No Dia Mundial do Refugiado, Instituto Adus realiza o evento online: “É Preciso Integrar”

Programação conta com bate-papo entre jornalistas e refugiados, além de uma apresentação da cantora Maria Rita

São Paulo, 9 de junho de 2020 – A data 20 de junho é marcada pelo Dia Mundial do Refugiado e, por este motivo, o Instituto Adus, que há mais de dez anos auxilia pessoas que estão em situação de refúgio no Brasil, promoverá o evento online “É Preciso Integrar”.

A live será mediada pelos jornalistas Antonio Prata e Patricia Campos Mello, ambos do jornal Folha de S. Paulo, os quais promoverão um diálogo com três refugiados: Anas Obaidd, da Síria; Leonardo Matumona, da República Democrática do Congo; e Eliezka Garcia Soto, da Venezuela. Eles contarão suas histórias de vida e a experiência com o refúgio, além de dividirem um pouco da cultura de cada região. Ao longo da transmissão os espectadores poderão compartilhar perguntas para interagir.

O evento ainda contará com a presença da cantora Maria Rita, que se apresentará com o músico Matumona nos intervalos do bate-papo. Além disso, serão divulgadas informações sobre o programa Amigo Adus para que os interessados possam conhecer o canal de doações do Instituto. 

“O papel do Instituto Adus é atuar na reintegração de refugiados e solicitantes de refúgio que buscam inserção social, econômica e cultural. Nossa missão ganha ainda mais importância em um momento como este que estamos vivendo, com a pandemia da Covid-19. Mais do que nunca é preciso integrar. É preciso falar sobre este tema”, ressalta Marcelo Haydu, fundador e diretor do Instituto Adus.

Cozinha do bem

Para reforçar o apoio aos refugiados, especialmente neste período de isolamento social em que muitos estão sofrendo um impacto na fonte de renda, o Instituto Adus listará nos materiais de divulgação do evento nomes e contatos de alguns profissionais que dependem da gastronomia para sobreviver no Brasil.  Assim, os interessados em adquirir algum item dos refugiados poderão saber qual é a especialidade culinária oferecida e entrar em contato direto com os vendedores para ter mais detalhes e efetuar a compra.

“É Preciso Integrar”

Data: 20 de junho de 2020

Horário: das 20h às 22h

Transmissão: canais oficiais do Instituto Adus no YouTube e no Facebook

Inscrições: sympla – o evento é gratuito

Sobre o Instituto Adus

Fundado em 2010, o Adus, Instituto de Reintegração do Refugiado, já auxiliou mais de 10 mil pessoas em situação de refúgio a reconstruírem suas vidas no Brasil. O Instituto oferece aulas de português, cursos de qualificação profissional, inclusão no mercado de trabalho, entre outros projetos. Em 2016, a entidade criou uma escola de idiomas, o Mente Aberta, que oferece cursos de inglês, francês e espanhol, ministrados por professores refugiados, falantes nativos das línguas.

Para conhecer o Adus e colaborar com a causa do refúgio, acesse: www.adus.org.br

Edelman Significa

Em e-book da UFSCar, pesquisadores se reúnem para pensar a pandemia além da Saúde

Multidisciplinar, livro aborda agravamento de questões estruturais como saneamento, urbanismo e gestão pública durante a pandemia

