora na Escola Estadual Arthur de Vasconcellos Dias, no bairro Estrela do Sul. A página da escola no Facebook informou a morte aos seguidores. ”Queridos, é com pesar que informamos o falecimento da nossa diretora adjunta Soraya Sena. A família EEAVD está em luto. Sigamos em oração e carinho uns com os outros”, escreveu o perfil.
Nos comentários, amigos e próximos lamentaram a morte da professora. “Que Deus conforte a família, trabalhei com ela no AVD por uma década, excelente profissional e pessoa”, escreveu uma. “Foi uma segunda mãe para meus filhos… descanse em paz minha princesa, vou sentir muitas saudades”, escreveu outra.

O Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública, a ACP, se manisfestou através de nota no site do Sindicato e prestou homenagem à professora.
”O Sindicato Campo-grandense dos Profissionais da Educação Pública – ACP lamenta profundamente e manifesta grande pesar pelo falecimento da diretora-adjunta da EE Dr. Arthur de Vasconcelos Dias, professora Soraya Sena.
A Diretoria do sindicato externa as mais sinceras condolências à família e amigos, por esta inestimável perda, e roga que as forças divinas confortem os corações de todos que conheciam e amavam a professora Soraya.
Prestamos nossa singela homenagem, exaltando o importante papel que desempenhou na luta por uma educação pública de qualidade”.
Fonte: Midiamax Por: Carlos Yukio

Motorista causa acidente com morte e vai preso por embriaguez

ACIDENTES, Campo Grande, Policial, TRANSITO – Jornal do Estado MS

Acidente aconteceu na noite de ontem (30), na Avenida Gury Marques, saída para São Paulo

Divulgaçao

Aos 32 anos, Suellen Vilela Brasil morreu após colisão entre dois carros, na noite de ontem (30), na Avenida Gury Marques, na Vila Cidade Morena, bairro localizado na saída para São Paulo, em Campo Grande. O motorista envolvido no acidente, Alexandre Nantes Stein, 32 anos, acabou preso em flagrante por dirigir sob efeito de álcool.
Conforme boletim de ocorrência, a vítima dirigia um Renault Clio Sedan prata quando teve a traseira do veículo atingido por um VW Gol prata conduzido por Alexandre. Por causa da colisão, o Renault Clio bateu na guia do canteiro lateral direito da pista e na sequência contra uma árvore. O carro ficou destruído. Suellen morreu no local. Já o Gol atravessou o canteiro central e parou no sentido contrário da via com a frente danificada.
O Corpo de Bombeiros e policiais do Batalhão de Polícia de Trânsito foram os primeiros acionados para anteder a ocorrência. Alexandre não sofreu ferimentos graves. Questionado pelos policiais se havia consumido bebida alcoólica, o rapaz disse que sim.
Ele, segundo registro policial, apresentava odor etílico, olhos vermelhos e dificuldade no equilíbrio. Diante da situação, o condutor foi convidado a fazer o teste do bafômetro, mas não aceitou. Os policiais, então, elaboraram um termo de constatação de alteração da capacidade psicomotora contra o rapaz.
O condutor contou à polícia que havia acabado de sair do Bairro Moreninhas e, próximo ao Fort Atacadista, o carro que seguia em sua frente diminuiu a velocidade. Ele, então, não conseguiu desviar causando o acidente. Sentindo dores, Eder foi socorrido para a UPA (Unidade de Pronto Atendimento) das Moreninhas, onde permaneceu recebendo atendimento médico sob escolta policial. O caso foi registrado na Depac (Delegacia de Pronto Atendimento Comunitário) Cepol. 
Fonte: CAMPO GRANDE NEWS Por: Viviane Oliveira

COXIM| Motorista invade preferencial e carro capota após colisão em cruzamento

ACIDENTES, Coxim, INTERIOR, TRANSITO – Jornal do Estado MS

Acidente ocorreu por volta das 8h deste sábado (30)


Veículo capotou e parou tombado na avenida ©Thiago Silva/F5

Veículo Fiat Uno capotou na manhã deste sábado (30) na Avenida Virgínia Ferreira, região central de Coxim, cidade distante a 260 quilômetros de Campo Grande. O motorista foi socorrido com ferimentos leves.
Por volta das 8h, o veículo seguia pela avenida, quando o motorista de um Chevrolet Corsa invadiu a preferencial no cruzamento com a Rua Sebastião Alarcon. Segundo o site F5, Houve colisão entre os dois carros e o Uno acabou capotando.
O motorista foi socorrido pelo Corpo de Bombeiros com escoriações e encaminhado ao Hospital Regional Álvaro Fontoura. O condutor do Corsa não ficou ferido.
A Polícia de Trânsito esteve no local. A pista foi bloqueada.
Fonte: CAMPO GRANDE NEWS Por: Kerolyn Araújo

