Ano novo, expectativas velhas!

10 de fevereiro de 2022 Off Por Ray Santos
Compartilhar

IPCA registrou o maior valor desde 2016, subindo para 0,54% em janeiro. No acumulado de 12 meses, o indicador apresenta alta de 10,38%.

Ano novo, expectativas velhas!

O ano de 2022 começou não muito animador quando o assunto é inflação. O principal indicador do mercado, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo (IPCA), registrou o maior valor desde 2016, subindo para 0,54% em janeiro, mas em linha com as expectativas do mercado. No mesmo mês de 2021, o IPCA havia sido de 0,25%. No acumulado de 12 meses, o indicador apresenta alta de 10,38%.

Os grupos de alimentação e bebidas, artigos de residência e habitação, continuam sendo os principais vilões. Itens comuns na mesa dos brasileiros, como café moído, carnes e frutas também têm apresentado aumento constante nos preços. Por outro lado, os preços da passagem aérea e do botijão de gás foram os que mais recuaram. Este último, em específico, retraiu pela primeira vez após 19 meses de altas consecutivas.

Os resultados da inflação de janeiro são mais significativos para a parcela da população com menor renda. O Índice Nacional de Preços ao Consumidor (INPC), que mensura a inflação para famílias com rendimento de 1 a 5 salários-mínimos, teve alta de 0,67%, acima, portanto, do resultado do IPCA. Para esses indivíduos, os artigos de residência, vestuário e alimentações e bebidas foram os fatores com maior impacto em janeiro. Essa parcela da população apresenta uma maior vulnerabilidade na geração de renda, deixando a inflação um fator ainda mais preocupante. 

Eventos futuros ainda poderão impactar o resultado da inflação nos próximos meses. O mais importante talvez seja o aumento esperado para a taxa de juros nos EUA em março. Desde o último trimestre de 2021, o Federal Reserve (BC norte-americano) vem sinalizando o início da retirada dos estímulos econômicos (tapering), o que sempre é um problema par mercados emergentes como o brasileiro. “Quando essa elevação ocorrer, é possível que a moeda brasileira passe por uma nova onda de depreciação, o que pode impactar os preços de itens cotados em dólar, como os combustíveis e as commodities agrícolas, e gerar maior inflação no mercado interno”, avalia Samuel Durso, professor e pesquisador da Faculdade FIPECAFI e economista-chefe do Denarius, formado pela Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG), mestre em Ciência Contábeis pela UFMG e doutor em Controladoria e Contabilidade pela Universidade de São Paulo (USP).

Deixando o futuro menos animador, o Banco Central (BC), na ata da primeira reunião do Comitê de Políticas Monetárias (Copom) de 2022, sinalizou que inflação deverá ficar acima do teto da meta deste ano, que é de 3,5% com tolerância de 1,5 ponto percentual para mais ou para menos. Nesse cenário, mesmo em meio à política monetária contracionista instituída pelo órgão desde o ano passado, que já somam oito aumentos consecutivos na Selic, provavelmente ainda vamos lidar com uma significativa alta dos preços no curto prazo.

Considerando esse cenário, a expectativa é de que o IPCA encerre 2022 acima da meta de inflação deste ano. “Além dos problemas na cadeia de suprimentos que temos enfrentado desde o ano passado, que deverão se manter ainda no curto prazo, a depreciação do real tem gerado pressões significativas nos preços dos produtos cotados em dólar. Para finalizar, ainda estamos em um ano eleitoral, o que deixa os rumos da política fiscal ainda mais incertos”, afirma Durso.

Cangerana Comunicação Estratégica


Compartilhar