Dólar ultrapassa R$ 5,40 com perspectiva de corte de juros

É o maior valor nominal desde a criação do real

Publicado em 22/04/2020 – 19:06 Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Em meio a perspectivas de novos cortes de juros pelo Banco Central (BC), o dólar comercial ultrapassou a barreira de R$ 5,40 e fechou no maior valor nominal – sem considerar a inflação – desde a criação do real. A moeda encerrou esta quarta-feira (22) vendida a R$ 5,409, com alta de R$ 0,10 (+1,88%).

A cotação ultrapassou os R$ 5,40 no início da tarde. Na máxima do dia, por volta das 16h30, o dólar superou os R$ 5,41. A divisa acumula alta de 34,8% em 2020. A alta poderia ter sido maior caso o Banco Central não tivesse intervindo no mercado. A autoridade monetária fez um leilão de contratos novos de swap – venda de dólares no mercado futuro – e rolou (renovou) contratos de swap antigos que vencerão em junho.

A cotação operou em alta durante toda a sessão, disparando depois de declarações do presidente do BC, Roberto Campos Neto, de que o cenário para a Selic (taxa básica de juros) mudou depois da última reunião do Comitê de Política Monetária (Copom). Ele fez a declaração em transmissão virtual promovida pelo jornal O Estado de S. Paulo.

Juros mais baixos tornam menos atrativos os investimentos em países emergentes, como o Brasil, estimulando a retirada de capitais por estrangeiros.

Bolsa de valores

Diferentemente do câmbio, o dia foi de recuperação na bolsa de valores. O índice Ibovespa, da B3 (bolsa de valores brasileira), fechou esta quarta aos 80.687 pontos, com alta de 2,17%. O indicador seguiu o mercado externo, influenciado pela recuperação da crise de petróleo.

O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, encerrou o dia com ganhos de 1,99%.

Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. As interrupções na atividade econômica associadas à restrição de atividades sociais travam a produção e o consumo, provocando instabilidades.

No entanto, a perspectiva de que vários países da Europa e regiões dos Estados Unidos relaxem as restrições após a superação do pico da pandemia anima os mercados.

Petróleo

Os preços internacionais do petróleo, que despencaram nos últimos dois dias, ensaiaram uma recuperação hoje. Os contratos futuros dos barris do tipo WTI para junho, que servem como referencial para o mercado norte-americano, encerraram o dia em US$ 14,23, com alta de 23% apenas hoje.

Na segunda-feira (20), os contratos do WTI para maio, que não estão mais ativos, fecharam com preços negativos pela primeira vez na história, afetados pela baixa demanda e pelos altos estoques de petróleo.

As cotações do barril do tipo Brent, que servem de referencial para o mercado internacional e para a Petrobras, também se recuperaram. Por volta das 18h30, o Brent era vendido a US$ 20,95, com alta de 8,4%.

A alta refletiu-se nas ações da Petrobras, as mais negociadas na bolsa. Os papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) valorizaram-se 3,63% nesta quarta. Os papéis preferenciais (com prioridade na distribuição de dividendos) tiveram ganho de 5,02%.

A guerra de preços de petróleo começou há um mês, quando Arábia Saudita e Rússia aumentaram a produção, mesmo com os preços em queda. Ontem (21), a cotação do barril do tipo Brent chegou a operar abaixo de US$ 20, no menor nível em 18 anos. Segundo a Petrobras, a extração do petróleo na camada pré-sal só é viável para cotações a partir de US$ 45.

Edição: Nádia Franco

Dólar ultrapassa R$ 5,30 com instabilidade no mercado de petróleo

dólares

© Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Economia

Bolsa fecha com pequena queda depois de oscilar ao longo do dia

Publicado em 20/04/2020 – 19:23 Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Em meio às incertezas domésticas e à instabilidade no mercado de petróleo, o dólar comercial ultrapassou a barreira de R$ 5,30 e fechou no maior valor desde o início do mês. A moeda encerrou esta segunda-feira (20) vendida a R$ 5,309, com alta de R$ 0,073 (+1,4%). Esse foi o maior valor registrado desde 3 de abril, quando a cotação tinha fechado em R$ 5,326, e o segundo maior nível nominal – sem considerar a inflação – desde a criação do real.

