Carnaval brasileiro, o 2º maior evento do país movimenta bilhões com adesão nacional

*Por Rodrigo Lico

Carnaval brasileiro possui anuência popular e status, abrange todas as regiões do país e classes sociais, movimenta cerca de 30 bilhões em um período médio de 7 dias

Se pesquisarmos o surgimento do carnaval, trata-se de um festival oriundo do cristianismo ocidental, que ocorre antes da quaresma, durante o mês de fevereiro ou no inicio do de março. As comemorações com mascaras e fantasias surgiram em 1890, na cidade de Paris e de lá se expandiu para o mundo. O primeiro estado do Brasil a adotar a festa foi o Rio de Janeiro em 1983, onde se construiu o Sambódromo da Marquês da Sapucaí, de autoria do arquiteto Oscar Niemeyer. A partir desse marco tem inicio a formação das primeiras escolas de sambas e a criação do padrão de desfilar em uma avenida, com carros alegóricos e fantasias. Padroniza-se então o formato que conhecemos, as “alas” como bateria, mestre-sala e porta bandeira, samba enredo, etc.. A partir daí forma-se também a comissão julgadora, composta por um corpo técnico, que avalia o melhor desfile através atribuição de notas que variam de 0 a 10 e assim elege-se a melhor escola de samba.

Os estados que promovem os eventos mais colossais e suntuosos são: Rio de Janeiro, Bahia e São Paulo. Com a maior parte do orçamento desses desfiles e apresentações é oriunda da iniciativa privada, da qual pertence a maior fatia as marcas de cervejas. Em ampliação constante a cada ano camarotes elitizados são promovidos, cujo valor do ingresso (conhecido como abadá), tem uma variação de custo de R$ 1.500 à 350 mil (espaço empresarial adquirido por cotas), para cada dia dos desfiles ou apresentações musicais. Encontram-se simultaneamente ingressos com valores inferiores, que partem de R$ 80, mas não possuem a mesma infraestrutura e localização privilegiada, tão pouco tem disponível aos seus frequentadores serviços vips e exclusivos como transfer e buffet completo, com pratos variados e bebidas diversas.

Existem também os blocos de rua, e seus trios elétricos com acesso gratuito, para atender a população mais carente e menos desprovida financeiramente. A cidade de São Paulo, por exemplo, promoveu a apresentação de quase mil blocos de rua. A maioria dos frequentadores são os jovens que possuem faixa etária entre 15 a 30 anos. Nestes blocos o ritmo musical predominante é o axé, mas os organizadores e promotores vem inovando e também aderiam a ritmos como: funk, sertanejo, eletrônico entre outros.

Embora existam divergências e parte da sociedade, como determinadas religiões sejam contra a realização do carnaval, por considerarem uma festa profana, com conotação sexual e erótica, que amplia o consumo de drogas licitas e ilícitas, induz a gravidez precoce e consequentemente a transmissão de doenças sexuais é inegável que durante os dias de realizações das apresentações de carnaval, o setor de turismo se aquece e tem sua segunda maior movimentação, perdendo apenas para o período de réveillon. Os hotéis chegam a ter 98% de ocupação e estimasse que movimentasse um faturamento próximo a R$ 30 bilhões, no decorrer de um prazo médio de uma semana.

A cobertura e divulgação da mídia são abrangentes, a maior parte dos meios de comunicação transmitem ao vivo os desfiles, blocos e shows, com temas que vão desde religião até a cultura oriental e expressam protestos e elogios. Em síntese o carnaval se tornou um patrimônio cultural, que reúne entidades, instituições e todas as camadas da sociedade e públicos diversos e plurais de todas as religiões, idades, gêneros, raças, etnias, cores e classes sociais.

As empresas privadas, instituições, corporações, organizações, conglomerados e o poder público não abrem mão dessa valiosa geração de receita e de atuar durante esse período, para difundirem suas ideologias e divulgarem seus produtos e serviços. Você pode ser contra ou a favor das festas e comemorações durante o carnaval, mas é incontestável que este espetáculo festivo eternizou-se como um dos três principais eventos populares, que resiste com o passar dos séculos e se propaga massivamente, ampliando-se a cada ano, a exemplo do réveillon, futebol e as doutrinas laicas religiosas, que reúnem milhões, batendo recordes de participação popular e lucros estratosféricos.

