Judô do MS fecha o JUBS com prata por equipes

Salvador (BA) – O judô de Mato Grosso do Sul assegurou a medalha de prata na disputa por equipes na Fase Final dos Jogos Universitários Brasileiros (JUBs), nesta sexta-feira (25.10), em Salvador-BA.

A delegação do Estado deslocou-se à Bahia com apoio da Fundação de Desporte e Lazer de Mato Grosso do Sul (Fundesporte). Nove atletas da Universidade Católica Dom Bosco (UCDB), de Campo Grande-MS, comandados pelo técnico Alessandro Souza Nascimento, foram para os embates no Centro Pan-Americano de Judô, em Lauro de Freitas-BA, região metropolitana, a 28 quilômetros da capital baiana.

Os judocas da UCDB enfrentaram na final, no feminino e masculino, o selecionado do Centro Universitário Celso Lisboa, do Rio de Janeiro-RJ, que obteve o ouro. No feminino, o terceiro lugar ficou com a Universidade Paulista (Unip), de São Paulo-SP. Entre os homens, o bronze foi para a Universidade do Sul de Santa Catarina (Unisul), que possui sede em Florianópolis-SC.

O time da Instituição de Ensino Superior (Ies) campo-grandense foi composto por Ana Carla Rios Grincevicus (meio-médio, -63 kg), Gabriela Stroppa Paliano (pesado, +78 kg), Maria Fernanda Pio Sabbo (médio, -70 kg), Yasmin Mayumi Carvalho Maruyama (meio-pesado, -78 kg), no naipe feminino e Ayhan Liell Zanella (médio, -90 kg), Caike Kelltonny de Araujo Abreu (pesado, +100 kg), Carlos Honório Velasquez Salles (meio-médio, -81 kg), Mateus Batista Pita (leve, -73 kg) e Yuri Araujo Marques Lourenço (meio-leve, -66 kg), no masculino.

“Os nossos atletas tiveram uma ótima performance, mostrando que o judô de Mato Grosso do Sul é forte, de alto rendimento, realizamos um trabalho sério e por isso somos um dos destaques do Brasil. O evento contou com um alto nível técnico, com atletas renomados, de seleção brasileira e que possuem bastante títulos, então é uma competição extremamente difícil”, evidencia o sensei Alessandro Nascimento.

Segundo o técnico, pela quantidade de equipes e atletas presentes na Fase Final dos JUBs, o resultado foi satisfatório. “Conseguimos bons resultados, mas pretendemos voltar no ano que vem com uma equipe mais homogênea e, consequentemente, com melhores resultados. A nossa meta era o ouro, mas já que não deu, sobrou a prata. Não vamos desistir de trabalhar para buscar o primeiro lugar na próxima edição”.

Nascimento afirma que o apoio da Fundesporte foi essencial para que o judô de Mato Grosso do Sul continue a ter nível técnico de excelência e representatividade expressiva no cenário nacional.  “A Fundesporte nos ajuda, colabora muito, sempre está nos atendendo, tanto a Federação Universitária de Esportes do Mato Grosso do Sul (Fuems), quanto a Federação de Judô de Mato Grosso do Sul (FJMS). A Fundação, além de ser parceira, ainda investe. Eu sou um dos contemplados pelo programa Bolsa-Técnico e muitos judocas têm Bolsa-Atleta, isso graças ao apoio da Fundesporte. Só tenho a agradecer ao diretor-presidente Marcelo Miranda e que ele continue nos apoiando para que nós, cada vez mais, possamos conseguir ótimos resultados no judô”.

“Vi que a equipe se ajudou e unidos somos mais fortes. O desempenho da equipe foi ótimo, as meninas estavam com duas a menos e o masculino com um, mas mesmo assim nós conseguimos fazer ótimas lutas, coroadas com a prata. Acho importante fechar os JUBs com esse pódio, para mostrar resultado pra Universidade que nos apoia com as bolsas e também porque treinamos para isso. Seria frustrante não pegarmos nenhuma classificação”, salienta Carlos Salles, um dos judocas da delegação.

A atleta Gabriela Paliano ressalta que é importante voltar para casa com uma medalha na bagagem, como forma de coroar os intensos treinamentos. “A Universidade faz pelos atletas o que poucas outras fazem. Então, é muito importante representar o Estado e voltar com um resultado expressivo para casa”.