A cotação operou em alta durante toda a sessão. Na máxima do dia, por volta das 15h45, a moeda superou R$ 5,31. A divisa acumula alta de 32,3% em 2020.

A alta poderia ter sido maior caso o Banco Central (BC) não tivesse intervindo no mercado. A autoridade monetária vendeu US$ 500 milhões à vista das reservas internacionais e leiloou US$ 1,187 bilhão em operações compromissadas, em que o dinheiro volta para o caixa do BC depois de alguns meses.

Bolsa de valores

A bolsa de valores também foi afetada pela instabilidade no mercado de petróleo. Depois de subir na sexta-feira (17), a B3 (bolsa de valores brasileira), fechou esta segunda aos 78.973 pontos, com pequena queda de 0,02%. O indicador oscilou bastante ao longo do dia, alternando momentos de alta e de baixa, mas foi influenciado pelo mercado externo perto do fim de sessão. O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, encerrou esta segunda com forte recuo de 2,44%.

Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. As interrupções na atividade econômica associadas à restrição de atividades sociais travam a produção e o consumo, provocando instabilidades.

A perspectiva de que vários países da Europa e regiões dos Estados Unidos relaxem as restrições após o número de novos casos ter se estabilizado tinha animado os mercados na semana passada, mas a divulgação, por diversos países, de que o tombo na economia em 2020 pode ser maior que o esperado afetou diversos mercados, como o do petróleo.

Petróleo

Nesta segunda-feira, a cotação do barril de petróleo do Texas, referencial para o mercado norte-americano, fechou com preço negativo pela primeira vez na história. Os contratos futuros dos barris do tipo WTI para maio, que vencem amanhã (21) encerraram o dia em -US$ 37,63, com queda de 300% num único dia.

Isso ocorreu porque, com a queda na demanda de petróleo, está faltando espaço para armazenar o combustível, o que fez muitos investidores vender os contratos a qualquer custo, pagando para outras pessoas estocarem os barris que não têm condições de armazenar. Os contratos com vencimento em maio não estão mais ativos, mas a negociação de hoje serviu de alerta para o que pode acontecer no vencimento dos contratos do barril do tipo Brent, usados como parâmetro pela Petrobras e referencial internacional da cotação de petróleo.

Por volta das 19h, o Brent era vendido a US$ 25,99, com queda de 7,44%. A turbulência refletiu-se nas ações da Petrobras, as mais negociadas na bolsa. Os papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) desvalorizaram-se 0,9% nesta segunda. Os papéis preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos) tiveram queda de 1,12%.

A guerra de preços de petróleo começou há um mês, quando Arábia Saudita e Rússia aumentaram a produção, mesmo com os preços em queda. No início do mês, a cotação do barril do tipo Brent chegou a operar abaixo de US$ 20, no menor nível em 18 anos. Segundo a Petrobras, a extração do petróleo na camada pré-sal só é viável para cotações a partir de US$ 45.

Edição: Bruna Saniele

Dólar cai para R$ 5,23, mas fecha semana com alta de quase 3%

Dólares - Moeda estrangeira

© Marcello Casal JrAgência Brasil

Economia

Bolsa avança pela segunda semana consecutiva

Publicado em 17/04/2020 – 20:25 Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Mesmo com incertezas sobre a evolução da pandemia de covid-19, o dólar comercial caiu nesta sexta-feira (17). A moeda encerrou o dia vendida a R$ 5,236 com recuo de R$ 0,021 (-0,39%). A cotação, no entanto, fechou a semana com alta de 2,85%.