*Rodrigo Lico é graduado em Publicidade e Propaganda; jornalista diplomado; pós-graduado em Comunicação Organizacional; colunista editorial; comentarista e analista politico e econômico; estrategista em comunicação, mídia e marketing nos meios de comunicação; coach em formação, consolidação e consagração de imagem pessoal e institucional e digital influencer

Instagram: @rodrigolico   

Carnaval de rua de SP movimentou R$ 2,75 bilhões, diz prefeitura

São Paulo - Bloco Minhoqueens, no Largo do Arouche, região central (Rovena Rosa/Agência Brasil)
© Rovena Rosa/Agência Brasil

Carnaval de rua de SP movimentou R$ 2,75 bilhões, diz prefeitura

Publicado em 06/03/2020 – 19:51 Por Elaine Patricia Cruz – Repórter da Agência Brasil – São Paulo

O carnaval de rua de São Paulo movimentou, este ano, R$ 2,75 bilhões, crescimento de 31% sobre o ano passado, informou hoje (6) a administração municipal. A festa atraiu um público de 15 milhões de pessoas. No ano passado, segundo a prefeitura, o público presente no carnaval paulistano foi de 14 milhões de pessoas.

Neste ano, o festa na rua promoveu 678 desfiles, do pré ao pós-carnaval.  A nota média do público para o evento foi de 8,97, de acordo com um levantamento feito pelo Observatório do Turismo.

Do total de foliões, 73,6% eram de São Paulo e 26,4% turistas, sendo 19,4% deles de outros estados brasileiros e 0,62% de estrangeiros . O período de permanência média dos turistas foi de dois dias e o gasto médio durante a estadia foi de R$ 648,19. O impacto econômico do evento na cidade inclui gastos com transporte, alimentação, compras, hospedagem e lazer, considerando-se o público oficial.

A maior parte dos foliões eram do sexo feminino (56,4% do total), majoritariamente das faixas etárias de 25 a 29 anos (32,4%) e de 18 a 24 anos (29,6%). Mais da metade (51,4%) usou metrô ou trem para ir aos eventos, seguido por ônibus (31,6%). Considerando-se somente os foliões paulistanos, o gasto médio individual no evento foi de R$ 81.

Edição: Liliane Farias

Cantora Dhi Ribeiro fala ao Impressões sobre seu amor pelo samba

Programa Impressões conversa com a cantora Dhi Ribeiro
© Divulgação/TV Brasil

“O samba me puxou e eu disse: É. Eu vou por aqui”, contou ela

Publicado em 02/03/2020 – 13:49 Por Agência Brasil – Brasília

Ainda na estrada, apresentando o primeiro álbum independente, lançado na semana da Consciência Negra, a cantora Dhi Ribeiro esbanja bom humor e desafia: “Eu escolhi tudo. Se vai ser bom, ou se não vai ser bom, a culpa é minha”, disse aos risos. Em entrevista ao programa Impressões, da TV Brasil, que vai ao ar nesta segunda (2), às 21h. Dhi contou como foi a construção deste projeto que ficou dois anos na gaveta, aguardando o momento certo para ser entregue ao público da sambista.

O DVD Leme da Libertação leva o nome de uma das 23 músicas que compõem o álbum. “A partir do Leme da Libertação veio a ideia do trabalho completo, do projeto todo. Vieram chegando músicas para mim que falavam desse assunto. E eu fui também pesquisando”, disse.

A gravação estava pronta já em 2017, mas Dhi foi convidada para participar do reality show The Voice Brasil, ao lado de nomes como Carlinhos Brown, e decidiu aproveitar a nova oportunidade e adiar por mais tempo a divulgação de seu projeto.