A Fundesporte é o suporte para o esporte de Mato Grosso do Sul, porque através dela nós atletas, que não temos condições de bancar uma viagem, podemos seguir nosso sonho e representar nosso Estado ao mesmo tempo, sem estar gastar nada com transporte. Isso é muito importante para sabermos que o esporte de alto rendimento ainda tem uma perspectiva de crescimento”, finaliza a atleta.

Lucas Castro – Fundação de Desporto e Lazer de Mato Grosso do Sul (Fundesporte)

Fotos: Divulgação/Fundesporte

Veterano do basquete vai ao JUBs por apoio ao esporte

Após jogar nos EUA, Thiago quer difundir o esporte em Roraima

Publicado em 25/10/2019 – 09:14

Por Marcelo Brandão – Repórter da Agência Brasil * Salvador

Cada atleta que está em Salvador (BA) participando dos Jogos Universitários Brasileiros (JUBs) tem uma meta. Algumas são mais ambiciosas e pretendem ser atletas profissionais; outros menos, querem se divertir e guardar boas lembranças da época de faculdade. Mas o objetivo de Thiago Prado chama a atenção: ele quer desenvolver o esporte no seu estado, Roraima.

Após a carreira no basquete profissional ter sido abreviada por uma lesão, Thiago decidiu cursar Educação Física na Faculdade Roraimense de Ensino Superior (Fares). Ele sonha atrair o interesse do seu estado a partir do desempenho do seu time de basquete nos JUBs. “Eu falo para os meninos para a gente montar um time forte para colocar Roraima no mapa. E o pessoal de lá vai ver que o estado tem condições de disputar os JUBs e que vale a pena investir”, disse.

24/10/2019 - BRASIL / SALVADOR - 67º Jogos Universitários Brasileiros (JUBs) Etapa Final - 
Basquete  Masculino
FARES - RR 35 x 64 UniNassau - PE
Em destaque na imagem: Thiago Cordeiro, camisa branca 54 
Ginásio Municipal Lauro de Freitas
Saulo
Thiago disputa os Jogos Universitários Brasileiros em Salvador: dedicação ao basquete  (Divulgação/Light Press/CBDU/Saulo Cruz)

Os planos passam por despertar o interesse do governo e também do empresariado local para, no futuro, abrir um clube de basquete. “Meu sonho para depois de formar é abrir um clube, uma escolinha de basquete. E poder fazer torneios com a base para incentivar esses atletas a praticar esporte. Mas para tudo isso a gente precisa montar uma base, trazer o esporte para o estado”, afirmou.

Trajetória internacional iniciada nos JUBs

O discurso de Thiago é firme e repleto da convicção de quem já rodou o mundo jogando basquete. Com 33 anos e 2,08m de altura, ele jogou profissionalmente até os 27 anos, até uma contusão obrigá-lo a parar com o ritmo intenso de treinos e jogos.

Já seu início no basquete foi aos 13 anos. Seu talento abriu portas para conseguir bolsas de estudo no colégio e no ensino superior, em Pernambuco. De lá, foi para São Paulo, sempre convidado e com ofertas de bolsas de estudo. Foi quando participou da sua primeira edição dos JUBs, há 15 anos.

“Peguei seleção brasileira universitária na época, jogamos sul-americano. Foi uma experiência maravilhosa, mudou a minha vida”. O destaque nos JUBs e, posteriormente, na seleção brasileira, pavimentou o caminho para, anos depois, chegar ao basquete universitário dos Estados Unidos. Foram anos conhecendo e convivendo com uma estrutura e apoio que os atletas no Brasil ainda não têm.

“Todo mundo do time [nos EUA] era bolsista. E além da bolsa, nós tínhamos moradia e alimentação; todo esse apoio que a gente não vê aqui. Você não precisa tirar um centavo do bolso para jogar pela universidade em outro estado. Ela vai pagar o transporte, estadia, alimentação, tudo de todos os atletas”, explicou. Em seguida, lamentou a ausência de um dos seus colegas de faculdade, que não teve condições de pagar uma passagem para Salvador.