O dólar operou perto da estabilidade durante toda a sessão, alternando momentos de alta e de baixa, mas passou a cair nos minutos finais de negociação, seguindo os mercados externos. Na máxima do dia, por volta das 12h, a moeda encostou em R$ 5,28. A divisa acumula alta de 30,48% em 2020.

O Banco Central (BC) interveio no mercado. Como nos últimos dias, a autoridade monetária rolou US$ 1 bilhão em contratos de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro, e fez um leilão extra de contratos novos, sem informar o valor vendido. No início da noite, o BC anunciou que rolará (renovará) integralmente US$ 5,3 bilhões em contratos de swap cambial que venceriam em 1º de junho.

Bolsa de valores

O alívio no mercado de câmbio estendeu-se à bolsa de valores. Depois de dois dias de queda, o índice Ibovespa, da B3 (bolsa de valores brasileira), fechou o dia em 78.990 pontos, com valorização de 1,51%. O indicador fechou a semana com alta de 1,68%, tendo alternado dias de subida e de queda.

A bolsa brasileira seguiu as bolsas internacionais. O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, encerrou esta sexta com alta de 2,99%. Na semana, o índice subiu 2,2%.

Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. As interrupções na atividade econômica associadas à restrição de atividades sociais travam a produção e o consumo, provocando instabilidades.

No início da semana, o Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou que a economia global terá queda de 3% em 2020. Para o Brasil, os prognósticos são piores, com o organismo internacional projetando retração de 5,3% no Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e dos serviços produzidos no país). No entanto, anúncios de que diversos países europeus pretendem amenizar as medidas de distanciamento social após a estabilização dos casos têm reduzido a turbulência nos mercados globais.

Petróleo

O alívio nos mercados de ações não se repetiu no mercado de petróleo, pressionado por dúvidas sobre o acordo entre os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). No domingo (12), os países do grupo fecharam um acordo para reduzir a produção global em 10 milhões de barris por dia em maio e junho. No entanto, a preocupação com a queda mundial da demanda provocada pela pandemia e a resistência de empresas e de governos a aderir ao acordo influenciam as cotações internacionais do barril.

Por volta das 19h30, o Brent era vendido a US$ 28,08, com alta de 0,93%, mas fechou a semana com queda de 11,5%. As ações da Petrobras, as mais negociadas na bolsa, recuperaram-se depois de dias de queda. Os papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) valorizaram-se 3,53% nesta quarta. Os papéis preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos) tiveram alta de 2,61%.

A guerra de preços de petróleo começou há um mês, quando Arábia Saudita e Rússia aumentaram a produção, mesmo com os preços em queda. Há duas semanas, a cotação do barril do tipo Brent chegou a operar próxima de US$ 20, no menor nível em 18 anos. Segundo a Petrobras, a extração do petróleo na camada pré-sal só é viável para cotações a partir de US$ 45.

Edição: Fábio Massalli

Dólar sobe para R$ 5,25 e fecha no maior valor em dez dias

dólares

© Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Economia

Bolsa fecha em queda pela segunda sessão consecutiva

Publicado em 16/04/2020 – 19:14 Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Em meio às incertezas domésticas e internacionais sobre a evolução da pandemia de covid-19, o dólar comercial subiu pelo quarto dia seguido e fechou no maior valor em dez dias. A moeda encerrou esta quinta-feira (16) vendida a R$ 5,256, com alta de R$ 0,014 (+0,27%). Esse foi o maior valor registrado desde 6 de abril, quando a cotação tinha fechado em R$ 5,292.

A cotação operou em alta durante toda a sessão. Na máxima do dia, por volta das 16h, a moeda encostou em R$ 5,27. A divisa acumula alta de 30,99% em 2020.