O trabalho que agora já pode ser conhecido pelo público é repleto de abordagem sobre as raízes africanas, o amor, a força da mulher e a fé. Para Dhi, essas questões são pilares de sua vida. “Essa raiz negra é para gente saber sempre de onde você veio. Nunca esquecer de onde veio. A melhor coisa que existe é você saber o ponto de partida para tentar chegar em outro lugar”, disse, acrescentando outros ingredientes. “Sem fé, comigo não tem jeito. A fé me segura, me sustenta. E o amor, porque a gente precisa de amor para viver”, explicou.

Trajetória

Com uma trajetória de mais de 30 anos, a cantora que até então tinha apenas um álbum gravado – Manual da Mulher, lançado em 2009 – decidiu marcar a nova fase profissional à frente de todo um projeto. O desafio, contou ela à jornalista Katiuscia Neri, incluiu duas composições próprias, escritas em parceria com a irmã, Eli Ribeiro, e com o cantor Juninho Peralva.

Aos risos, ela admite ter gostado da experiência, mas assegura que não pretende abrir mão da carreira de intérprete. “Tem muita gente boa compondo nesse país. A gente tem um celeiro maravilhoso. Tanta gente boa compondo, para eu fazer qualquer coisinha. Prefiro gravar uma coisa bonita do que compor qualquer coisa só para dizer que estou compondo”, disse.

A cantora nasceu no Rio de Janeiro, foi criada em Salvador e é radicada em Brasília, para onde se mudou há mais de 25 anos. Ao longo do caminho profissional, Dhi cantou axé, música baiana e MPB. Hoje, fisgada pelo samba, afirma que não troca os ares da capital federal. Segundo ela, foi no planalto central que o samba a fisgou.

“Quando cheguei aqui, encontrei a facilidade de lidar com grandes violonistas de 7 cordas, cavaquinhistas, bandolinistas. Temos grandes músicos de harmonia. O samba me puxou e eu disse: É. Eu vou por aqui”, contou.

Edição: Denise Griesinger

No Rio, blocos levaram às ruas mais de 7 milhões de foliões

Cordão da Bola Preta faz seu 102º pelas ruas do centro do Rio de Janeiro
© Tomaz Silva/Agência Brasil

Balanço foi divulgado hoje pela prefeitura

Publicado em 02/03/2020 – 12:01 Por Ana Cristina Campos – Repórter da Agência Brasil – Rio de Janeiro
Atualizado em 02/03/2020 – 13:58

Os 453 blocos levaram às ruas 7,082 milhões de foliões no Carnaval do Rio de Janeiro, segundo balanço divulgado hoje (2) pela prefeitura do Rio. Os desfiles que reuniram mais foliões foram o Fervo da Lud, com 1 milhão de pessoas, o Bola Preta, com 630 mil, e o Bangalafumenga, com 500 mil.Os seis dias de desfile no Sambódromo receberam 273,5 mil pessoas.

Os 77 palcos com apresentação musical pela cidade, além de outros locais com bailes populares, reuniram mais 3 milhões de pessoas, totalizando 10,63 milhões de foliões. “Não tivemos nenhum incidente grave nos blocos”, informou o presidente da Empresa de Turismo do Município do Rio de Janeiro (Riotur), Marcelo Alves.

Marcelo Alves disse que a capital fluminense recebeu 2,1 milhões de turistas, ante 1,6 milhão no ano passado. O carnaval movimentou R$ 4 bilhões na economia do Rio. Segundo ele, a ocupação hoteleira ficou em média em 93% e, em algumas regiões, chegou próximo à 100% na semana do carnaval. Dentre os hóspedes, 77% eram brasileiros e 23% estrangeiros.

Segurança e limpeza

As barreiras de segurança montadas na entrada dos megablocos apreenderam 1.908 garrafas de vidro, 252 facas, 27 estiletes, 30 canivetes, 18 armas de brinquedo, duas de choque e 23 chaves de fenda. Foram registrados oito furtos nos megablocos, contra 110 ocorrências no ano passado. “Foi um carnaval de segurança. Com as barreiras de segurança, diminuímos em 90% os furtos dentro dos megablocos”, disse o secretário de Envelhecimento Saudável, Qualidade de Vida e Eventos do Rio, Felipe Michel.