“Um dos nossos atletas dos JUBs não veio porque não conseguiu comprar passagem. Alguns tiveram que pagar do próprio bolso para vir e ele ficou para trás. O que precisa melhorar é o apoio aos atletas para que eles venham aos JUBs. Às vezes pesa muito ter que tirar esse dinheiro do bolso para vir participar. Muitos atletas não vêm por conta disso”, contou.

Thiago Prado reivindica mais apoio para o esporte, mas entende o outro lado: o esporte também é um negócio e todo apoio pede uma contrapartida. “A faculdade vai apoiar o time a participar dos JUBs, vai dar passagem e o que vai receber em troca? Precisam ter um retorno para o investimento. Ninguém está jogando dinheiro fora. Precisa ter uma solução pra isso”.

Valorização dos JUBs

Mesmo reconhecendo o trabalho dos norte-americanos em formar atletas, Thiago vê uma qualidade nos JUBs que não encontrou nos seus anos nos Estados Unidos. Para ele, os jogos aproximam e promovem a interação como nenhum outro nessa categoria.

“A interação que a gente tem com outras equipes, com outras modalidades, isso não tem preço. É uma vivência para os jovens que não têm outro lugar para  ter essa experiência”, destacou. Ele acrescentou a importância de o atleta passar pelos jogos, adquirir a vivência e ter momentos como esses para guardar.

“É uma experiência única, principalmente para quem só tem a oportunidade de jogar aqui no Brasil. O auge de muitos desses atletas é isso aqui. A maior interação que eles vão ter com o esporte vai ser nos JUBs. E é uma competição muito bacana e que, com certeza, vai agregar muito ao atleta”, finalizou.

*O repórter viajou a convite da Confederação Brasileira do Desporto Universitário Edição: Kleber Sampaio Tags: Jogos Universitários Brasileiros 2019jubsSalvadoresportesbasqueteltimídia

JUBs: jogadoras saem dos campos e vão para os controles

23/10/2019 - BRASIL / SALVADOR - 67º Jogos Universitários Brasileiros (JUBs) Etapa Final - 
Jogos Eletrônicos 
FIFA
Ana Lima (UFAL) X Alessandra Pereira (UNIATENEU)
Gran Hotel Stella Maris 
Saulo Cruz/Light Press/CBDU

Divulgação/Light Press/CBDU/Saulo Cruz      Esportes
Interesse pelo futebol feminino leva mulheres ao futebol virtual

Publicado em 23/10/2019 – 15:06

Por Marcelo Brandão – Repórter da Agência Brasil * Salvador

A popularização do futebol feminino também invadiu os esportes eletrônicos. Na manhã de hoje (23), em Salvador, nos Jogos Universitários Brasileiros (JUBs), todos os videogames disponíveis para competição tinham mulheres no comando dos controles.

23/10/2019 - BRASIL / SALVADOR - 67º Jogos Universitários Brasileiros (JUBs) Etapa Final - 
Jogos Eletrônicos 
FIFA
Gran Hotel Stella Maris 
Saulo Cruz/Light Press/CBDU
Jogos Eletrônicos Fifa reúnem mulheres nos JUBs em Salvador    (Divulgação/Light Press/CBDU/Saulo Cruz)

Todas elas jogando Fifa, considerado por muitos o jogo de futebol virtual mais popular do mundo. E, segundo elas, há relação entre os videogames e a paixão pelo futebol praticado nas quadras e nos campos.

“A maioria das meninas dos campeonatos que a gente marca joga futsal. Existe essa ligação”, disse Rosilda Cabalini, 26 anos. Ela representa a Universidade Federal do Espirito Santo (Ufes), Campus São Mateus. É a primeira vez que participa dos JUBs.

“Na fase estadual, eu participei pelo futsal feminino, só que perdemos na final. Aí surgiu essa oportunidade [de competir no Fifa] e não perdi tempo. Sempre tive vontade de disputar os JUBs”, explicou.

Carolina Castelano, 24 anos, representa a Universidade de Brasília (UnB) na competição. Ela também joga futebol, mas uma lesão a fez mudar para o futebol virtual. “Eu gosto de futebol, eu sempre joguei. Mas eu estou lesionada, então, vim de Fifa mesmo”, confessou.

