Arraiá da Educação financeira: 7 dicas de como introduzir as finanças pessoais nas escolas 
Foto: Pixabay

Arraiá da Educação financeira: 7 dicas de como introduzir as finanças pessoais nas escolas 

10 de junho de 2024 Off Por Marco Murilo Oliveira
Compartilhar

Época festiva pode ser aproveitada em sala de aula para desenvolver e ampliar as noções de economia e finanças para conscientizar os jovens e adultos do futuro

Tradição tipicamente brasileira, as festas juninas costumam ser celebradas em escolas por todo o país. Com brincadeiras variadas e as típicas barraquinhas de comes e bebes, o evento reúne pais, alunos e professores em um momento de descontração e diversão. Mas por que não aproveitar o ambiente mais casual, onde costuma-se trocar as atrações por fichas compradas num caixa, e de quebra trabalhar conceitos financeiros com os jovens?

A escola tem um papel de muita importância no desenvolvimento infantil e, consequentemente, na formação das próximas gerações. É onde se ampliam conhecimentos e se constroem valores. É lá que são absorvidos os primeiros ensinamentos da infância, muitos dos quais acompanham as crianças até a vida adulta. Por isso, quanto mais cedo forem introduzidos conceitos importantes de economia e finanças, por exemplo, melhor preparados estarão os cidadãos do futuro.

Para Thaíne Clemente, executiva de Estratégias e Operações da Simplic, fintech de crédito pessoal 100% online, ensinar os pequenos desde cedo a serem atentos aos gastos é uma lição valiosa. “O hábito da mesada, sozinho, nem sempre faz o trabalho de conscientizar sobre custos. Mas o contato com o dinheiro, aliado a uma educação financeira formal, pode contribuir muito para uma educação financeira mais precoce. Se recebermos esses ensinamentos desde cedo, na escola e em casa, é mais provável que nos tornemos adultos que sabem usar o dinheiro e que terão mais jogo de cintura para lidar com imprevistos, porque nada disso vai ser novidade”, afirma.

Para celebrar este mês, a executiva traz quatro dicas de como aproveitar as festas juninas e contribuir para transmitir lições financeiras aos mais novos. Confira:

1- Entendendo os gastos  

A partir do momento que a criança ou adolescente tem acesso a algum dinheiro, como uma mesada, é importante que ela passe a planejar com o que gastará a quantia, seja ela qual for. Pode-se usar um evento pontual como uma festa junina para desenvolver conceitos como preços do que está à venda nas barracas e dinheiro disponível. Peça que ele ou ela anote como pretende gastar e em quais lugares, para ter uma noção de quanto ainda terá para repetir algo que tenha gostado mais. O mesmo vale para a mesada e gastos durante a semana, para avaliar o que dá pra se fazer até o próximo “pagamento”. Essa atitude ensina a planejar e a enxergar os gastos de forma macro.

2- Responsabilidade

Thaíne aponta a importância de as crianças entenderem a responsabilidade que se deve ter com o dinheiro. Com a devida antecedência, na escola os professores podem falar sobre os preços das barracas, cálculo de troco, quanto cada um precisa ter para comer o que quer e participar das brincadeiras. A dinâmica pode mostrar aos mais novos que é preciso guardar um pouquinho todos os dias, para que seja possível aproveitar ao máximo a cantina da escola durante a semana, mas ter o suficiente para desfrutar do arraial quando a festa chegar.

“É comum que, tendo o poder de adquirir algo, elas não pensem duas vezes antes de gastar todo o dinheiro de uma só vez. Mas, se cederem ao impulso de gastar tudo que receberam, não poderão comprar mais nada até a próxima mesada. E tendo um evento planejado que vai acontecer antes da mesada seguinte os ensina a planejar, não agir sem pensar e ter responsabilidade sobre suas escolhas”, ressalta a executiva.

3- Paciência  

Uma lição importante que podemos transmitir é que o hábito de receber a mesada envolve paciência. “Uma vez que eles têm em suas mãos o próprio dinheiro para gastar como preferirem, muitas vezes vão desejar algo que não podem ter com apenas um repasse da mesada. Assim, aprendem a ser pacientes ao poupar para atingir o valor necessário, repensar os gastos cotidianos, até mesmo compreender que quando participam de um evento que envolve gastos extras, até quanto do seu dinheiro acumulado estão dispostos a comprometer na festa, ou até mesmo refletir se realmente querem aquilo”, finaliza a executiva.

4 – Auxílio na escola

A educação financeira dentro da sala de aula pode fazer a diferença na relação da criança com as contas, no futuro. Um bom método para inseri-la na vida do aluno é fazer rodas de conversa sobre a importância do dinheiro e como administrá-lo, mesmo que seja só a mesada. Isso já é um bom começo para introduzir conceitos básicos de economia, para que o aluno compreenda a importância e as consequências de suas escolhas financeiras. Projetos sazonais, como uma festa junina, podem ajudar a tornar ainda mais interessante e palpável conceitos geralmente abstratos e mais difíceis.

Ela também pode ser integrada às disciplinas, como matemática e estudos sociais, proporcionando uma visão prática e aplicada dos conceitos aprendidos. Dessa forma, os alunos estarão melhor preparados para enfrentar os desafios financeiros do mundo real e tomar decisões conscientes que favoreçam o seu bem-estar a longo prazo.

Sobre a Simplic

Lançada em 2014 no Brasil, a Simplic é a primeira plataforma de crédito pessoal 100% online do País. Inovadora, a ferramenta utiliza inteligência artificial, machine learning e big data para analisar dados dos usuários advindos de mais de 200 variáveis e é capaz de gerar uma resposta em menos de 3 segundos. Oferece empréstimos entre R$500 e R$3.500, que podem ser pagos em 3, 6, 9 ou 12 vezes, tudo de forma prática, rápida, segura e digital. Hoje, analisa mais de 10 mil propostas por dia e já originou meio bilhão de reais desde o início das operações. 

Daniela Albuquerque


Compartilhar