A Companhia Municipal de Limpeza Urbana (Comlurb) recolheu ao todo 709 toneladas de resíduos. Os seis dias de desfiles na Marquês de Sapucaí geraram 332,5 toneladas de resíduos, sendo 258,1 toneladas na parte interna, 62,8 na parte externa e entorno, incluindo o Terreirão do Samba, e 11,6 de materiais potencialmente recicláveis. Durante todo o período de carnaval, foram recolhidas 119,4 toneladas de lixo dos blocos.

As equipes do Lixo Zero multaram 1.050 pessoas flagradas urinando na rua, com multa de R$ 607,54, e 64 por descarte de lixo no chão, com multa de R$ 221,75.

Matéria ampliada às 13h58

Edição: Valéria Aguiar

Movimento Não é Não faz 42.900 abordagens no carnaval de São Paulo

Campanha combate assédio contra mulheres no carnaval - Foto Madalena Rodrigues/Divulgação Agência Brasil
© Madalena Rodrigues

Campanha da prefeitura aplicou tatuagens contra assédio moral e sexual

Publicado em 02/03/2020 – 14:38 Por Ludmilla Souza – Repórter da Agência Brasil – São Paulo

A campanha de sensibilização contra o assédio Não é Não fez, no carnaval de rua deste ano em São Paulo, 42.900 abordagens com aplicação das tatuagens e adesivos entre os foliões que participaram dos desfiles de blocos.

Entre os dias 15 de fevereiro e 1° de março, a equipe das tendas de acolhimento – formada por psicólogas, advogadas, assistentes sociais e voluntárias – fez 18.950 atendimentos, dos quais 400 foram de vítimas de agressão, 270 de assédio, 115 de racismo, 332 de crianças desaparecidas e 115 casos de LGBTQfobia, informou a prefeitura. Em 25% dos casos, foram feitos registros de ocorrência policial, e a vítima teve assistência da equipe de acolhimento durante todo o processo.

Dos 332 casos de menores encontrados sem a companhia do responsável, 327 foram solucionados no próprio dia e cinco encaminhados ao Conselho Tutelar. Houve ainda atendimentos para outros fins, como retirada de preservativos, pedidos de informação e cuidados com pessoas alcoolizadas.

Quanto às ações dos Anjos do Carnaval e encaminhamento para as tendas de acolhimento, no pré-carnaval (dias 15 e 16), foram 50 abordagens. No dia 23, houve 27 atendimentos nas tendas, sem encaminhamentos mais graves, apenas de orientação aos foliões. No dia 24, os atendimentos nas tendas foram 17, intermediados pelos Anjos e, no dia 25, 10. Os Anjos do Carnaval fizeram 104 atendimentos. Além disso, foram distribuídas 101 pulseirinhas de identificação infantil no período.

O objetivo da ação, feita por meio de parceria entre a prefeitura, o site Catraca Livre e a União Geral dos Trabalhadores (UGT)-Sindicato dos Comerciários, foi  conscientizar a população e prevenir casos de assédio no carnaval.

Em outra frente de trabalho, nos quatro dias de carnaval, a Coordenação de Promoção da Igualdade Racial da Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania, órgão da prefeitura de São Paulo, distribuiu 7.500 leques e 3.100 adesivos da campanha de sensibilização #RacismoNão! Blackface Não!

Edição: Nádia Franco

01/03 – Fernando & Sorocaba encerram carnaval de rua de São Paulo no Bloco Carnafacul

Em cima do trio elétrico, sertanejos e convidados agitam o domingo pós-carnaval no bloco do maior evento universitário do Brasil.

São Paulo, 1º de março de 2020 – O Bloco Carnafacul – uma das mais famosas festas universitárias do Brasil – em parceria com a rádio Massa FM, promove carnaval aberto ao público e sai às ruas da Zona Norte de São Paulo com shows gratuitos para toda a família.