Ela concorda que as mulheres que jogam futebol estão se interessando cada vez mais pela versão eletrônica do esporte. “Geralmente quem joga futebol joga Fifa também. É mais esse público mesmo. Não conheço quem gosta de Fifa e não jogue futebol”, afirmou.

Esta é a segunda edição dos JUBs em que homens e mulheres estão separados na disputa de Fifa. E isso não ocorreu por uma suposta diferença técnica.

Segundo Rosilda e Carolina, isso não existe. Juca Battiste, coordenador-geral de eventos da Confederação Brasileira de Desporto Universitário (Cbdu), explicou que a decisão de separar os gêneros ocorreu para ampliar o número de vagas para mulheres.

“Com os anos, a gente vem percebendo que, independente de não especificar o gênero, estava tendo uma participação bastante efetiva do sexo feminino [nas disputas de Fifa]. Então, nesse sentido, a gente decidiu inserir nessa modalidade os dois gêneros, com a intenção de termos, cada vez mais, a participação das mulheres”, explicou.

League of Legends

Os e-sports estão no calendário dos JUBs desde 2016, iniciando com Fifa. Mas outro jogo se tornou tão popular que, no ano seguinte, ganhou seu espaço: o League of Legends (LoL). Esta é a primeira edição que contará com uma presença feminina. Mas, ao contrário do futebol virtual, LoL ainda é um território dominado por homens.

23/10/2019 - BRASIL / SALVADOR - 67º Jogos Universitários Brasileiros (JUBs) Etapa Final - 
Jogos Eletrônicos 
League Of Legends (LOL)
Ana Andrade IFRJ-CNIL/FEURJ
Gran Hotel Stella Maris 
Saulo Cruz/Light Press/CBDU
Ana Gabriele Andrade disputa jogos eletrônicos há cinco anos e integra a delegação do Instituto Federal do Rio de Janeiro (Divulgação/Light Press/CBDU/Saulo Cruz)

Ana Gabriele Andrade, 19 anos, é a primeira mulher a disputar LoL nos JUBs. Ela está acostumada a ficar de fora de torneios maiores, já que são restritos à participação masculina.

“Geralmente investem só em equipe masculina. Time feminino só joga em torneio menor. Então, muitas meninas não investem muito nisso por não ter reconhecimento. Eu até me surpreendi daqui [nos JUBs] ser equipe mista”, disse.

Ana Gabriele é, segundo um dos técnicos da delegação do Instituto Federal do Rio de Janeiro (Ifrj), um dos destaques da equipe. Ela joga há cinco anos e costuma ser a única mulher nas competições mistas das quais participa. A jovem não reclama de preconceito entre os colegas, mas ainda percebe o machismo nos adversários.

“Eu não tive problema no meu time por ser menina. Mas fora sempre tem comentário. O pessoal acha que, por ser menina, você joga mal. Às vezes, quando você faz uma jogada melhorzinha, dizem: olha, é menina

[mas]

está jogando bem”.

*O repórter viajou a convite da Confederação Brasileira do Desporto Universitário Edição: Kleber Sampaio Tags: Jogos Universitários Brasileiros 2019jubsSalvadoresportesfutebol virtualFifa

JUBs: goleiro resolve no ataque, na defesa e salva Ulbra no futsal

22/10/2019 - BRASIL / SALVADOR - 67º Jogos Universitários Brasileiros (JUBs) Etapa Final - 
Ulbra (Canoas RS) x Uninassau (Natal RN)
Ginásio Poliesportivo de Cajazeiras
Saulo Cruz/Light Press/CBDU

Saulo Cruz esportes
Estreia do futsal terminou com empate de 1×1 entre Ulbra e Uninassau

Publicado em 22/10/2019 – 17:26

Por Marcelo Brandão – Repórter da Agência Brasil* Salvador

O torneio de futsal masculino dos Jogos Universitários Brasileiros (JUBs) começou hoje (22). A primeira partida, entre Ulbra, de Canoas (RS), e Uninassau, de Natal (RN), terminou empatada, 1 x 1. Foi uma partida de bom nível técnico e que teve como destaque o goleiro Felipe Moreira, da Ulbra.

