Circo di SóLadies recebe Caê e As Mareadas na série online “Feminismos na Música e no Humor”

Circo di SóLadies recebe Caê e As Mareadas na série online “Feminismos na Música e no Humor”

24 de maio de 2022 Off Por Danielsuzumura
Compartilhar

Com tradução em Libras, os debates desta semana recebem a participação de multiartistas que são referência em diferentes instâncias nas temáticas de diversidade e inclusão, refletindo sobre essas importantes questões dentro do universo das artes.

Nos dias 25 e 26 de maio de 2022, às 20h, o Circo di SóLadies realiza os últimos encontros da série online “Feminismos na Música e no Humor: novas dramaturgias na palhaçaria”, ação do projeto Des.Cantadas O Show!  contemplado pelo Fomento ao Circo da Cidade de São Paulo

A série contará com a participação especial de pessoas que são referências no conhecimento acadêmico, teórico ou empírico, no que diz respeito ao feminismo dentro do segmento das artes, mais especificamente nas músicas e no humor, trazendo suas experiências artísticas e pesquisas para colaborar com a reflexão e o entendimento de questões ligadas ao racismo, a lgbtfobia, capacitismo e como evitar a manutenção desses preconceitos na vida e na arte.

Com transmissão gratuita no canal do youtube do Circo di SóLadies  www.youtube.com/circodisoladies e tradução em Libras, as rodas de conversa também terão espaço para a discussão com o público, que poderá interagir via chat de mensagens. 

Em 25 de maio (quarta-feira), quem participa do encontro são As Mareadas, dupla formada pelas palhaças Sollí e Sorella. Formada por Bruna Pierami  (cantora, musicista e professora de música) e Monique Neves (atriz e professora de teatro), a dupla possui um trabalho voltado ao público infantil, e já desenvolveu uma metodologia própria que recebeu o prêmio de reconhecimento de trajetória cultural em Santa Catarina, além de integrar a Rede Catarina de Palhaças.

E no dia 26 de maio (quinta-feira), o grupo convida Caê, que é multiartista transvestigênere não binárie e tem na arte de rua a base de sua carreira, já que iniciou os trabalhos artísticos como músico e malabarista das ruas e trens de São Paulo. Em 2019, formou-se em percussão popular e atualmente é músico instrumentista, sonoplasta, músico de cena multinstrumentista, artista del corpe e arte educador. Com uma visão de mundo não binária, interessa-se pelo aprendizado múltiplo e integrado das artes, apurando o olhar de não separabilidade das linguagens. Por isso, em suas performances e didáticas estão presentes corporalidade, voz, música, poesia, dança, jogo, entre outros, interessando-se pelo brincar, pela expressão, pelo improviso e por maneiras não convencionais do fazer artístico.

Além de fomentar essa reflexão publicamente, os encontros de discussão fornecerão material para o processo de criação de um novo espetáculo do Circo di SóLadies, buscando uma construção dramatúrgica mais inclusiva. 

“Queremos reunir pessoas de gêneros e orientações sexuais diversas, assim como pessoas que pesquisam e são militantes de causas antirracistas, anticapacitistas e pelos direitos LGBT+ para trazer olhares às mais diversas necessidades de uma comunicação afetiva e atenta, tanto na reconstrução das letras das paródias que iremos criar, como no desenvolvimento da dramaturgia do espetáculo Des.Cantadas, o Show!”, comenta o Circo di SóLadies.

Ao longo de sua pesquisa, nos processos de formação, na leitura de publicações consideradas referências da palhaçaria e na participação de diversos festivais pelo país, o grupo se deparou não só  com as questões de gênero, mas também com outros preconceitos como os de raça, idade, classe, sendo reproduzidos na dramaturgia clássica circense. 

Diante dessas percepções, surgiu o desejo de criar um espetáculo que pudesse dialogar com o público, abrindo espaço para a criação de novos paradigmas e signos, desestabilizando os papéis sociais construídos, levando o tema da diversidade de maneira leve, cômica e musical, a partir da máscara da palhaçaria.

“O circo é uma manifestação artística popular que revela e espelha a sociedade e, muitas vezes, acaba por reproduzir tais comportamentos que afetam diretamente as relações cotidianas, tornando as opressões veladas/reveladas e normatizadas. No caso específico de músicas infantis, é comum vermos circos de lona abrindo espaço na programação para atrações musicais e outros “produtos mainstream” que também reproduzem estereótipos e preconceito, finaliza o grupo.

E iniciando esse processo criativo, o grupo promove a série “Feminismos na Música e no Humor: novas dramaturgias na palhaçaria” e convida as pessoas interessadas na temática a participarem. 

Sobre o Circo di SóLadies

O Circo di SóLadies é um grupo formado por duas mulheres cis, Kelly Lima e Verônica Mello– palhaças, atrizes, produtoras – e uma pessoa trans não-binária, Tatá Oliveira – palhace, artista da cena, produtore e designer.  

Em sua trajetória, o grupo sempre pesquisou formas cênicas usando o universo da comicidade e palhaçaria sob o viés feminista, questionando as estruturas sociais com camadas simbólicas e lúdicas para públicos de todas as idades. 

Mais informações em: www.facebook.com/circodisoladies e www.instagram.com/circodisoladies

SERVIÇO: Feminismos na Música e no Humor: novas dramaturgias na palhaçaria

Com Circo di SóLadies e pessoas convidadas

Sinopse: Na série de encontros online o Circo di SóLadies propõe rodas de conversa sobre temáticas feministas que permeiam seus espetáculos e recebe pessoas com conhecimento acadêmico, teórico e/ou empírico sobre o feminismo na música e no humor, para novos olhares críticos sobre o tema. Duração: 90 minutos 

Quando: 25 e 26 de maio de 2022 – Horário: 20h

Onde assistir: Canal do Youtube do Circo di SóLadies – Link: www.youtube.com/circodisoladies

Grátis – Classificação: 14 anos – Acessibilidade: Libras

Por Luciana Gandelini


Compartilhar