O Banco Central (BC) interveio no mercado. Como nos últimos dias, a autoridade monetária rolou US$ 1 bilhão em contratos de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro. O BC também leiloou novos contratos de swap. Embora tenham sido oferecidos US$ 1 bilhão, o valor efetivamente vendido não foi divulgado no site.

Bolsa de valores

As tensões no mercado de câmbio refletiram-se na bolsa de valores. Pelo segundo dia seguido, o índice Ibovespa, da B3 (bolsa de valores brasileira), caiu e fechou o dia em 77.812 pontos, com queda de 1,29%. O indicador descolou-se das bolsas internacionais. O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, encerrou esta quinta com pequena alta de 0,14%.

Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. As interrupções na atividade econômica associadas à restrição de atividades sociais travam a produção e o consumo, provocando instabilidades.

Na terça-feira (14), o Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou que a economia global terá queda de 3% em 2020. Para o Brasil, os prognósticos são piores, com o organismo internacional projetando retração de 5,3% no Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e dos serviços produzidos no país).

No entanto, a perspectiva de que vários países europeus afrouxem as medidas de quarentena após a desaceleração no número de casos novos de covid-19 trouxe alívio para parte dos mercados globais. As bolsas de Londres e de Frankfurt fecharam em alta. Nos Estados Unidos, a divulgação de que 5,2 milhões de trabalhadores pediram seguro-desemprego na semana passada continua alta, mas o número não destoou das expectativas do mercado.

Petróleo

As dúvidas sobre o acordo entre os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) continuam a pressionar os mercados. No domingo (12), os países do grupo fecharam um acordo para reduzir a produção global em 10 milhões de barris por dia em maio e junho. No entanto, a preocupação com a queda mundial da demanda provocada pela pandemia e a resistência de empresas e de governos a aderir ao acordo influenciam as cotações internacionais do barril.

Por volta das 18h30, o Brent era vendido a US$ 28,36, com alta de 2,42%, depois de cair mais de 6% ontem. O alívio, no entanto, não se estendeu às ações da Petrobras, as mais negociadas na bolsa. Os papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) desvalorizaram-se 2,95% nesta quinta. Os papéis preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos) tiveram queda de 4,03%.

A guerra de preços de petróleo começou há um mês, quando Arábia Saudita e Rússia aumentaram a produção, mesmo com os preços em queda. No início do mês, a cotação do barril do tipo Brent chegou a operar próxima de US$ 20, no menor nível em 18 anos. Segundo a Petrobras, a extração do petróleo na camada pré-sal só é viável para cotações a partir de US$ 45.

Edição: Aline Leal

Dólar sobe para R$ 5,24 e fecha no maior valor em nove dias

Dólares

© Arquivo/Agência Brasil

Economia

Bolsa cai depois de duas altas seguidas

Publicado em 15/04/2020 – 19:53 Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Em meio às incertezas sobre a evolução da pandemia de covid-19, o dólar comercial subiu pelo terceiro dia seguido e fechou no maior valor em nove dias. A moeda encerrou esta quarta-feira (15) vendida a R$ 5,242, com alta de R$ 0,052 (+1%). Esse foi o maior valor registrado desde 6 de abril, quando a cotação tinha fechado em R$ 5,292.

A cotação operou em alta durante toda a sessão. Na máxima do dia, por volta das 12h, a moeda encostou em R$ 5,26. A divisa acumula alta de 30,64% em 2020.

O Banco Central (BC) interveio no mercado. Como nos últimos dias, a autoridade monetária rolou US$ 1 bilhão em contratos de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro.

Bolsa de valores

As tensões no mercado de câmbio refletiram-se na bolsa de valores. Depois de dois dias de alta, o índice Ibovespa, da B3 (bolsa de valores brasileira), fechou o dia em 78.831 pontos, com queda de 1,36%. O indicador seguiu as bolsas internacionais. O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, encerrou esta quarta com recuo de 1,86%.

Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia do novo coronavírus. As interrupções na atividade econômica associadas à restrição de atividades sociais travam a produção e o consumo, provocando instabilidades.