22/10/2019 - BRASIL / SALVADOR - 67º Jogos Universitários Brasileiros (JUBs) Etapa Final - 
Ulbra (Canoas RS) x Uninassau (Natal RN)
Ginásio Poliesportivo de Cajazeiras
Saulo Cruz/Light Press/CBDU

 Goleiro Felipe Moreira, da Ulbra – 67º Jogos Universitários Brasileiros  – Ulbra (Canoas RS) x Uninassau (Natal RN) Ginásio Poliesportivo de Cajazeiras – Saulo Cruz

“A gente queria a vitória mas o empate foi com muita luta, foi um bom resultado para nós”, disse o goleiro do time gaúcho. Felipe tem 24 anos mas já jogou profissionalmente e agora estuda educação física. “É meu primeiro JUBs. Encontrei uma baita estrutura, muito legal.”

Foi dele um chute de muito longe, sem muita pretensão, mas que enganou o goleiro adversário e abriu o placar. As jogadas com o goleiro arriscando chutes e lançamentos eram recorrentes do time de Canoas. “Hoje eu não estava conseguindo fazer um bom jogo com os pés, mas acabei acertando um chute muito bom”, analisou Felipe.

Torcida -  67º Jogos Universitários Brasileiros - 
torcida durante o jogo de Ulbra (Canoas RS) x Uninassau (Natal RN)
Ginásio Poliesportivo de Cajazeiras
Saulo Cruz/Light Press/CBDU

67º Jogos Universitários Brasileiros – torcida durante o jogo de Ulbra (Canoas RS) x Uninassau (Natal RN) Ginásio Poliesportivo de Cajazeiras – Saulo Cruz/CBDU/Direitos Reservados

Depois do gol, o time de Natal ficou mais ofensivo. Pressionou, trocou passes no campo de ataque com paciência e chegou ao empate. A Uninassau, empurrada pela torcida incansável de três colegas, continuou pressionando, obrigando os gaúchos a, muitas vezes, apelar para os chutões sem direção ou ligações diretas para um atacante que, isolado, pouco produzia. Debaixo das traves, Felipe também mostrou eficiência, salvando o time da derrota com, pelo menos, três defesas difíceis.

Apesar da pressão intensa do time nordestino, o placar não foi alterado. “Tivemos várias oportunidades de matar esse primeiro jogo para estarmos praticamente classificados, mas vamos depender dos outros jogos agora”, disse o técnico do Uninassau, Robério Pereira.

Para o treinador do time potiguar, os JUBs são uma oportunidade dos jovens estudantes agregarem novas experiências e também evoluírem esportivamente. “São meninos que têm a oportunidade de disputar competições em outros estados, conhecer novas culturas, fazer novas amizades, mas não perdendo o foco da competição. Porque os JUBs passaram a ser uma vitrine para o futsal brasileiro.”

67º Jogos Universitários Brasileiros - 
Ulbra (Canoas RS) x Uninassau (Natal RN)
Ginásio Poliesportivo de Cajazeiras
Saulo Cruz/Light Press/CBDU

67º Jogos Universitários Brasileiros – Ulbra (Canoas RS) x Uninassau (Natal RN) Ginásio Poliesportivo de Cajazeiras – Saulo Cruz/CBDU/Direitos Reservados

Apesar de já ter passado pelo futsal profissional, Felipe diz que sua primeira participação no JUBs ficará marcada em sua vida. “Não tinha noção do que era e é muito legal. É uma experiência que vou levar para a minha vida com certeza. Que a gente sempre tenha bastante apoio para o esporte universitário porque só quem vive isso sabe o quanto é bom.”

As primeiras disputas dos JUBs 2019 começaram hoje. Os atletas de de futsal, basquete, vôlei e handebol abriram as competições e seguem em quadra nos próximos dias. Amanhã (23) começam as disputas de jogos eletrônicos, judô, karatê, vôlei de praia e da categoria acadêmica.

*O repórter viajou a convite da Confederação Brasileira do Desporto Universitário

Saiba mais

Edição: Aline Leal Tags: Jogos Universitários BrasileirosjubsJogosUniversitáriosBrasileiros2019Salvadoresportesfutsal

Com apoio da Fundesporte, equipes do MS buscam medalhas nos JUBs

Campo Grande (MS) – Trinta e quatro atletas de Mato Grosso do Sul vão em busca de medalhas na Fase Final dos Jogos Universitários Brasileiros (JUBs), apoiados pelo Governo do Estado, por meio da Fundação de Desporto e Lazer de Mato Grosso do Sul (Fundesporte). Destes, treze competem nas modalidades individuais judô e natação, nos naipes feminino e masculino, segundo a Federação Universitária de Esportes de Mato Grosso do Sul (Fuems).

