Conheça as principais propostas do novo Plano Nacional de Segurança Pública
Fotos: Isaac Amorim/MJSP

Conheça as principais propostas do novo Plano Nacional de Segurança Pública

20 de junho de 2024 Off Por Marco Murilo Oliveira
Compartilhar

Ministério da Justiça realizou 9ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Segurança Pública. Encontro apresentou a revisão do plano, com sugestões de conselheiros de todo o Brasil

O Ministério da Justiça e Segurança Pública realizou, nesta quarta-feira (19), a 9ª Reunião Ordinária do Conselho Nacional de Segurança Pública e Defesa Social (CNSP), no Palácio da Justiça, em Brasília. No encontro, foi apresentada a revisão do Plano Nacional de Segurança Pública e Defesa Social (PNSP) e os representantes das diretorias da Secretaria Nacional de Segurança Pública (Senasp/MJSP) apresentaram os principais projetos e ações vigentes.

No início da tarde desta quinta (20), o presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou que espera receber o projeto do ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski, em aproximadamente 15 dias, para então debater com os demais ministros e com todos os governadores estaduais aperfeiçoamentos e, especialmente, modos de aplicação do novo PNSP. Lula fez a afirmação durante entrevista a rádio em Fortaleza.

Na reunião do CNSP, dirigentes e conselheiros aprovaram a ata da reunião anterior do conselho e sugeriram diretrizes: para as políticas públicas, voltadas à promoção da segurança pública; prevenção e repressão à violência e à criminalidade; e, ainda, para análise e enfrentamento dos riscos à harmonia da convivência social, com destaque às ações de emergência e aos crimes interestaduais e transnacionais.

O ministro Lewandowski ressaltou a importância do combate ao crime organizado, que possui atuação complexa, multifacetada e atravessa fronteiras. “A criminalidade hoje é mais do que um simples problema de segurança pública, é um problema de segurança nacional”, disse.

Lewandowski defendeu, em abril deste ano, que um projeto nacional de segurança, ao qual chamou “SUS da Segurança Pública”, seja incorporado à Constituição, de forma a estabelecer metas e exigências compartilhadas com os demais entes federados, de modo a permitir à União uma coordenação mais eficaz dos métodos e resultados.

Conheça as metas

•A revisão do Plano estabeleceu como meta reduzir a taxa nacional de homicídio de mulheres para duas mortes por 100 mil mulheres até 2030.

•Reduzir a taxa nacional de feminicídios para uma morte por 100 mil mulheres até 2030. O objetivo visa reduzir a taxa em 21% em comparação com a taxa registrada em 2020. Esse valor foi calculado com base na média das reduções observadas nos estados entre os anos de 2020 e 2023.

•Reduzir o déficit de vagas prisionais para menos de 22% até 2030. A meta foi planejada levando em consideração a construção de novas instalações, com a criação de cinco mil vagas por ano até 2030, baseada nos investimentos já realizados. Também considera a quantidade estimada de pessoas privadas de liberdade, levando em conta o aumento de alternativas penais, em conformidade com as políticas atuais da Secretaria Nacional de Políticas Penais (Senappen).

•Aumentar em 25% a quantidade de pessoas privadas de liberdade em atividades de reintegração social até 2030. O objetivo foi definido com base em como o indicador se comportou nos anos anteriores e na previsão do orçamento destinado às ações de reintegração social, como atividades educacionais e laborais nas unidades prisionais.

•Aumentar em 34% o número de pessoas atendidas pelos serviços especializados de atenção à pessoa egressa do sistema prisional até 2030. De acordo com as atividades da Senappen, a proposta é aumentar em 5% ao ano o número de atendimentos especializados para pessoas que saem do sistema prisional, seguindo a Política Nacional de Atenção a Egressos do Sistema Prisional.

Ações estratégicas:

•Incentivar e apoiar programas que previnam e promovam a cidadania na infância e adolescência, concentrando-se em fortalecer fatores que protegem contra o uso de drogas, práticas de violência e envolvimento com o crime.

•Incluir ações para reunir, criar e compartilhar estatísticas, estudos e análises para entender como ocorrem os crimes em nível local e usar essas informações para desenvolver estratégias específicas de intervenção.

•Coletar, produzir e divulgar estatísticas, estudos e diagnósticos para entender como os crimes ocorrem localmente e usar essas informações para desenvolver estratégias de intervenção.