Ontem (14), o Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou que a economia global terá queda de 3% em 2020. Para o Brasil, os prognósticos são piores, com o organismo internacional projetando retração de 5,3% no Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e dos serviços produzidos no país).

Petróleo

As dúvidas sobre o acordo entre os membros da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) continuam a pressionar os mercados. No domingo (12), os países do grupo fecharam um acordo para reduzir a produção global em 10 milhões de barris por dia em maio e junho. No entanto, a preocupação com a queda mundial da demanda provocada pela pandemia e a resistência de empresas e de governos a aderir ao acordo influenciam as cotações internacionais do barril.

Por volta das 19h30, o Brent era vendido a US$ 27,69, com queda de 6,45%, no menor valor desde o último dia 2. As ações da Petrobras, as mais negociadas na bolsa, recuaram. Os papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) desvalorizaram-se 3,26% nesta quarta. Os papéis preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos) tiveram queda de 2,09%.

A guerra de preços de petróleo começou há um mês, quando Arábia Saudita e Rússia aumentaram a produção, mesmo com os preços em queda. Há duas semanas, a cotação do barril do tipo Brent chegou a operar próxima de US$ 20, no menor nível em 18 anos. Segundo a Petrobras, a extração do petróleo na camada pré-sal só é viável para cotações a partir de US$ 45.

Edição: Denise Griesinger

Dólar sobe pelo segundo dia seguido e fecha em R$ 5,19

dólares

© Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Economia

Bolsa reage a cenário externo e sobe 1,37%

Publicado em 14/04/2020 – 19:21 Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Em meio à divulgação de indicadores contraditórios sobre o impacto econômico da pandemia de coronavírus, o dólar comercial voltou a subir e aproximar-se de R$ 5,20. A moeda encerrou esta terça-feira (14) vendida a R$ 5,191, com alta de R$ 0,005 (+0,1%).

A cotação operou perto da estabilidade durante toda a sessão, alternando momentos de alta e de baixa. Na máxima do dia, por volta das 12h30, a moeda encostou em R$ 5,21. A divisa acumula alta de 29,35% em 2020.

O Banco Central (BC) interveio no mercado. A autoridade monetária rolou US$ 1 bilhão em contratos de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro.

Bolsa de valores

As tensões no mercado de câmbio não se refletiram na bolsa de valores. Depois de ter caído ontem (13), o índice Ibovespa, da B3 (bolsa de valores brasileira), reagiu e fechou o dia em 79.918 pontos, com alta de 1,37%. O indicador seguiu as bolsas internacionais. O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, encerrou esta terça com alta de 2,39%.

Há várias semanas, mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia de coronavírus. As interrupções na atividade econômica associadas à restrição de atividades sociais travam a produção e o consumo, provocando instabilidades.

Hoje, o Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou que a economia global terá queda de 3% em 2020. Para o Brasil, os prognósticos são piores, com o organismo internacional projetando retração de 5,3% no Produto Interno Bruto (PIB, soma dos bens e dos serviços produzidos no país).

Paralelamente, as exportações na China, primeiro país afetado pela pandemia, caíram 6,6% em março na comparação com o mesmo mês do ano passado. A queda foi menor que o previsto. Paralelamente, estados norte-americanos e países europeus discutem planos para afrouxar a quarentena e as restrições sanitárias, o que indica que a pandemia está estabilizando-se.

Petróleo

As dúvidas sobre o acordo entre os países da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) continuam a pressionar os mercados. No domingo (12), os membros do grupo fecharam um acordo para reduzir a produção global em 10 milhões de barris por dia em maio e junho. No entanto, a preocupação com a queda mundial da demanda provocada pela pandemia e a resistência de empresas e de governos a aderir ao acordo influenciam as cotações internacionais do barril.