A competição, que reúne os melhores atletas universitários do País, ocorre de 21 a 28 de outubro em Salvador e Lauro de Freitas, na Bahia. O Comitê Organizador da Confederação Brasileira do Desporto Universitário (CBDU) espera receber aproximadamente 2.500 atletas e técnicos. Os JUBs são disputados há mais de seis décadas e representam a maior competição entre instituições de educação superior do Brasil e da América Latina.

A delegação de judô do Estado conta com Ayhan Liell Zanella, Caike Kelltonny de Araujo Abreu, Carlos Honório Velasquez Salles, Mateus Batista Pita, Yuri Araujo Marques Lourenço e Luan Nantes Sartori no masculino. No feminino MS está representado pelas atletas Ana Carla Rios Grincevicus, Gabriela Stroppa Paliano, Maria Fernanda Pio Sabbo e Yasmin Mayumi Carvalho Maruyama.

A natação sul-mato-grossense será representada por Lucca Vilas Boas de Paula e Rodrigo Chaadi Scaff, no masculino, e Isabella Rios Grincevicus no feminino. As modalidades individuais têm Maximiliano Silva Rios e Alessandro Souza Nascimento como membros da comissão técnica.

Futsal

No futsal nas duas categorias o Estado é representado pela UCDB. A equipe feminina de futsal da Universidade Católica Dom Bosco foi sorteada no Grupo B do torneio, ao lado da Universidade de Fortaleza (Unifor), do Ceará, e Faculdade Metropolitana (FM), de Rondônia. As jogadoras sul-mato-grossenses garantiram vaga à Fase Final após ficarem em terceiro lugar na Conferência Sul dos JUBs, que ocorreu de 19 a 24 de agosto em Maringá-PR.

Equipe do futsal da UCDB representa Mato Grosso do Sul na maior competição de instituições universitárias do País

Já o time masculino caiu no Grupo C do certame, composto também pela Escola Superior Madre Celeste (Esmac), do Pará, e Faculdade Estácio de Sá, de Goiás. Os atletas terminaram a Conferência Sul na segunda colocação. O plantel de ambos os naipes será comandado pelo técnico Luiz Fernando Borges Daniel, conhecido como Nando no meio esportivo. Ele será auxiliado por Wellen Thatiane da Silva.

Ao todo, são 12 equipes, em cada naipe, em busca da medalha de ouro, divididas em quatro chaves com três times cada. A fase classificatória terá início na terça-feira (22.10). As quartas de finais acontecerão na sexta-feira (25.10), as semifinais no sábado (26.10) e a final no domingo (27.10).

“Acredito que as equipes de ambos os naipes têm totais condições de avançar às quartas de final. Treinamos, para esta competição, cinco vezes por semana e os times estão bem preparados”, avalia o técnico da UCDB, Luiz Fernando Borges. O elenco feminino não terá a atleta Thaynara, que rompeu o ligamento cruzado anterior do joelho durante os Jogos Interatléticas de Mato Grosso do Sul (Jims). Por sua vez, o selecionado masculino vai a Salvador com o plantel completo.

Sequência ao desporto escolar

De acordo com o gerente geral de Desenvolvimento de Atividades Desportivas da Fundesporte, professor Paulo Ricardo Nuñez, a participação de atletas de Instituições de Ensino Superior (IES) nos JUBs dá continuidade ao planejamento estratégico da Fundesporte de treinamento desportivo de alto rendimento, desde o nível escolar. “Como visualizamos toda a estrutura esportiva do Estado, os JUBs representam para nós uma sequência dos Jogos Escolares da Juventude de Mato Grosso do Sul. Temos a expectativa de ter bons resultados a nível escolar, principalmente de 15 a 17 anos na etapa nacional dos Jogos Escolares, a sequência deste trabalho está focada nos JUBs”.

