Depois de matar a ex, homem comete suicídio se jogando na frente de carreta

Depois de matar a ex, homem comete suicídio se jogando na frente de carreta

15 de novembro de 2020 Off Por Ray Santos

Cassilândia, INTERIOR, Policial – Jornal do Estado MS

Após atirar na mulher, Max Alessandro de Oliveira Pereira foi para a rua e cometeu suicídio se jogando na frente de uma carreta

Foi identificada como Rubia Aparecida Borges, 45 anos, a mulher assassinada com quatro dos seis tiros disparados pelo ex-marido, o segurança Max Alessandro de Oliveira Pereira, 39 anos.

O caso aconteceu numa residência localizada na Rua Martiniano José de Moura, no Centro de Cassilândia, distante 418 quilômetros de Campo Grande. Após o crime, Max cometeu suicídio se jogando na frente de uma carreta.

Conforme boletim de ocorrência, a Polícia Militar foi acionada para atender a ocorrência e quando chegou ao local foi recebida pelas tias da vítima. Elas relataram que estavam com Rubia na cozinha da residência, quando Max Alessandro chegou e fez vários disparos em direção à sobrinha. Após o crime, o autor fugiu deixando o revólver calibre 38 no local com seis munições deflagradas.

A mulher chegou a ser encaminhada para o Hospital São Lucas, mas não resistiu. Enquanto a polícia atendia a ocorrência, outra equipe foi acionada para atender um acidente de trânsito envolvendo moto e carreta na MS-306 (com placa de São José do Rio Claro, no Mato Grosso) em frente ao quartel da Polícia Militar Ambiental.

No local, o corpo foi encontrado preso debaixo dos pneus. Ao verificar os documentos da vítima, foi constatado que se tratava de Max Alessandro, que havia atirado na mulher.

O motorista de 52 contou aos policiais que seguia em direção a Chapadão do Sul/Cassilândia, quando avistou o motociclista numa Honda CG 160 invadindo a pista contrária. Ele até pensou que se tratava de uma brincadeira, mas o condutor da moto se aproximou, aumentou a velocidade e colidiu de frente com a carreta. Max Alessandro morreu na hora.

De acordo com as informações iniciais, a mulher tinha medida protetiva contra o ex-marido. O caso foi registrado como feminicídio e suicídio na delegacia de Polícia Civil da cidade.

Por Viviane Oliveira