A guerra de preços de petróleo começou há um mês, quando Arábia Saudita e Rússia aumentaram a produção, mesmo com os preços em queda. Há duas semanas, a cotação do barril do tipo Brent chegou a operar próxima de US$ 20, no menor nível em 18 anos. Segundo a Petrobras, a extração do petróleo na camada pré-sal só é viável para cotações a partir de US$ 45.

Por volta das 18h30, o Brent era vendido a US$ 30,07, com queda de 5,26%. As ações da Petrobras, as mais negociadas na bolsa, recuaram. Os papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) desvalorizaram-se 0,69% nesta terça. Os papéis preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos) tiveram queda de 1,18%.

Edição: Pedro Ivo de Oliveira

Dólar interrompe sequência de quedas e fecha acima de R$ 5,18

Dólares-Moeda estrangeira

© Marcello Casal JrAgência Brasil

Economia

Na contramão do mercado externo, bolsa subiu 1,49%

Publicado em 13/04/2020 – 18:51 Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Depois de quatro sessões consecutivas de queda, o dólar comercial voltou a subir nesta segunda-feira (13). A moeda, que tinha fechado a semana passada em R$ 5,08, subiu R$ 0,095 e fechou o dia vendida a R$ 5,186, com alta de 1,86%.

A cotação operou em alta durante todo o dia, em meio a dúvidas sobre o acordo da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) para reduzir a produção em todo o mundo e elevar os preços do produto. Na máxima do dia, por volta das 11h30, o dólar chegou a R$ 5,20.

A divisa acumula alta de 29,22% em 2020. O Banco Central (BC) interveio no mercado. A autoridade monetária rolou (renovou) US$ 1 bilhão em contratos de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro. A autoridade monetária também vendeu US$ 199 milhões em operações compromissadas com títulos denominados em dólar.

Bolsa de valores

As tensões no mercado de câmbio não se refletiram na bolsa de valores. Depois de cair na última quinta-feira (9), o índice Ibovespa, da B3 (bolsa de valores brasileira), fechou o dia aos 78.836 pontos, com recuo de 1,49%. O indicador descolou-se das bolsas internacionais. O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, encerrou esta segunda com queda de 1,39%.

Há várias semanas, os mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia de coronavírus. As interrupções na atividade econômica associadas à restrição de atividades sociais travam a produção e o consumo, provocando instabilidades.

Petróleo

Em reunião emergencial ontem (12), os países da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) fecharam um acordo para reduzir a produção global em 10 milhões de barris por dia em maio e junho. No entanto, a preocupação com a queda mundial da demanda provocada pela pandemia continua a pressionar os mercados.

A guerra de preços de petróleo começou há um mês, quando Arábia Saudita e Rússia aumentaram a produção, mesmo com os preços em queda. Há duas semanas, a cotação do barril do tipo Brent chegou a operar próxima de US$ 20, no menor nível em 18 anos. Segundo a Petrobras, a extração do petróleo na camada pré-sal só é viável para cotações a partir de US$ 45.

Por volta das 18h30, o Brent era vendido a US$ 31,80, com alta de 1,02%. As ações da Petrobras, as mais negociadas na bolsa, subiram. Os papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) valorizaram-se 2,61% nesta segunda. Os papéis preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos) tiveram alta de 0,65%.

Edição: Denise Griesinger

Dólar fecha abaixo de R$ 5,10 pela primeira vez em duas semanas

dólares

© Marcello Casal Jr./Agência Brasil

Economia

Bolsa de valores cai, mas encerra semana com alta de 12%

Publicado em 09/04/2020 – 19:07 Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Em reação à desaceleração de casos do novo coronavírus em diversos países da Europa e em algumas regiões norte-americanas, o dólar caiu para o menor nível em duas semanas. A bolsa de valores caiu depois de três altas seguidas, mas fechou a semana com alta de 12%. Mesmo assim, o dólar comercial encerrou a quinta-feira (9) vendido a R$ 5,091, com recuo de R$ 0,053 (-1,02%). 