Pensar a pandemia causada pelo novo Coronavírus além de seu aspecto epidemiológico, interpretando o atual quadro de maneira multidisciplinar. Essa é a proposta do livro “Covid-19: crises entremeadas no contexto de pandemia (antecedentes, cenários e recomendações)”, lançado pela Comissão Permanente de Publicações Oficiais e Institucionais (CPOI) da Universidade Federal de São Carlos (UFSCar) e disponível em sua plataforma digital (www.sibi.ufscar.br/cpoi/publicacoes).
A publicação, fruto do esforço conjunto de especialistas do Direito, Gestão Pública, Segurança Alimentar, Engenharia, Ciência Política, Sistemas Complexos e Planejamento Urbano, é destinada a gestores públicos, lideranças comunitárias, movimentos sociais, pesquisadores e a todos os demais interessados em refletir sobre a crise para além de seu aspecto meramente epidemiológico. “Estamos diante de uma crise sem precedentes no século em curso. Não seria apropriado tratá-la apenas como uma crise de saúde ou sanitária, posto que suas origens e consequências ultrapassam, em muito, essas dimensões e, desafortunadamente, fazem-na encontrar com outras crises – econômica, social, política e institucional”, afirmam os organizadores da obra – os professores Norma Valencio e Celso Maran de Oliveira, ambos do Departamento de Ciências Ambientais (DCAm) e do Programa de Pós-Graduação em Ciências Ambientais (PPGCam) da UFSCar.
“Entre outras motivações, a obra surgiu da angústia e da preocupação de muitos colegas, da nossa Universidade e de outras instituições, para com os descaminhos das autoridades governamentais quando da adoção de visões e práticas enviesadas na gestão da crise, com graves riscos à garantia dos direitos da pessoa humana. Consideramos que essa preocupação coletiva, com suas tonalidades teóricas e disciplinares, necessitava de um canal comum de expressão, um livro”, conta Valencio, que compartilhou a ideia inicial com a professora Sônia Buck, atual Chefe do DCAm. “Ela nos estimulou a levar a proposta adiante e colocou a mim e ao professor Celso em contato para deflagrarmos esse processo”, relembra.
O livro apresenta um olhar técnico-científico sobre a crise atual, aprofundando questões nem sempre discutidas no dia a dia. “Todos os autores trazem ao leitor reflexões inovadoras do que temos sido amplamente ‘bombardeados’ pela mídia em geral”, aponta Maran de Oliveira. “São reflexões de profissionais de diversas áreas do conhecimento, o que por si só já difere do que temos visto das abordagens normalmente feitas somente por profissionais da Saúde”, complementa ele.
Um dos destaques da coletânea, de acordo com Valencio, é colocar em evidência os componentes político-institucionais antecedentes à pandemia e que se tornam ingredientes para o seu recrudescimento. “Isso tem ocorrido, por exemplo, na racionalidade burocrática que produz ritmos e interpretações da realidade concreta incompatíveis com as demandas dos grupos sociais vulneráveis e, assim, minam as relações de confiança com a sociedade civil”, destaca a pesquisadora.
“Outro componente discutido é o caráter equivocado de critérios socioespaciais adotados pelas autoridades para gerir a crise. E o aspecto da interdependência entre diferentes sistemas, cuja mentalidade gerencial e política é a vê-los ainda de um modo desagregado. Por fim, o tema do saneamento é problematizado como questão de fundo, estrutural, da forma como a pandemia se comporta”, completa a professora da UFSCar.
Além de analisar os cenários no contexto da pandemia, Maran de Oliveira explica que “uma das preocupações dos organizadores foi no sentido de que cada capítulo pudesse trazer contribuições para o quadro atual”. Uma das recomendações que mais salta aos olhos, na opinião de Valencio, é a necessidade de mobilização da sociedade civil na defesa dos valores democráticos. Outra recomendação é “a escuta dos gestores públicos ao que os outros campos disciplinares e atores sociais têm a dizer sobre a crise, além dos que ora são ouvidos no setor da Saúde, para construir polifonicamente políticas públicas, posto que a crise é multifacetada”. Por fim, a professora destaca que é preciso ampliar a discussão sobre as especificidades sociais dos grupos e modos de enfrentamento da crise – entre eles, idosos, indígenas, produtores rurais de base familiar, empobrecidos do meio urbano – pois a crise exige remédios distintos para uma sociedade heterogênea, desigual e injusta socialmente.

Estrutura da obra
A coletânea, com 447 páginas, é organizada em cinco seções: 1. Dimensões jurídicas, financeiras e de controle da gestão pública; 2. Velhos e novos desafios para as políticas setoriais; 3. Planejamento urbano na berlinda: escalas espaciotemporais de análise da evolução da pandemia; 4. Aspectos sociais sensíveis; e 5. Crise no contexto democrático: dinâmicas e ordem social em jogo.
Os autores são de diversas instituições nacionais – Defensoria Pública do Estado do Espírito Santo (DPES), Fundação Oswaldo Cruz (Fiocruz), Instituto do Câncer do Estado de São Paulo (Icesp), Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), Ministério Público do Estado de São Paulo (MPSP) e do Rio de Janeiro (MPRJ), Rede de Cuidados (RJ), Secretaria Municipal de Saúde de Petrópolis (RJ), Tribunal de Contas do Estado do Rio de Janeiro (TCE-RJ), Universidade de Ribeirão Preto (Unaerp), Universidade de Santos (Unisantos), Universidade Estadual de Campinas (Unicamp), Universidade Estadual Paulista (Unesp), além das universidades federais de Santa Maria (UFSM), de São Carlos (UFSCar), do Rio de Janeiro (UFRJ) e Fluminense (UFF) – e internacionais como as universidades de Tóquio (Japão), Tongji (China) e de Manchester (Inglaterra), além do Instituto Tata de Ciências Sociais (Índia).
O livro “Covid-19: crises entremeadas no contexto de pandemia (antecedentes, cenários e recomendações)” está disponível neste link (https://bit.ly/30lfTbe) e no site da CPOI (www.sibi.ufscar.br/cpoi/publicacoes). E os organizadores vão manter esforços para viabilizar o lançamento também de uma versão impressa. Informações adicionais sobre o e-book podem ser solicitadas aos organizadores pelos e-mails norma.valencio@ufscar.br e celmaran@gmail.com.

UFSCar

Sinjorgran recebe inscrições de chapas até amanhã

Termina nesta quarta-feira (10) o prazo para apresentação das candidaturasno processo eleitoral para a diretoria 2020-2023 do Sindicato dos Jornalistas Profissionais na Região da Grande Dourados (Sinjorgran). O segundo edital de convocação de assembleia geral ordinária foi publicado no Caderno de Atos Oficiais do jornal Diário MS, na última sexta-feira. O primeiro prazo foi encerrado em 27 de maio, sem nenhum inscrito.