Menina de 8 anos é atropelada por motociclista de 72 no centro

ACIDENTES, Campo Grande, TRANSITO – Jornal do Estado MS

Idoso parou para prestar socorro e acompanhou atendimento do Corpo de Bombeiros

Criança apresentou ferimentos e escoriações leves, segundo bombeiros ©Kísie Anoiã

Uma menina de 8 anos de idade foi atropelada por motociclista nesta tarde na avenida Calógeras, em pleno centro de Campo Grande. Ela estava atravessando a rua de mãos dadas com a mãe quando foi atingida pela moto, conduzida por um aposentado de 72 anos.
Ana Beatriz, segundo o Corpo de Bombeiros, sofreu escoriações e ferimentos leves, mas por precaução, foi encaminhada a uma unidade de saúde para observação. A mãe da criança, Fernanda Oliveira, disse que o motociclista veio rápido demais.
O condutor da moto, João Carlos, parou para prestar socorro e contou que tinha ido ao centro da cidade para pagar algumas contas e que não deu tempo de parar, frear ou buzinar quando viu que acertaria a criança.
Ele apresentou escoriações no braço e no joelho, mas não recebeu atendimento, dando prioridade à Ana Beatriz. O trânsito do local, na faixa esquerda da Calógeras, entre a Barão do Rio Branco e Dom Aquino ficou bloqueada durante o atendimento.

Fonte: CAMPO GRANDE NEWS Por: Lucia Morel e Liniker Ribeiro

Fundação anuncia recursos para reparar danos da tragédia de Mariana

© Léo Rodrigues/Agência Brasil

Serão aplicados R$ 600 milhões em áreas atingidas por rompimento

Publicado em 25/05/2020 – 17:45 Por Cristina Indio do Brasil – Repórter da Agência Brasil – São Paulo

Os estados de Minas Gerais e Espírito Santo vão receber, da Fundação Renova, R$ 600 milhões que serão aplicados em obras de infraestrutura e saúde na Bacia do Rio Doce.

Os recursos fazem parte do processo de reparação do rompimento da Barragem de Fundão, no município de Mariana, em Minas Gerais, em 5 de novembro de 2015. No episódio, 19 pessoas morreram e comunidades foram destruídas, como o distrito de Bento Rodrigues. A bacia do Rio Doce foi poluída e vegetação devastada.

A tragédia provocou o derramamento de 12,8 milhões de metros cúbicos de rejeitos no meio ambiente. A lama ultrapassou a Usina de Candonga, em Santa Cruz do Escalvado, também em Minas, e seguiu pelo leito do rio até a foz, no Espírito Santo.

“As ações compensatórias – R$ 600 milhões – vão fazer uma contribuição significativa para o desenvolvimento econômicos de geração de emprego e renda a longo prazo e na execução de obras nas áreas de saúde e infraestrutura. Estimamos que irão gerar, durante a construção, cerca de 100 mil postos de trabalho”, disse o diretor-presidente da Fundação Renova, André de Freitas, Ele desgtacou que os recursos serão repassados para os estados que ficarão responsáveis.

O executivo afirmou que os projetos foram desenvolvidos com os dois estados, com a participação do Fórum de Prefeitos da Bacia do Rio Doce, de municípios atingidos pelo rompimento. A agenda foi aprovada em fevereiro deste ano, pelo Comitê Interfederativo, e, recentemente, recebeu aprovação do Conselho da instituição.

“Agora, a gente pode sair a campo e executar estas ações”, disse Freitas.

Obras

O começo das obras está condicionado à conclusão do processo de assinatura das ações com os governos estaduais. “Estamos, nesse momento, negociando com os governos o acordo que vai reger os repasses. Estamos na fase final do instrumento jurídico que vai formalizar o repasse, e isso deve acontecer muito brevemente”, revelou a coordenadora da Agenda Integrada pela Fundação Renova, Emília Paiva.

Freitas disse que não é possível definir o prazo de conclusão das ações, porque os projetos têm tempos de execução diferentes. “Há projetos que estão mais avançados do que outros. Vai variar um pouco a finalização, no entanto a Fundação Renova quer começar o mais breve possível, justamente por causa do momento em que o Brasil está vivendo”, ressaltou, referindo-se à pandemir de coronavírus.

Hospital

Entre as ações, R$ 75,3 milhões serão aplicados na continuidade das obras de estruturação do Hospital Regional de Governador Valadares, que foram paralisadas por falta de recursos.

A coordenadora da fundação, Emília Paiva, disse que o município é o polo da macrorregional leste de saúde de Minas Gerais e é responsável por centralizar internações e atendimento de médio e alta complexidade na região com 86 municípios concentrando 1,5 milhão de pessoas.