Comandado pela dupla Fernando & Sorocaba e os convidados Gustavo Toledo & Gabriel e Salada Mixxta, o evento promete arrastar milhares de foliões neste domingo pós-carnaval com muita agitação, irreverência e música boa.  

A concentração do bloco será na Avenida Luiz Dumont Villares, altura do número 1.601, a partir das 11h.

O local fica no bairro de Santana, com fácil acesso à estação de metrô Parada Inglesa, Linha 1 – Azul (em frente à concentração do Bloco). Serão seis horas horas de folia com o Trio Elétrico Riachuelo, eleito por vários anos um dos melhores do carnaval de Salvador.    

Com entrada franca, o Bloco Carnafacul Massa FM conta com o patrocínio da Riachuelo, apoio do McDonald’s, Obramax, Selvagem e Syn e realização da MB Produções.

SERVIÇO

Bloco Carnafacul
Onde: Av. Luiz Dumont Villares, alt. 1.601 – São Paulo/SP
Data: 1º de março de 2020
Horário: 11h às 17h

Sobre o Carnafacul: Desde 2004, o Carnafacul arrasta milhares de foliões por onde passa. Com enredo próprio, é um ambiente propício a novas experiências, descontraído e bastante desejado pelo público jovem. Às vésperas de completar 16 anos, o Carnafacul é considerado o Maior Evento Universitário do Brasil. Para saber mais, siga o Carnafacul no https://www.facebook.com/CarnafaculSaoPaulo/ e https://www.instagram.com/carnafacul/?hl=pt-br

Imagens relacionadas


Divulgação_Carnafacul
baixar em alta resolução

Fernando & Sorocaba
Divulgação_Carnafacul
baixar em alta resolução

Gustavo Toledo & Gabriel
Divulgação_Carnafacul
baixar em alta resolução

Salada Mixxta
Divulgação_Carnafacul
baixar em alta resolução
Salada Mixxta
Elive Assessoria

Camarote Allegria: último dia de folia tem Deborah Secco e muita gente bonita no Desfile das Campeãs

Juliana Alves, Gabriel O Pensador, Noemia Oliveira e Gabrielle Joie, também marcaram presença na comemoração das escolas do Grupo Especial

Na noite deste sábado 29/2, o Camarote Allegria, conhecido como o mais

Deborah Secco, rainha do Camarote Allegria 2020

animado da Sapucaí, vibrou com o Desfile das Campeãs na Avenida. Encerrando os 7 dias de folia sob o tema Met.AMOR.fose Apaixonante, o Camarote teve show do grupo Fica Comigo,  com convidados surpresa como Rodrigo Lampreia e Banda Melim, que cantou os hits Meu Abrigo e Ouvi Dizer, a nova música Gelo e também interpretou sucessos do axé ao lado do Delão, vocalista do Fica Comigo.

Déborah Secco, rainha do Camarote, foi de Lady in Red e curtiu os desfiles esbanjando simpatia. A musa do espaço Gabrielle Joie também esteve presente, além de Juliana Alves, Gabriel O Pensador, Noemia Oliveira, e os irmãos Rodrigo, Gabriela e Diogo Melim, que se divertiram ao som do lineup. Na Avenida, o show ficou por conta das escolas campeãs do Grupo Especial do Rio de Janeiro: Viradouro, Grande Rio, Mocidade, Beija-Flor, Salgueiro e Mangueira. 

O espaço ainda recebeu Amigos da Onça, Dennis DJ, TheBlackHaus, Lucce, João Brasil, Tucho e outros, que agitaram a pista até o amanhecer na Allegria AfterParty, que iniciou as 5h30 e seguiu manhã adentro.