A chapa deve indicar 20 membros, sendo sete na diretoria (presidente, vice, primeiro secretário, segundo secretário, tesoureiro, diretor de assistência social e diretor cultural e recreativo); conselho fiscal formado por três titulares e três suplentes; comissão de sindicância formada por três membros; delegação à Federação Nacional dos Jornalistas composta por dois titulares e dois suplentes. Historicamente tem havido consenso em torno da formação da chapa e o processo tem sido definido por aclamação.

Os interessados em concorrer ao pleito tem das 9h às 16h, para fazer o registro da chapa na sede do sindicato, localizada na Avenida Joaquim Teixeira Alves, 1985, sala 07, Centro de Dourados. O candidato precisa estar em dia com seus direitos estatutários, estar filiado a pelo menos 6 meses e preencher as demais condições de elegibilidade do estatuto, que pode ser acessado em: https://sinjorgranms.files.wordpress.com/2011/09/estatuto-dos-jornalistas-2008.pdf.

A documentação necessária para a candidatura é: Requerimento assinado pelo candidato e endereçado à presidente do Sindicato (Karine Segatto); Fichas de qualificação dos candidatos em duas vias assinadas; Cópia das Carteiras de Trabalho e Previdência Social (páginas de identificação, de registro profissional e de contrato de trabalho); Documento que comprove tempo de exercício da profissão ou atividade, vinculada a categoria profissional, na Base Territorial do Sindicato e; Comprovante de residência. A ficha de qualificação está disponível em: https://sinjorgranms.wordpress.com/2020/05/21/ficha-de-qualificacao-do-candidato/.

A nova diretoria precisa ter renovação de 50% dos membros. Entre os filiados que não podem concorrer estão: os aposentados, a menos que tenham retornado ao exercício profissional há mais de dois anos da data da eleição; os desempregados; os empregadores (pessoa jurídica) e; os associados com menos de 90 dias de exercício profissional.

SINJORGRAN

Fundado em 9 de dezembro de 1989, a jurisdição do Sinjorgran é sobre 25 Municípios localizados mais ao Sul de MS: Dourados, Itaporã, Fátima do Sul, Rio Brilhante, Maracaju, Caarapó, Ponta Porã, Amambai, Antônio João, Aral Moreira, Naviraí, Eldorado, Itaquiraí, Mundo Novo, Deodápolis, Iguatemi, Nova Andradina, Ivinhema, Gloria de Dourados, Angélica, Tacuru, Paranhos, Sete Quedas, Coronel Sapucaia e Bataiporã.

CONTATOS

Telefone 3422-5540

E-mail sinjorgran@gmail.com e sinjorgran@yahoo.com.br

Blog: https://sinjorgranms.wordpress.com/

Redes sociais: @sinjorgran.dourados

Endereço: Av. Joaquim Teixeira Alves, 1985 – Centro, Dourados – MS, 79801-012Telefone: (67) 3422-5540E-mail:sinjorgran@gmail.com

O edital:

uc?export=download&id=1ARPb9urpBwjlX2MiWPbYoa6ioGvvl7g0&revid=0B9BbcDfw1PUkOEdOTHVCWWdONXlEaEwzbEdlWnZWL1lWTE1rPQ

Existe clima para comemorar o dia dos Namorados?

Ao que tudo indica a temperatura estará lá embaixo, uma delícia para comemorar entre os lençóis

Chuva e tempo ameno é a temperatura que os termômetros devem marcar no próximo dia 12 de junho, Dia dos Namorados. A comemoração vai exigir criatividade para “esquentar os lençóis”. As flores e o jantar a luz de velas não precisam ser esquecidos e o clima intimista com as baixas temperaturas devem deixar a celebração ainda mais gostosa. Presentes nessa data são super esperados, mas quer que sejam memoráveis? Se a resposta for “SIM” siga o passo a passo que o Shopping Campo Grande preparou para vocês.

1 – Café da manhã para reis e rainhas
O dia precisa começar completo. Acordar de mau humor é sinal de que o tão esperado SIM pode ser um TALVEZ. Antes do café da manhã, pense no sono. Que tal um bom colchão, travesseiros macios e um jogo de lençóis. Lembre-se que posteriormente isso será parte do seu enxoval. O presente será para o casal que depois pode se emaranhar nos lençóis e travesseiros ultramacios. A loja MMartan tem kits prontos que trazem colcha e jogo de lençóis. Nem precisa se preocupar em fazer as combinações. Um Kit Colcha Matelassê Shiny Maite + Jogo de Lençol Percal Ultra Soft Maite por R$ 729,00. Se a grana está curta há opções mais em conta no Shopping Campo Grande na Riachuelo ou mesmo na Artex. Não esqueçam de se alimentar, afinal, mesmo que não seja o dia do pedido oficial, vai precisar de energia…

2 – Brunch para seu príncipe ou princesa
Mesmo em home office é possível surpreender. Dá para preparar um superbrunch com suco de laranja, frutas numa linda bandeja que também pode ser usada para manter o trabalho. Passe no Carrefour para comprar as frutas, iogurte, pães. A sugestão é uma bandeja que não teve para quem quis, “Bandeja Laptop”, da Imaginarium no Shopping Campo Grande, ela custa R$ 219,90. O bom é que além de servir um mimo para o amado(a), nem é preciso sair da cama, é só voltar com notebook e retomar o trabalho de onde parou.