Segundo Emília, a estrutura de Governador Valadares é insuficiente para atender a demanda atual com pacientes que chegam de outras cidades e que acabam sendo deslocados para Belo Horizonte.

O Hospital Regional de Governador Valadares terá 265 leitos, sendo 50 de UTI e 9 salas de cirurgia, mas ainda não há previsão para a conclusão dos trabalhos e, por isso,  os pacientes de covid-19 não poderão ser atendidos a curto prazo. “Infelizmente, a gente não sabe quanto tempo essa pandemia vai durar, mas esses leitos não estarão disponíveis no curtíssimo prazo”, afirmou.

Distrito Industrial

A agenda integrada prevê ainda o repasse de R$ 12,2 milhões ao Distrito Industrial de Rio Doce, na área de 5 500 metros quadrados, em Minas Gerais.

Para a Fundação Renova, as ações vão diversificar a economia local com a atração de novas empresas e criação de emprego e renda também nos municípios vizinhos de Ponte Nova, Dom Silvério, Barra Longa, Santa Cruz do Escalvado e Sem Peixe.

“Esse é um investimento que foi selecionado pelo potencial de promover o desenvolvimento econômico desse município, atração de investimentos que podem diversificar a economia e gerar emprego para uma região tanto no município de Rio Doce, como para os municípios do entorno que foram severamente impactados pela suspensão das atividades da usina hidrelétrica de Candonga”, concluiu.

Estradas

As rodovias dos dois estados vão passar por obras no valor de R$ 505 milhões para a extensão de 153 quilômetros. Em Minas Gerais serão investidos R$ 140 milhões. Desse total, R$ 12 milhões vão ser usados na MG-900 para a melhoria do acesso ao Parque Estadual do Rio Doce.

A maior parte dos recursos vai para a MG-760, entre a BR-262 e São José do Goiabal-Cava Grande, que conecta o Vale do Rio Doce à Zona da Mata. “O acesso ao parque não é muito bom e acreditamos que, com a reestruturação, ajudamos a valorizar e a dar um eixo de desenvolvimento econômico para a região.”

Para o Espírito Santo, o repasse é de R$ 365 milhões em três trechos de rodovias do estado. A ES-010, entre Vila do Riacho e Regência, na ES-440, entre a BR-101 e Regência e a ES-248, entre a ES-358 e Povoação.

Turismo

A Fundação Renova conta com um reforço no turismo local, informou o diretor-presidente da Fundação Renova, André de Freitas. “Ao melhorar o acesso para as áreas turísticas dessas regiões, a gente permite geração de renda tanto através de empreendimentos maiores mas também na cadeia de turismo a pequenos investidores e artesãos.”

Segundo ele, os recursos vão se somar a outras ações compensatórias que a Fundação Renova executa no processo a reparação do rompimento. São recursos destinados à reparação coletiva para impactos que não podem ser recuperados e identificados.

Entre as ações compensatórias em andamento, está a definição de R$ 500 milhões para saneamento, a maior parte para tratamento de esgoto, que é lançado em grande quantidade no Rio Doce. “Esses R$ 500 milhões vão contribuir para resolver uma parcela desse problema de lançamento de esgoto”, disse Freitas.

Quatro anos e meio após o rompimento, ainda há muita coisa a ser feita, mas já ocorreram avanços significativos no reassentamento e indenizações. O diretor-presidente disse que até hoje foram aplicados na reparação dos danos R$ 8,5 bilhões e para este ano o orçamento é em torno de R$ 4 bilhões.

Em indenizações foram pagas o equivalente a R$ 2,5 bilhões para cerca de 320 mil pessoas. “O grande desafio para a indenização são as pessoas que não conseguem comprovar. Quem tem comprovação de um dano ou impacto foi ou está sendo pago. O grande desafio que resta na indenização é quem não consegue mostrar que foi impactado ou sofreu dado”, indicou.

Reassentamento

Por causa da pandemia, a instituição paralizou as obras para o reassentamento dos atingidos pelo rompimento da barragem.Segundo Freitas, as obras na cidade de Mariana serão concluídas no ano que vem.

Segundo o diretor-presidente da Fundação Renova, André de Freitas, diante de uma denúncia de caso de uma pessoa contaminada com a covid-19, a prefeitura interrompeu os trabalhos no local e ainda não há previsão de retomada. O diretor informou que não foi confirmado qualquer caso da doença entre os empregados no canteiro da obra e acrescentou que houve uma inspeção da vigilância sanitária para verificar as condições de segurança para os empregados.

Agora, a Fundação está trabalhando para atender novas exigências feitas pela prefeitura.

Freitas informou ainda que a Renova investiu R$ 120 milhões para apoiar o combate à pandemia nos dois estados, para a compra de equipamentos e insumos.

Edição: Maria Claudia