@camaroteallegria

 Informações à imprensa:

Hochmuller Multimídia

Atendimento: 

yasmimg@hochmuller.com.br

21.974782772

Alta  | Web

Alta  | Web

Diogo e Gabriela Melim (Banda Melim)
(Luke Garcia)

Alta  | Web

Gabriela e Rodrigo Melim (Banda Melim)
(Luke Garcia)

Alta  | Web

Diogo Melim, Delão, Gabriela e Rodrigo Melim.
(Ari Kaye)

Alta  | Web

Noemia Oliveira
(Luke Garcia)

Alta  | Web

Deborah Secco, rainha do Camarote Allegria 2020
(Luke Garcia)

Alta  | Web

Deborah Secco, rainha do Camarote Allegria 2020
(Luke Garcia)

Alta  | Web

Delão (Fica Comigo) e Diogo Melim (Banda Melim)
(Luke Garcia)

Alta  | Web

Gabrielle Joie
(Luke Garcia)

Alta  | Web

Gabriel O Pensador
(Luke Garcia)

Alta  | Web

Dennis DJ
(Luke Garcia)

Banda Melim (Luke Garcia)
Banda Melim
(Luke Garcia)

Daniela Mercury e Anitta encerram o carnaval paulistano

Brasília -  Show da cantora Daniela Mercury na Esplanada dos Ministérios em comemoração a passagem da Tocha Olímpica (Valter Campanato/Agência Brasil)
© Agencia Brasil

Domingo da capital também terá Bloco da Preta e Orquestra Voadora

Publicado em 01/03/2020 – 08:41 Por Daniel Mello – Repórter da Agência Brasil – São Paulo

O carnaval paulistano se encerra neste domingo (1º) com o desfile de 74 blocos por toda a cidade. Entre os destaques está o Bloco da Anitta que, comandado pela cantora carioca, promete levar uma multidão para o Parque Ibirapuera, zona sul paulistana. A concentração do bloco começa às 9h.

O fechamento do carnaval fica a cargo de Daniela Mercury, que vai descer a Rua da Consolação com o bloco Pipoca da Rainha a partir das 14h. A festa deve continuar até depois de escurecer com muito axé.

Outra presença importante no último dia de carnaval será a cantora Preta Gil, que estará no Parque do Ibirapuera, a partir das 14h, com o Bloco da Preta.

No centro, na famosa esquina das avenidas Ipiranga e São João, a banda carioca Orquestra Voadora traz um show que mistura fanfarra com artistas circenses, a partir das 14h.

Carnaval paulistano

A prefeitura estima que o carnaval de 2020 ultrapasse os números do ano passado, quando a cidade movimentou R$ 2,3 bilhões. A festa começou oficialmente em 15 de fevereiro, com o pré-carnaval, e se encerra hoje (1º), último dia de pós-carnaval

Edição: Aline Leal

Feriado de Carnaval atrai mais de 5 mil pessoas ao Blue Beach

hZUHKKANN8w==

O complexo aquático e o playground foram as grandes atrações para quem trocou a folia das ruas por lazer e tranquilidade

O Carnaval atraiu mais de 5 mil pessoas ao Blue Beach Thermas Park, o parque aquático que mais cresce na região e promete ser referência no Alto Tietê. Muito bem localizado, o espaço está instalado a 5 quilômetros do centro de Suzano e apenas 1 hora da Capital. O parque conta com atrações para toda a família, com sessões exclusivas para as crianças, com restaurante, lanchonetes, quadras e academia para quem trocou a folia das ruas pela diversão no complexo aquático. Com uma extensa área verde, o parque possui um ambiente que fica ainda mais atrativo a cada mês, conforme as obras de expansão são concluídas. Embora alguns serviços de melhorias estão sendo executados, o Blue Beach já está bem estruturado para receber o público de todas as idades. E, neste Carnaval, a diversão foi garantida no complexo aquático com atrações para a família e playgrounds cheios de possibilidades de brincadeiras para a garotada. Música, piscina, brinquedos e várias opções de lazer. Foram quatro dias de muita diversão e entretenimento. A folia do Blue Beach Thermas Park foi a melhor escolha para quem preferiu fugir dos movimentados blocos de Carnaval ou até mesmo do sambódromo. O parque já está em pleno funcionamento e foi a grande atração deste feriado. Adultos e crianças curtiram dias inteiros de lazer nas piscinas e no toboágua. Além disso, os baldões também foram outro show de diversões. E ainda teve a sauna, que atraiu muitas pessoas que optaram por relaxar. Além das atrações aquáticas, os pequenos puderam brincar e se entreter muito no playground, que é um ambiente completo, seguro e cheio de brinquedos para crianças de todas as idades. Os visitantes ainda usufruíram das quadras, academia e do restaurante que já estão disponíveis no Blue Beach Thermas Park. Até a quarta-feira de cinzas foi possível presenciar algumas famílias se divertindo no complexo do Village Kids.   Entre em Contato O Blue Beach Thermas Park está aberto de terça a domingo, das 9h às 17h30. O complexo está localizado na Rua Rocha, 62, no bairro Meu Cantinho, em Suzano. Para mais informações sobre aquisição de ingressos e serviços acesse o site bluebeachpark.com.br ou entre em contato pelo telefone (11) 4746-7060.

