Com ressalvas e recomendações, TCE-MS aprova as contas do Governo do Estado de 2021

Com ressalvas e recomendações, TCE-MS aprova as contas do Governo do Estado de 2021

19 de maio de 2022 Off Por Danielsuzumura
Compartilhar

Na sessão do Pleno realizada presencialmente no plenário do Tribunal de Contas de Mato Grosso do Sul e transmitida em tempo real pelo portal do TCE-MS na internet, o presidente da Corte de Contas, conselheiro Iran Coelho das Neves, abriu os trabalhos e passou a palavra para o procurador-geral do Ministério Público de Contas (MPC), José Aêdo Camilo, que emitiu o parecer favorável à aprovação das contas com ressalvas e recomendações.

O conselheiro Waldir Neves, relator do processo, votou pelo parecer prévio favorável à aprovação das Contas apresentadas pelo Governador Reinaldo Azambuja exercício de 2021, também com algumas ressalvas e recomendações.

Antes de fazer a leitura do relatório, o conselheiro-relator ressaltou que a referida prestação de contas é a consolidação das contas dos Poderes Executivo, Legislativo e Judiciário, do Tribunal de Contas, do Ministério Público e da Defensoria Pública, bem como das Empresas Públicas, Sociedades de Economia Mista, Fundações e Autarquias.

Lembrou que o parecer prévio do TCE-MS auxiliará o julgamento que deverá ser realizado pela Assembleia Legislativa do Estado de Mato Grosso do Sul, como estabelece a Constituição Estadual.

Na sequência, o conselheiro Waldir Neves, elencou alguns dos pontos mais relevantes abordados no relatório. Entre as quatro ressalvas, está a não destinação e aplicação integral de 0,5% da receita tributária estadual na forma de duodécimos à Fundação de Apoio ao Desenvolvimento do Ensino, Ciência e Tecnologia (FUNDECT).

Entre as sete recomendações feitas pelo conselheiro-relator, está a que o Governo do Estado observe quanto ao desequilíbrio financeiro e atuarial do plano de custeio e benefícios do Regime Próprio de Previdência para atender com maior celeridade a exigências legais pertinentes.

De acordo com o relatório, a Previdência Social representou a maior parte dos gastos do Governo em 2021, totalizando R$ 3,99 bilhões, o equivalente a 21,51% da despesa realizada. O Demonstrativo das Receitas e Despesas Previdenciárias apontou que as receitas previdenciárias totalizaram R$ 3,10 bilhões; por sua vez as despesas somaram R$ 3,16 bilhões, ocasionando um resultado deficitário de R$ 63 milhões de reais.

Ao final da sessão, o presidente do TCE-MS, conselheiro Iran Coelho das Neves, enfatizou os próximos passos. “O trâmite é regulamentado por lei. O Tribunal de Contas fez a apreciação das contas e agora será feita a publicação do acórdão e o encaminhamento do relatório e do voto do conselheiro Waldir Neves para a Assembleia, para que ela pronuncie o julgamento, uma vez que quem julga é o poder legislativo”.

O Governo do Estado de Mato Grosso do Sul fez o envio das Contas Anuais dentro do prazo estabelecido por lei e devidamente assinado e entregue eletronicamente pelo Governador Reinaldo Azambuja.

O TCE-MS começou o recebimento eletrônico das prestações de contas anuais desde 2016 em dados estruturados (XML), por meio do Sistema e-Contas, permitindo que os responsáveis assinem as remessas digitalmente de qualquer localidade. Em 20 de dezembro de 2019 a remessa e recepção de processos, documentos, dados e informações passou a ser, exclusivamente, por meio eletrônico.

A sessão teve a participação dos conselheiros Jerson Domingos, vice-presidente da Corte de Contas, do ouvidor conselheiro Osmar Jeronymo, do corregedor-geral conselheiro Ronaldo Chadid e do conselheiro Marcio Monteiro. Todos acompanharam o relator no voto pela aprovação com ressalvas e recomendações.

O presidente da Assembleia Legislativa do Estado, deputado estadual Paulo Corrêa também acompanhou a sessão compondo a mesa.

Estiveram presentes no plenário, o Secretário de Estado de Governo, Renato Marcílio da Silva; Ana Carolina Ali Garcia, procuradora-geral do Estado; Carlos Eduardo Girão de Arruda, controlador-geral do Estado; Doriane Gomes Chamorro, consultora legislativa da Secretaria de Estado de Governo. E representando a superintendente de contabilidade-geral do Estado, Oraide Serafim, esteve Lucilene Aires de Souza. Camila Augusta Calarge Doreto, promotora de justiça e chefe de gabinete do procurador-geral de justiça do Ministério Público Estadual, representou o procurador-geral de justiça Alexandre Magno Benites.

Por Olga Cruz

Imagens: Mary Vasques


Compartilhar