A moeda chegou a operar em alta nos primeiros minutos de negociação, mas reverteu a tendência ainda durante a manhã. Na mínima do dia, por volta das 12h, a cotação chegou a atingir R$ 5,05. A cotação está no menor nível desde 26 de março, quando tinha fechado em R$ 4,996.

O Banco Central (BC) interveio no mercado. A autoridade monetária não vendeu dólares das reservas internacionais hoje, mas leiloou US$ 297 milhões em contratos de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro. Em 2020, o dólar comercial acumula alta de 26,85%.

Bolsa de valores

Depois de três dias seguidos de alta, o índice Ibovespa, da B3 (bolsa de valores brasileira), fechou o dia aos 77.682 pontos, com recuo de 1,2%. Mesmo assim, o índice acumula valorização de 12% na semana.

Há várias semanas, os mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia de coronavírus. As interrupções na atividade econômica associadas à restrição de atividades sociais travam a produção e o consumo, provocando instabilidades.

Petróleo

A bolsa subiu durante quase todo o dia, mas reverteu a tendência depois do fim da reunião da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep). Os países fecharam um acordo para reduzir a produção global em 10 milhões de barris por dia em maio e junho. No entanto, dúvidas se países de fora da Opep também reduzirão a produção fizeram diversas bolsas internacionais cair.

A guerra de preços de petróleo começou há cerca de um mês, quando Arábia Saudita e Rússia aumentaram a produção, mesmo com os preços caindo por causa da baixa demanda provocada pela pandemia. Na semana passada, a cotação do barril do tipo Brent chegou a operar próxima de US$ 20, no menor nível em 18 anos. Segundo a Petrobras, a extração do petróleo na camada pré-sal só é viável para cotações a partir de US$ 45.

Por volta das 18h30, o Brent era vendido a US$ 31,99, com recuo de 2,59%. As ações da Petrobras, as mais negociadas na bolsa, também caíram. Os papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) desvalorizaram-se 3,66% nesta quinta. Os papéis preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos) recuaram 2,89%.

Edição: Fábio Massalli

Dólar cai pela segunda vez e fecha o dia cotado em R$ 5,227

Dólares

© Arquivo/Agência Brasil

Economia

Bolsa de valores disparou 3,08% em dia de recuperação

Publicado em 07/04/2020 – 18:54 Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Em mais um dia de alívio, os mercados globais refletiram a desaceleração de casos do novo coronavírus registrada em diversos países da Europa e em alguns estados norte-americanos. O dólar caiu pelo segundo dia seguido, e a bolsa de valores continuou a recuperar-se, depois de fortes quedas na semana passada.

O dólar comercial encerrou a terça-feira (7) vendido a R$ 5,227, com recuo de R$ 0,064 (-1,2%). A divisa operou em queda o dia inteiro. Na mínima do dia, por volta das 10h30, chegou a atingir R$ 5,19.

O Banco Central (BC) interveio no mercado. A autoridade monetária não vendeu dólares das reservas internacionais hoje, mas leiloou US$ 395 milhões em contratos de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro. Desse total, US$ 165 milhões corresponderam a contratos novos. Em 2020, o dólar comercial acumula alta de 30,24%.

O índice Ibovespa, da B3 (bolsa de valores brasileira), que tinha caído para abaixo dos 70 mil pontos no fim da semana passada, continua se recuperando. O indicador fechou o dia aos 76.358 pontos, com alta de 3,08%. Ao contrário dos últimos dias, o índice não seguiu as bolsas no exterior. O índice Dow Jones, da bolsa de Nova York, encerrou o dia com queda de 0,12%, depois de ter subido mais de 7% ontem (6).

Há várias semanas, os mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia de coronavírus. As interrupções na atividade econômica associadas à restrição de atividades sociais travam a produção e o consumo, provocando instabilidades.