Outro presente que está garantindo o conforto durante o teletrabalho é um suporte para as cadeiras para correção postural. A suporte para correção postural para assento ortopédico para a coluna pode ser encontrada na loja da Doctor Feet e custa R$ 279,00.

3 – A realeza também trabalha
E, mesmo sendo um dia dedicado ao amor, a realidade “chama à porta”, mas é possível trabalhar com todo o conforto. Pois mesmo a realeza trabalha para seus súditos. Se você precisa estar presencialmente em reuniões, as máscaras de pano estão a venda em várias lojas no Shopping Campo Grande. Na Lupo, por exemplo, um kit com duas máscaras sai por R$ 17,90. É possível combinar as máscaras com cada estilo.

O período de home office também deixou o ambiente  mais tranquilo dentro do escritório. O ar corporativo deixou de ser tão rígido e é possível usar camisas e até mesmo camisetas. Na Hering, as camisetas de manga longa estão em promoção, se comprar 3 peças, a unidade sai por R$ 39,99, as de tricot (masculinas) R$ 79,99 cada.

4 – Para deixar a coroa de lado
E se a pedida é deixar sua coroa de princesa ou príncipe de lado e relaxar, aí é que não faltam opções. Na Imaginarium, tem uma almofada massageadora por R$ 399,00. Na Netshoes, os saltos e sapatos fechados podem ser substituídos por tênis que estão sendo a sensação neste período de #FicaEmCasa. Tênis sem cadarço da Olympikus sai por R$ 169,98.

Pijamas e camisolas também são ótimos presentes para garantir todo conforto do “mozão”. A Jogê tem camisolas, pijamas e kaftans para esquentar o Dia dos Namorados. Eles tem uma linha intitulada “Lua de Mel” com diversas opções. Entre elas, a camisola curta cetim Valentines por R$ 339,15.

5 – Fazer o rei/rainha perderem a cabeça
Calma, aqui não é enforcamento e nem guilhotina! O objetivo é seduzir. A sedução começa pelo olfato, sem esquecer da pele. Nem é preciso se descabelar para selecionar o produto correto, O Boticário está com vários kits para todo tipo de pele e de bolso. O kit Lily que traz Lily Eau de Parfum Válvula, 75ml, creme esfoliante corporal, 200ml, creme acetinado desodorante hidratante corporal, custa R$ 249,90. Já para os homens, o kit Quasar com Quasar desodorante colônia, 100ml, antitranspirante Desodorante Aerossol, 31g, e creme desodorante hidratante corporal FPS15, 200ml, sai por R$ 134,90.

6 – Pedido digno da realeza
Agora se quer marcar a data entregando seu coração e sua vida, é hora de arranjar uma aliança digna da realeza. Mesmo sem o pedido de casamento, dá para oficializar o amor com essa aliança da Pandora You & Me, que sai por R$ 489,00.
Que tal um solitário de ouro branco da Vivara? O solitário de ouro branco com 13 pontos de diamantes sai por R$ 3.390,00. Esse é digno de um solene SIM.
Para os eternos namorados, a dica é expressar o romantismo entregando todo o seu amor num pingente em ouro escrito Love, da H. Stern. R$ 1.190,00


Tratamento cirúrgico para infertilidade feminina é tema de live da Clínica Origen

Na próxima quarta-feira, 10 de junho, às 18 horas, acontece live da Clínica Origen. Para debater o tema “Tratamento Cirúrgico para Infertilidade Feminina”, os médicos Marcos Sampaio e Selmo Geber convidam Rodrigo Hurtado, especialista em Reprodução Humana pela Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida e especialista em Cirurgia Videoendoscópica pela Sobracil. O “encontro” será pelo Instagram da clínica (@clinicaorigenreproducao).

Sobre os participantes:

Dr. Marcos Sampaio: médico pela Universidade Federal da Bahia, diplomado em Fertilização in Vitro e investigação biomédica pela Faculdade de Medicina de Valência, na Espanha. Doutor em Ginecologia e Obstetrícia, pós-doutor em Embriologia e Fertilização In Vitro pela Universidade de Melbourne, na Austrália. Atualmente é Médico e Diretor do Centro de Medicina Reprodutiva – Clínica Origen.

Dr. Selmo Geber: médico da Clínica Origen, professor titular e livre docente do Departamento de Ginecologia da Faculdade de Medicina da UFMG. Membro Titular da Academia Mineira de Medicina.

