CENÁRIO DE GUERRA: Oito integrantes do PCC são mortos em confronto com a polícia na fronteira com o Paraguai

CENÁRIO DE GUERRA: Oito integrantes do PCC são mortos em confronto com a polícia na fronteira com o Paraguai

12 de janeiro de 2021 Off Por Ray Santos

Eles faziam parte do grupo de 40 homens que tentou libertar seu líder, narcotraficante conhecido como “Bon

Eles faziam parte do grupo de 40 homens que tentou libertar seu líder, narcotraficante conhecido como “Bonitão”
12/01/2021 10:03 – Gabrielle Tavares – Correio do Estado

Veículos apreendidos pelos policiais – Divulgação

Oito integrantes do Primeiro Comando da Capital (PCC) foram mortos na noite de ontem (11) em confronto com policiais civis do Setor de investigações Policiais (SIG) de Ponta Porã e da Delegacia Especializada de Repressão a Roubos e Sequestro (Garras).

Eles faziam parte do grupo de 40 homens que tentou libertar seu líder, Giovanni Barboza da Silva, 29 anos, conhecido como “Bonitão”. A ação, feita na madrugada de domingo (10), foi frustrada e os policiais conseguiram capturar dois suspeitos.

Já na segunda-feira, com informações do local onde o grupo se reunia e guardavam armamento, os policiais passaram a monitorar a região.

Últimas notícias

Em rondas no bairro Julia Cardinal, próximo à Universidade Estadual de Mato Grosso do Sul, os militares encontraram uma casa com intensa movimentação de pessoas armadas e membros de facções.

De acordo com a polícia, as equipes realizaram entrada tática no local e foram recebidos a tiros. O local então virou cena de guerra, com intensa troca de disparos. Seis integrantes do PCC foram baleados no local e dois conseguiram fugir.

Os policiais socorreram os feridos e chegaram a encaminhá-los ao Hospital Regional de Ponta Porã, mas todos morreram.

Depois disso, o confronto se deu nas ruas. Após a fuga, os agentes iniciaram a perseguição e conseguiram localizar os desertores. Houve nova troca de tiros, onde os últimos dois foram atingidos e não resistiram, contabilizando oito mortes.

Até o momento apenas três homens foram identificados, o brasileiro O.P.D, de 23 anos, e os paraguaios, E.P.D, 28, e O.R.C.D, 37.

A suspeita é de que o grupo foi responsável por dois homicídios na região de Sanga Puitã, próxima à fronteira.

Na casa foram apreendidos armas de grosso calibre, entre elas um fuzil da marca MOE, de origem americana, e uma pistola, além de veículos e telefones.

Nesta manhã a perícia técnica foi acionada e o Delegado Alcides Bruno Braum se dirigiu ao local para acompanhar os procedimentos. Os oito corpos encaminhados ao IML do município para realização de exame necroscópico e identificação.

Fuga de Bonitão

O líder da facção foi capturado no sábado (9), no município de Amambai e encaminhado para Departamento de Investigações da Polícia Nacional.

Na madrugada de domingo (10), o grupo se armou com fuzis, coletes e capacetes a prova de balas, e entraram em ação para libertar Bonitão.

O atentado aconteceu na cidade de Pedro Juan Caballero, localizado na fronteira com o município brasileiro de Ponta Porã. Os homens chegaram a fazer um policial de refém, mas que foi libertado.

Policiais conseguiram dispersar o grupo e Bonitão foi extraditado para o Brasil, expulso do Paraguai pelo presidente do país, Maio Abdo Benítez.