Petróleo

A guerra de preços de petróleo entre Arábia Saudita e Rússia continuou a interferir nos mercados. Os dois países estão aumentando a produção de petróleo, o que tem provocado queda mundial nos preços. A convocação de uma reunião de emergência da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep) para a próxima quinta-feira (9), pode indicar um acordo, mas uma alta sustentada nos preços só será possível se os Estados Unidos precisariam cortar a produção de petróleo ou de gás betuminoso.

A cotação do barril do tipo Brent, que na semana passada atingiu o menor nível em 18 anos, fechou com alta de 1,7%, aos US$ 33,30. As ações da Petrobras, as mais negociadas na bolsa, subiram hoje. Os papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) valorizaram-se 2,54% nesta terça. Os papéis preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos) tiveram alta de 3,99%.

Edição: Denise Griesinger

Dólar cai pela primeira vez em 11 dias com menos casos de coronavírus

Dolares - Moeda estrangeira

© Marcello Casal JrAgência Brasil

Economia

Bolsa de valores disparou 6,52% em dia de recuperação

Publicado em 06/04/2020 – 19:07 Por Wellton Máximo – Repórter da Agência Brasil – Brasília

Em um dia de alívio, os mercados globais refletiram a desaceleração de casos de coronavírus registrada em diversos países da Europa e em alguns estados norte-americanos. O dólar caiu pela primeira vez em 11 dias, e a bolsa de valores subiu, depois de ter encerrado a semana passada no menor nível em 10 dias.

O dólar comercial encerrou a segunda-feira (6) vendido a R$ 5,292, com recuo de R$ 0,034 (-0,64%). A divisa operou em queda o dia inteiro. Na mínima do dia, por volta das 13h, chegou a atingir R$ 5,22, mas a cotação voltou a aproximar-se de R$ 5,30 ao longo da tarde.

Diferentemente dos últimos dias, o Banco Central (BC) não interveio no mercado. A autoridade monetária não vendeu dólares das reservas internacionais nem leiloou contratos novos de swap cambial, que equivalem à venda de dólares no mercado futuro. Em 2020, o dólar comercial acumula alta de 31,9%.

O índice Ibovespa, da B3 (bolsa de valores brasileira), que tinha caído para abaixo dos 70 mil pontos na sexta-feira, recuperou-se nesta segunda. O indicador fechou o dia aos 74.073 pontos, com alta de 6,52%. O índice seguiu as bolsas no exterior. O índice Dow Jones, da Bolsa de Nova York, encerrou o dia com forte alta de 7,73%.

Há várias semanas, os mercados financeiros em todo o planeta atravessam um período de nervosismo por causa da recessão global provocada pelo agravamento da pandemia de coronavírus. As interrupções na atividade econômica associadas à restrição de atividades sociais travam a produção e o consumo, provocando instabilidades.

Petróleo

Depois de dias de trégua, a guerra de preços do petróleo entre Arábia Saudita e Rússia voltou a interferir nos mercados nesta segunda. Os dois países estão aumentando a produção de petróleo, o que tem provocado queda mundial nos preços. A convocação de uma reunião de emergência da Organização dos Países Exportadores de Petróleo (Opep), que pode indicar um acordo, fez a cotação do barril Brent abrir com recuo de 8%, mas o preço reagiu ao longo do dia, diminuindo o ritmo de queda.

A cotação do barril do tipo Brent, que na terça-feira atingiu o menor nível em 18 anos, estava US$ 33,30 por volta das 18h30, com queda de 2,37%. As ações da Petrobras, as mais negociadas na bolsa, subiram hoje. Os papéis ordinários (com direito a voto em assembleia de acionistas) valorizaram-se 5,42% nesta segunda. Os papéis preferenciais (com preferência na distribuição de dividendos) tiveram alta de 2,8%.

Edição: Liliane Farias