Dr. Rodrigo Hurtado: Formado em Medicina na UFMG. Mestre e Doutor em Saúde da Mulher pela UFMG. Especialista em Reprodução Humana pela Sociedade Brasileira de Reprodução Assistida. Especialista em Cirurgia Ginecológica pela Sociedade Brasileira de Videoendoscopia Professor Adjunto de Ginecologia e Obstetrícia da Faculdade de Medicina da UFMG.

Jaqueline da Mata
Link Comunicação Empresarial

jaqueline.mata@linkcomunicacao.com.br
(31) 2126-8053

Live com a participação da PGE será realizada hoje, às 18h

                       Mais uma vez, as ações da PGE serão destaque e tema de debate

Campo Grande (MS) – Nesta terça-feira (9.6), às 18h (horário local), em debate estará o tema “Atuação da PGE em meio à pandemia do Covid-19” em uma live. Desta vez, quem apresenta a discussão é o canal da Faculdade Insted.

Para a conversa ao vivo, a procuradora-Geral do Estado de Mato Grosso do Sul, Fabíola Marquetti Sanches Rahim, junto com o coordenador da Pós-graduação de Direito da Faculdade Insted e procurador de Justiça, Alexandre Raslan.

A procuradora-Geral terá a oportunidade de expor as decisões tomadas pela PGE desde março – quando começaram as ações de enfrentamento contra o nova coronavírus –, além de prestar contas para a sociedade sobre o papel da instituição. De acordo com ela há um imenso esforço de todos para um bem maior. “Contribuir com os resultados positivos do Estado em servir às demandas da sociedade é a nossa motivação incansável que reflete no nosso responsável trabalho pelo Mato Grosso do Sul e pelas pessoas que nele moram”, afirma.

Karla Tatiane, PGE

Marcha Virtual pela Vida faz debates sobre enfrentamento à covid-19

© REUTERS/Dado Ruvic/Direitos Reservados

Para o meio-dia, estão previstos tuitaço pela plataforma Manif.app.

Publicado em 09/06/2020 – 11:39 Por Letycia Bond – Repórter da Agência Brasil – São Paulo

A Frente pela Vida, movimento que reúne mais de 460 entidades da organização civil, promove hoje (9) a Marcha Virtual pela Vida, concebida como articulação de ações de enfrentamento à pandemia de covid-19. Estão sendo realizados seminários, debates e apresentações culturais sobre diversas áreas do conhecimento, de educação à psicologia. Para o meio-dia, estão previstos um tuitaço, que utilizará as hashtags #MarchaPelaVida e #FrentePelaVida, e um ato virtual, por meio da plataforma Manif.app.

A coalizão, lançada oficialmente no dia 29 de maio, estabeleceu como um dos eixos a contestação da “comprovada subnotificação” de casos de covid-19 no Brasil. Outra bandeira defendida pelo grupo é o fortalecimento da democracia.

Durante a abertura do evento, o presidente da Sociedade Brasileira para o Progresso da Ciência (SBPC), Ildeu Moreira, acrescentou que se pretende disseminar uma mensagem sobre o valor de cada um dos brasileiros e também cobrar das autoridades governamentais e da população em geral comprometimento com o viés científico durante a crise sanitária.

“O terceiro ponto que estamos destacando é a importância de o SUS [Sistema Único de Saúde] ser fortalecido, porque é instrumento essencial no atendimento de milhões de brasileiros. Chamamos a atenção também para o meio ambiente, a vida do planeta, dos humanos, mas também a vida espalhada pela natureza, a biodiversidade extraordinária que nós temos. A nossa preocupação com a biodiversidade, do meio ambiente como fator essencial para a nossa vida e a vida do planeta. O quinto ponto é a importância da solidariedade entre todos nós, em particular com as camadas mais vulneráveis da população brasileira, os setores mais pobres, os desempregados, que estão passando por um momento muito difícil com a crise econômica e sanitária”, complementou.

A programação completa pode ser conferida através do site. Lá, estão indicados todos os links para cada uma das atividades.

Edição: Valéria Aguiar

NTT DATA Open Banking Practice é posicionada como líder no relatório PEAK Matrix for Open Banking IT Services 2020 Assessment Report do Everest Group

São Paulo, 9 de junho do ano 2020 – A NTT DATA Corporation foi classificada como líder no Open Banking IT Services PEAK® Matrix Assessment 2020 do Everest Group. O PEAK Matrix é uma estrutura objetiva e orientada por dados que identifica o sucesso relativo de mercado e as capacidades dos provedores de serviços. A avaliação analisou o mercado de Open Banking sob o âmbito de conformidade e analisou as melhores práticas e inovações nos modelos operacionais baseados em plataforma de organização de ecossistemas e criação de valor.

