Brasil abre Mundial de atletismo com bronze de Caio Bonfim na marcha

Brasil abre Mundial de atletismo com bronze de Caio Bonfim na marcha

19 de agosto de 2023 Off Por Ray Santos
Compartilhar

© Wagner Carmo/CBAt/Direitos Reservados Esportes

Bronze em 2022, Letícia Oro Melo está na final do salto em distância

O atletismo brasileiro foi ao pódio no primeiro dia do Campeonato Mundial de Budapeste (Hungria). Neste sábado (19), Caio Bonfim conquistou a medalha de bronze na prova dos 20 quilômetros da marcha atlética. O brasiliense finalizou a disputa em 1h17min47s, estabelecendo o novo recorde nacional e ficando a 26 segundos de ter a melhor marca de um sul-americano na história.

É a segunda vez que Caio assegura um pódio em um Mundial. Há seis anos, em Londres, na Grã-Bretanha, ele levou o bronze nos 20 quilômetros. A medalha deste sábado foi a 16ª da história do país na competição. O brasiliense Max Gonçalves dos Santos também competiu neste sábado e ficou na 36ª colocação, com 1h24min10s de tempo.

A prova iniciou com duas horas de atraso, por causa de uma tempestade, que causou poças de água no circuito montado na Praça dos Heróis, uma das principais de Budapeste. Caio ficou no pelotão de frente durante toda a disputa e chegou a ocupar a liderança, mas não resistiu ao espanhol Álvaro Martin, que conquistaria a medalha de ouro.

Como tinha duas advertências por faltas cometidas durante a prova, o brasiliense adotou um ritmo mais conservador e foi ultrapassado, já na reta final, pelo sueco Perseus Karlstrom, que levou a prata. Se levasse uma terceira punição, o brasileiro passaria por uma paragem obrigatória de dois minutos, que poderia comprometer o lugar no pódio.

No arremesso do peso, Darlan Romani fez a melhor marca da eliminatória (22,37 metros), mas não repetiu o desempenho na final, horas mais tarde. O catarinense não conseguiu ir além de 21,41 metros e terminou a disputa em oitavo. Se tivesse, pelo menos, igualado o resultado que o classificou, o brasileiro teria levado a prata.

É a segunda vez que Caio assegura um pódio em um Mundial. Há seis anos, em Londres, na Grã-Bretanha, ele levou o bronze nos 20 quilômetros. A medalha deste sábado foi a 16ª da história do país na competição. O brasiliense Max Gonçalves dos Santos também competiu neste sábado e ficou na 36ª colocação, com 1h24min10s de tempo.

A prova iniciou com duas horas de atraso, por causa de uma tempestade, que causou poças de água no circuito montado na Praça dos Heróis, uma das principais de Budapeste. Caio ficou no pelotão de frente durante toda a disputa e chegou a ocupar a liderança, mas não resistiu ao espanhol Álvaro Martin, que conquistaria a medalha de ouro.

Como tinha duas advertências por faltas cometidas durante a prova, o brasiliense adotou um ritmo mais conservador e foi ultrapassado, já na reta final, pelo sueco Perseus Karlstrom, que levou a prata. Se levasse uma terceira punição, o brasileiro passaria por uma paragem obrigatória de dois minutos, que poderia comprometer o lugar no pódio.

Outro atleta do país na prova do arremesso foi Welington Morais. O maranhense lançou o peso a 20,30 metros na eliminatória, mas a marca não o classificou à final. Ele ficou com a 17ª colocação geral.

Ainda neste sábado, a catarinense Letícia Oro Melo se garantiu na final do salto em distância, que será neste domingo (20), às 11h55 (horário de Brasília). Medalhista de bronze da prova no último Mundial, ela atingiu 6,73 metros na primeira tentativa, classificando-se com a sétima melhor marca da eliminatória.

As demais brasileiras não avançaram. Eliane Martins, conterrânea de Letícia, ficou em 26º (6,38 metros), e a mato-grossense Lissandra Campos foi a 33ª colocada (6,01 metros).

No salto triplo, o mato-grossense Almir Júnior não se classificou à final, terminando a eliminatória somente na 20ª posição, com 16,34 metros. O resultado ficou abaixo dos 17,24 metros atingidos pelo saltador em julho, no Campeonato Sul-Americano, em São Paulo, que asseguraram a ele o índice para a Olimpíada de Paris, na França, em 2024.

Nos 100 metros, o trio paulista que representou o Brasil não foi às semifinais. Paulo André Camilo e Felipe Bardi fizeram 10s25, com a 34ª e 35ª posição geral, respectivamente, enquanto Erik Cardoso cravou 10s36, o 43ª tempo deste sábado. Há três semanas, no Sul-Americano, Erik concluiu a mesma prova em 9s97, sendo o primeiro brasileiro a correr abaixo dos dez segundos.

Por fim, nos 1.500 metros, a gaúcha Jaqueline Weber fez 4min14s56, recorde pessoal, mas insuficiente para chegar às semifinais. Ela foi a 13ª colocada da série eliminatória que disputou.

Edição: Fábio Lisboa

Publicado em 19/08/2023 – 19:24 Por Lincoln Chaves – Repórter da EBC – São Paulo

ouvir:


Compartilhar