•Estimular a implementação e expansão de programas para prevenir a violência contra mulheres, como as Patrulhas Maria da Penha e serviços similares.

•Melhorar a investigação de feminicídios por meio de treinamento de profissionais, investimento em unidades especializadas e desenvolvimento de protocolos operacionais.

•Reforçar as Delegacias Especializadas de Atendimento à Mulher (Deam) e os serviços especializados das Polícias Civis e das perícias criminais.

•Aprimorar a coleta de dados sobre crimes envolvendo mulheres, jovens e outros grupos vulneráveis.

•Apoiar programas e projetos que ofereçam medidas de reparação para vítimas e familiares de vítimas de violência letal cometida por agentes do Estado.

•Apoiar iniciativas para prevenir o uso prejudicial de álcool, incluindo ações para melhorar a informação, focando na relação entre o uso de álcool e a violência contra mulheres e feminicídios.

•Promover iniciativas para melhorar o controle da atividade policial e aprofundar o treinamento no uso adequado da força pelos órgãos de segurança pública.

Também durante a reunião, o secretário nacional de Segurança Pública e secretário-executivo do CNSP, Mario Sarrubbo, afirmou que a Pasta está concentrando esforços e investimentos em integração e inteligência. “Temos que nos despir das nossas vaidades institucionais para trocar informações. Há sistemas de inteligência em todos os estados, mas é preciso que esses estados e sistemas conversem entre si”, ressaltou.

Além disso, Sarrubbo considerou que, em muitos territórios tomados pelo crime organizado, são os criminosos que fazem o papel de cuidadores das comunidades, mediadores de conflitos e responsáveis pelas movimentações dos comércios locais. “Devemos sempre agir com a força policial necessária, com estratégias de baixa letalidade e, principalmente, com projetos de cidadania para a retomada desses territórios”, salientou. Ele ainda disse que a Senasp trabalha estrategicamente para transformar a realidade do país, especialmente em relação ao crime organizado. “É preciso que as informações cheguem para que possamos articular operações eficazes, de baixa letalidade e desestruturantes da criminalidade organizada”, definiu.

Redução de feminicídios

Outro tema de destaque na reunião foi a redução de feminicídios e mortes causadas por agentes de segurança. “O principal objetivo desta reunião é adequá-la à determinação da ministra Cármen Lúcia, que ordenou algumas alterações pontuais no nosso Plano, no que diz respeito, sobretudo, ao feminicídio”, afirmou o ministro da Justiça e Segurança Pública, Ricardo Lewandowski.

A declaração do ministro se refere à Ação Direta de Inconstitucionalidade (ADI) 7013, decisão do Supremo Tribunal Federal (STF), que teve a ministra Cármen Lúcia como relatora do processo. A Corte determinou ao Poder Executivo a inclusão do monitoramento e avaliação dos indicadores referentes aos feminicídios e às mortes causadas por agentes de segurança pública no Plano Nacional de Segurança Pública e Defesa Social (PNSP).

Revisão do PNSP

A revisão do Plano Nacional de Segurança Pública e Defesa Social é baseada na Lei nº 13.675/2018 e regulamentada pelo Decreto nº 9.486/2018. O documento é organizado em 12 ações estratégicas, 13 metas, sistema de governança estruturado em três instâncias e cinco ciclos de implementação.

Em cumprimento à decisão do STF, o Plano foi revisado com o propósito de inserir metas, adequações técnicas, alterações de ações estratégicas e ações específicas para a implementação de políticas públicas destinadas a reduzir desigualdades e promover o bem-estar.

Para alcançar esses objetivos, é crucial atender, pelo menos, aos seguintes critérios, além de outras atividades conforme definido no Artigo 6 da Política Nacional de Segurança Pública e Defesa Social: atualizar a portaria interministerial 4226/2010, que estabelece diretrizes sobre o uso da força, e desenvolver manuais e protocolos operacionais relacionados ao tema; investir na compra de equipamentos de menor impacto para os profissionais da segurança pública; e criar programas contínuos de capacitação para os profissionais da segurança pública sobre o uso da força e os direitos humanos.

Além disso, reforçar e melhorar o funcionamento das corregedorias e ouvidorias da polícia; melhorar a coleta de dados sobre o uso da força pelos profissionais da segurança pública; e implementar políticas para combater o racismo institucional nas instituições de segurança pública.

Ministério da Justiça e Segurança Pública


Compartilhar