O Open Banking Practice da NTT DATA recebeu o status de líder, o que significa que é reconhecida como uma solução confiável nas agendas de transformação digital das empresas do Setor Bancário e Financeiro (BFS, sigla em inglês), impulsionando a estratégia de interfaces de aplicações abertas (API), por meio de sua profunda experiência em gerenciamento dessas APIs, centrais para a modernização de recursos de distribuição globais. Para se posicionar como líder, uma empresa precisa provar experiência e domínio específico das regulamentações relacionadas ao Open Banking e um sólido investimento em propriedade intelectual, ferramentas e estruturas para ajudar os clientes em toda a jornada do Open Banking.

Os líderes fornecem uma visão ao setor, expandindo o escopo de ofertas de serviços para permitir que os bancos orquestrem um ambiente aberto e colaborativo, indo além da conformidade para gerar valor comercial a partir do Open Banking.

O Open Banking Practice da NTT DATA recebeu boas avaliações em:
· Adoção e valor de mercado entregues a uma ampla base de clientes e ganhos de mercado no setor.
· Inovação, investimento, visão e estratégia.
· Investimentos em talentos e laboratórios de inovação para ampliar e estabelecer sua presença global com base na América Latina e Estados Unidos, para capturar a demanda emergente por Open Banking.

As entrevistas realizadas com clientes pelo Grupo Everest durante o processo de produção do relatório destacaram como principais fatores diferenciais a experiência e o conhecimento da NTT DATA no setor, sua tecnologia, comunicação aberta e disponibilidade de recursos.

“Uma combinação de regulamentações e forças do mercado está levando as empresas do setor financeiro a desenvolver relações abertas e colaborativas para construir ecossistemas de produtos e serviços financeiros. O Open Banking tem sido um fator-chave na mudança do papel das instituições financeiras de provedores de serviços e organizadoras de experiências de estilo de vida “, diz Ronak Doshi, vice-presidente do Everest Group.

Segundo Doshi, um portfólio robusto de ofertas, incluindo uma plataforma Open Banking exclusiva, a expansão significativa de seu pool de talentos consultivos com foco em especialidades e o sucesso significativo do mercado em uma ampla base de clientes ajudaram a NTT DATA a alcançar a liderança na avaliação dos serviços de TI da Open Banking PEAK® Matrix 2020 do Grupo Everest.

Para Manuel Romero, diretor global da Open Banking Practice da NTT DATA, o modelo Open Banking mudará toda a estrutura do sistema bancário à medida que novos modelos operacionais surgem por meio de inovação aberta e de modelos de negócios baseados em plataforma. “A NTT DATA está determinada a ajudar os clientes a transformar seus principais negócios atuais e acelerar o lançamento de novos empreendimentos digitais competitivos. Trabalhamos em parceria com bancos, fintechs e outros prestadores de serviços financeiros para garantir que eles sejam intencionalmente digitais e abertos, estando assim preparados para competir com novos players digitais. Estamos muito satisfeitos por termos sido incluídos na avaliação de prestígio e confiabilidade dos serviços de TI do Open Banking PEAK Matrix 2020 e esperamos continuar inovando e oferecendo valor para nossos clientes”, afirma o executivo da NTT Data.

O Relatório de Avaliação de Serviços de TI de Open Banking PEAK Matrix 2020 do Grupo Everest analisou a visão e os recursos dos 24 principais provedores de serviços de TI de Open Banking. Avaliou também o impacto gerado no mercado por cada provedor de serviços de TI. Cada perfil de fornecedor provê uma imagem abrangente de seu foco em serviços, seus principais parceiros, investimentos na área e estudos de caso relevantes. A avaliação foi baseada no processo anual de RFI do Grupo Everest para o ano de 2019, consultas de referência de clientes e uma análise do mercado de Open Banking.
Conheça a íntegra do relatório aqui.

Market21 Comunicação @ Marketing

Pelo Fim do Silêncio – Doença de Batten

Campanha Latam desenvolvida pela CRANE é apresentada como alerta à doença degenerativa infantil

ae761aae460a0e6bf2acc921e475c3c1_medium.jpg

O Dia Internacional da Conscientização sobre a Doença de Batten, também conhecida como LCNLipofuscinoses Ceróides Neuronais, tem data marcada: Terça-feira 9/6. Para este marco de extrema importância a CRANE lança a campanha Latam #PeloFimDoSilêncio, com a finalidade de alertar sobre os primeiros sinais de doenças neurodegenerativas na infância. A iniciativa da Associação Niemman-Pick & Batten Brasil, em parceria com a BioMarin, será difundida no Brasil, Colômbia, Argentina e Chile por meio do Facebook, Instagram, mídia programática e publieditoriais. Além da estratégia de mídia digital, a CRANE ainda desenvolveu kits de ativação local, entregues em São Paulo Capital, Curitiba (PR), Salvador (BA) e Fortaleza (CE).