Acesse:

Facebook: Blue Beach Suzano

Instagram: @bluebeachthermaspark

Site: www.bluebeachpark.com.br

Carnaval 2020 é marcado por recordes

Festa movimentou milhões de pessoas e atraiu turistas de diversos estados e nacionalidades

A movimentação de foliões nos principais polos do carnaval no país registrou recorde em 2020. De acordo com dados divulgados pelos gestores locais, Olinda (PE), Recife (PE) e Salvador (BA) registraram 22,1 milhões de pessoas, o maior número até então. No Rio de Janeiro (RJ), informações prévias dão conta de que mais de 6,4 milhões de foliões aproveitaram os blocos e os desfiles das escolas de samba na capital fluminense. Em São Paulo (SP), a prefeitura municipal espera o fim de semana para divulgar os índices. 

O ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, destaca que as expectativas para o Carnaval se confirmaram e que o setor foi um dos principais beneficiados. “A cada ano que passa temos mais pessoas aproveitando essa festa tão popular e democrática e que está completamente ligada ao Turismo. São brasileiros de Norte ao Sul do País que se divertem e movimentam o nosso setor, criando emprego e renda para milhares de pessoas”, afirmou.  

Na capital pernambucana, dois milhões de foliões aproveitaram o carnaval, 400 mil a mais que em 2019. Na vizinha, Olinda, o número foi de 3,6 milhões, com um aumento de 200 mil pessoas em relação ao ano anterior. Desse total, quase metade (1,5 milhão) vieram de outros estados e 400 mil de outros países. A taxa de ocupação hoteleira registrou média de 98%, segundo a Associação Brasileira da Indústria de Hotéis (ABIH) de Pernambuco.

Salvador teve uma média de 16,5 milhões de pessoas curtindo a folia. Deste total, 854 mil eram turistas do interior do estado e de São Paulo, Rio de Janeiro, Pernambuco, Minas Gerais e Distrito Federal. Além disso, a capital recebeu 86 mil turistas estrangeiros vindos, principalmente, da Argentina, França, Estados Unidos, Alemanha, Espanha e Inglaterra. De acordo com o governo baiano, a receita turística do período é estimada em R$ 2,5 bilhões.

No Rio de Janeiro, até a manhã da última quarta-feira (26/02), mais de 6,4 milhões aproveitaram as festas do momo, de acordo com a Riotur.

VISITAS – Durante o mês de fevereiro, o ministro do Turismo, Marcelo Álvaro Antônio, realizou uma série de visitas técnicas nos principais destinos de Carnaval do país. O objetivo da iniciativa foi verificar os preparativos da festa, que, segundo estimativas da Confederação Nacional do Comércio (CNC), movimentou cerca de R$ 8 bilhões na economia do Brasil, o maior valor desde 2015.

Em Salvador (BA), Álvaro Antônio esteve no Centro de Distribuição de Abadás da capital baiana e discutiu estratégias para o fortalecimento do setor com o trade turístico do estado. Em Recife (PE), o ministro passou pela Central do Carnaval, ponto de encontro dos foliões na capital pernambucana, já no Rio de Janeiro (RJ), visitou as instalações do sambódromo e se reuniu com o trade turístico local para tratar da organização e segurança de uma das maiores festas populares do mundo.

mascaradedisparo-rodape_tamanho disparador2.png