“Quanto mais equipes de excelência tiverem a possibilidade de irem aos JUBs, para nós como fomentadores do esporte no Estado, é mais importante em termos de investimento, porque quanto mais equipes tiver representatividade nacional, o investimento nessas equipes universitárias será maior. Nós temos realmente uma visão de que a sequência do nosso trabalho dos Jogos Escolares é a ida do maior número de equipes aos JUBs”, frisa Nuñez.

Para o professor formador integrante do Programa Escolar de Formação e Desenvolvimento Esportivo de Mato Grosso do Sul da Fundesporte e ex-presidente da Federação Universitária de Esportes de Mato Grosso do Sul (Fuems), Luiz Magalhães, as equipes universitárias do Estado estão sempre muito bem preparadas. “Nos últimos cinco anos, evoluímos o desporto universitário estadual, com a Fundesporte sempre apoiando os Jogos Universitários Estaduais, sempre dando as melhores condições possíveis para as IES e atletas. Fazemos questão de proporcionar sempre também a ida de atletas às fases nacionais das competições”.

Magalhães destaca que o futuro do esporte sul-mato-grossense está nas escolas. “Para nós, é fundamental fomentar cada vez mais este desporto, para que tenhamos equipes de alto rendimento. As equipes da UCDB são exemplos de continuação do que foi planejado em âmbito escolar”.

Lucas Castro – Fundação de Desporto e Lazer de Mato Grosso do Sul (Fundesporte).

Foto: Divulgação/Fundesporte

Celeiro de promessas olímpicas, JUBs começam nesta segunda em Salvador

Basquete 3x3 será uma das atrações dos Jogos Universitários Brasileiros

Sudesb/Divulgação      Esportes
Publicado em 20/10/2019 – 19:09

Por Marcelo Brandão – Repórter da Agência Brasil Brasília

A cidade de Salvador vai sediar a partir da próxima segunda-feira (21) a 67ª edição dos Jogos Universitários Brasileiros (JUBs). A capital baiana receberá cerca de 2,5 mil pessoas, entre atletas e técnicos, para a disputa de 13 modalidades. A expectativa dos organizadores é que a competição continue lapidando joias do esporte brasileiro e futuros medalhistas olímpicos.

“Cinquenta e três por cento das últimas duas delegações olímpicas brasileiras passaram pelo movimento desportivo universitário. Temos vários atletas que passam pelo sistema universitário brasileiro, que é um trampolim”, disse o vice-presidente da Confederação Brasileira do Desporto Universitário (CDBU), Alim Maluf Neto, à Agência Brasil.

Arthur Zanetti, ginasta campeão olímpico nos jogos do Rio de Janeiro, em 2016; e Felipe Wu, medalha de prata no tiro esportivo, também no Rio, são exemplos. Esses dois atletas já participaram dos JUBs, experiência prestes a ser vivenciada por milhares de jovens nos próximos dias. “A expectativa da CBDU é fazer um grande evento e que venham os melhores atletas universitários do país. Eles estarão aqui e representarão o país em competições internacionais no próximo ano”, acrescentou Maluf Neto.

Os JUBs deste ano trazem uma mistura de esportes olímpicos tradicionais e modalidades novas. Nesse quesito, um dos maiores destaques é o cheerleading ou, em tradução livre, a animação de torcida. Muito comum nos Estados Unidos, antes do início e no intervalo de partidas de basquete e futebol americano, por exemplo, o cheerleading traz acrobacias, saltos, dança e pirâmides humanas.

O evento terá ainda duas modalidades de e-sports. O videogame, antes meramente recreativo, tem adquirido tons cada vez mais profissionais, a ponto de equipes brasileiras de e-sports disputarem campeonatos nacionais e internacionais, com larga cobertura da imprensa esportiva. Nesta edição dos JUBs, serão disputadas competições de futebol eletrônico (Fifa) e League of Legends.

As modalidades dos JUBs de 2019 são: basquete, basquete 3×3, cheerleading, futsal, handebol, League of Legends (e-sports), Fifa (e-sports), judô, karatê, natação, vôlei, vôlei de praia e modalidade acadêmica, onde serão apresentados artigos científicos relacionados ao esporte. A reportagem da Agência Brasil estará em Salvador, trazendo os destaques e os melhores momentos desta edição dos JUBs. Edição: Lílian Beraldo Tags: Jogos Universitários Brasileirosjubs