Para Fabio Shimana, CEO da CRANE, “quanto mais pudermos usar estratégias de comunicação para informar, alertar, conscientizar, estimular conversas e discussões sobre causas que podemos interferir positivamente, mais importante será o papel de agências de comunicação. A Doença de Batten é algo que não se costuma discutir em sociedade, fora da realidade dos pacientes, e isso precisa mudar. Por isso, criamos a campanha #PeloFimdoSilêncio, para ganhar a força e importância que precisa.”.

Matias Guerrero, Product Manager Latinamerica da BioMarin, completa  “Precisamos falar da Doença de Batten. Há anos imperou um silêncio sobre essa doença, prejudicando diagnósticos e tratamentos, o que culminou numa qualidade de vida a desejar por parte dos pacientes com a doença. Por isso, em meio a um movimento de reclusão forçada em que as pessoas parecem estar mais unidas e preocupadas com o bem-estar do próximo, para colocarmos um holofote nessa discussão e convidarmos as pessoas a refletirem sobre o fato de que a falta de informação pode prejudicar vidas. Por isso, #PeloFimDoSilêncio”.

As doenças neurológicas degenerativas integram uma série de fatores que afetam os neurônios, causando limitações para as pessoas acometidas, incluindo a deterioração da memória, pensamento, comportamento e da capacidade de realizar atividades cotidianas. Embora comumente associada aos idosos, principalmente aqueles que sofrem de Doença de Alzheimer, crianças e adolescentes também podem ser acometidos por esse tipo de condição, causando perda de funções motoras, cognitivas e de linguagem. A causa mais comum desta deterioração de funções e comportamentos está relacionada à LCN.

Toda a comunicação da campanha LATAM será direcionada para a landing page battenday.com.

Ficha Técnica:

Agência: CRANE

Cliente: Biomarin

Aprovação: Matias Guerrero e Vanessa Abe

Produto: Dia Internacional da Conscientização sobre a Doença de Batten, LCN

Nome da campanha: Pelo Fim do Silêncio

Landing Page: battenday.com

CCO: Fabio Shimana

Direção de Operação: Juliana Aguiar

Gestão de Projetos: Gabriel Valença

Operação: Juliana Grandolfo e Rayane Figueiredo

Planejamento: Carolina Maurer

Conceito Criativo: Felipe Adati e Catherine Nascimento

Criação: André Ueno e Vitor Massao

Direção de Mídia: Lucio Shimana

Mídia: Vanessa Colin e Victor Larranaga

Mídia Ops: Rafael Martes

Conteúdo: Ísis Foguer e Laura Martins

Produção Gráfica: Silvestre Souza

Produção Digital: Rodrigo Taira

Business Intelligence e Pesquisa: Synue Cunioci, Marina Lopes e Julia Righetto

CRANE

www.crane.is

Fabio Shimana, CEO da CRANE

Av. Pavão, 590 – Moema

Tel. 11 5534 5060

Florez Com,.

Sesc e Ação da Cidadania se unem e criam a maior iniciativa de distribuição de alimentos da América Latina

As duas maiores redes de solidariedade e combate a fome estão juntas para auxiliar a população mais impactada pela pandemia do Covid-19

Fazer com que alimentos e produtos de higiene e limpeza cheguem à casa de milhões de brasileiros atingidos pela pobreza e, agora, pelas medidas de contenção ao contágio por Covid-19, nas mais distantes localidades, é o desafio da ação “Unidos pela Solidariedade”. A parceria firmada entre o programa Mesa Brasil Sesc e a ONG Ação da Cidadania, representa a maior iniciativa de distribuição de alimentos da América Latina e tem como objetivo fortalecer a rede solidariedade que se forma no país em enfrentamento ao novo coronavírus.

O convênio visa potencializar o trabalho já desenvolvido pelas duas instituições na coleta de alimentos, captação de recursos, armazenamento e a logística de distribuição, beneficiando diretamente a população mais vulnerável e/ou que vive regiões isoladas do país.

‘’Trabalhar em parceria já é parte da forma de atuação do Sesc. Desde 1994, o programa Mesa Brasil vem unindo parceiros e formando esta grande mobilização solidária, que se fortalece agora com o apoio e experiência da Ação da Cidadania. Juntos, conseguiremos ampliar esta rede de solidariedade tão importante neste momento de crise. Temos certeza que, passado este período, sairemos todos fortalecidos e conscientes da necessidade de trabalharmos juntos sempre em prol de uma sociedade mais justa e igual’’, diz o diretor-geral do Departamento Nacional do Sesc, Carlos Artexes.

“O que estamos vivenciando neste momento é algo que nunca vimos antes em termos de pobreza e insegurança alimentar. É um tsunami. Só há um jeito de conseguirmos vencer o desafio que está posto para todo o mundo, unir forças. Somente juntos venceremos. Esta parceria, entre as duas maiores instituições brasileiras que atuam na questão da segurança alimentar, é um exemplo para a sociedade e uma honra para nós da Ação da Cidadania. Cada prato de comida a mais que esta parceria viabiliza, será uma potencial vida salva, e se só uma vida a mais for salva, já valeu a pena.” diz Kiko Afonso, Diretor Executivo da Ação da Cidadania.

Hoje, no país, mais de 50 milhões de pessoas vivem com menos de R$ 400 por mês. A situação é ainda mais grave por conta das restrições decorrentes da pandemia do novo coronavírus, que impacta a atividade econômica, produzindo mais desempregados e colocando milhares de família em situação de risco pela falta de alimentos. Estimativas recentes do Banco Mundial indicam que, mesmo antes da Covid, até 5 milhões de brasileiros poderiam entrar na faixa de extrema pobreza, situação em que já se encontram cerca de 15,2 milhões de pessoas, segundo a Síntese dos Indicadores do IBGE/2018.

Somam-se a eles, em potencial de risco de insegurança alimentar eminente, dezenas de milhões de trabalhadores informais (hoje mais de 40 milhões) que do dia para a noite perderam sua renda e que não possuem crédito ou poupança.

Operacionalidade

Com a criação desta imensa rede de distribuição e arrecadação, as duas entidades trabalharão em conjunto, para dar complementariedade uma a outra nas suas operações.

O Mesa Brasil vai apoiar com a logística de seus centros de recepção e distribuição espalhados por todo o território nacional, possibilitando que os alimentos e produtos de higiene e limpeza cheguem a localidades mais distantes. Além disso, as cestas básicas adquiridas por meio das doações que chegam a Ação da Cidadania poderão ser complementadas com produtos arrecadados junto aos parceiros do Mesa Brasil regionalmente, como hortifrutigranjeiros, pescado e laticínios, entre outros, representando maior valor nutricional para os assistidos.

De outro lado a Ação da Cidadania vai operar com toda a sua expertise e rede assistencial para colher doações, transformando os recursos arrecadados desta parceria em cestas básicas, fundamentais para a subsistência das famílias neste momento de pandemia, e ajudando a operacionalizar as entregas com sua imensa rede de entidades locais espalhadas por todo o país.

Também, para maximizar este esforço de captação de recursos financeiros, a ONG terá acesso ao cadastro de entidades que operam com o Mesa Brasil Sesc, que utilizará os seus canais de comunicação para ampliar a visibilidade e o engajamento à campanha.

Sobre o Mesa Brasil

O trabalho do Mesa Brasil Sesc se desenvolve dentro de uma logística de doação e distribuição, buscando alimentos onde sobram e entregando onde faltam. A partir da parceria com 3.376 empresas doadoras, o programa de segurança alimentar e nutricional promove a distribuição de alimentos excedentes ou fora dos padrões de comercialização, mas ainda próprios para o consumo, a mais de seis mil entidades assistenciais cadastradas. Em 2019, foram arrecadadas mais de 39 mil toneladas de alimentos.

Em virtude da pandemia, a captação de parcerias foi intensificada, com objetivo não só de ampliar a arrecadação de alimentos, como também angariar produtos de higiene e limpeza, tão necessários à prevenção contra o contágio. Desde o início das medidas de isolamento social em março, o Mesa Brasil Sesc – rede nacional de banco de alimentos – distribuiu em todo país mais de 5,4 mil toneladas de alimentos e 271 mil quilos em produtos de higiene e limpeza. Esses donativos beneficiaram cerca de 1,4 milhão de famílias por mês, em 500 municípios do país.

Nesse período, a rede de solidariedade do Mesa Brasil cresceu porque mais empresas passaram a procurar o programa para fazer doações e ajudar no enfrentamento da pandemia. Parcerias com redes de supermercados têm possibilitado a participação da população na rede de solidariedade. Públicos diferenciados também vêm sendo contemplados pelas doações, como famílias integrantes de circos instalados no Rio de Janeiro que, com a proibição de apresentações, para evitar aglomerações, ficaram sem recursos; refugiados que sobrevivem de trabalhos informais e comunidades indígenas.

Sobre a Ação da Cidadania

Fundada pelo Sociólogo Herbert de Souza, o Betinho, em 1993, formou uma imensa rede de mobilização de alcance nacional para ajudar 32 milhões de brasileiros que, segundo dados do Ipea, estavam abaixo da linha da pobreza.

É um movimento social que nasceu baseado em um conceito simples: Solidariedade, todos nós podemos.

Entre 1993 e 2019, foram arrecadadas mais de 33 mil toneladas de alimentos em todo o Brasil, beneficiando mais de 3,5 milhões de famílias com o equivalente a 132 milhões de pratos de comida distribuídos desde 1993.

Criada no auge do Movimento pela Ética na Política, a Ação da Cidadania contra a Fome, a Miséria e pela Vida se transformou no movimento social mais reconhecido do Brasil. Seu principal eixo de atuação é uma extensa rede de mobilização formada por comitês locais da sociedade civil organizada em todo o país, em sua maioria compostos por lideranças comunitárias, mas com participação de todos os setores sociais, especialmente nas ODS’s1 (Erradicação da Pobreza), 2 (Fome Zero e 10 (Redução de Desigualdades).

CDN Com,.