“É comum o paciente duvidar que tenha fibromialgia, além disso, as mulheres são as mais acometidas”, diz reumatologista da Unimed CG

15 de agosto de 2022 Off Por Ray Santos
Compartilhar

Médica explica que fibromialgia é uma síndrome dolorosa com duração acima de três meses

Sente dores generalizadas pelo corpo, que duram meses? Notou alterações no sono ou no humor? Esses sintomas podem ser de uma doença chamada fibromialgia.

Alguns pacientes costumam duvidar do diagnóstico de fibromialgia, pois quando não há outra doença associada, não aparecem irregularidades nos exames. Com isso surgem várias dúvidas, até mesmo a descrença desta condição por parte da própria família do paciente.

Por isso é muito importante entender as causas, sintomas e tratamento desta síndrome que vai muito além das dores. Pensando nesta temática e na necessidade em esclarecer o assunto, a Dra. Tulia Peixoto Alves de Figueiredo, reumatologista da Unimed Campo Grande, responde questões essenciais. Confira!

O que é?

É uma síndrome dolorosa, que tem uma duração acima de três meses, na qual a pessoa acometida tem uma amplificação dessas dores. Um estímulo que geralmente não causaria dores, naquela pessoa é amplificado e ela tem esse sofrimento de dor.

Em algumas situações a pessoa se queixa de dores no corpo todo ou diz que não tem parte do corpo que não doa. Além disso, ainda há quem diga que por vezes não consegue definir muito bem onde está doendo.

Como diferenciar as dores?

Uma característica importante sobre a diferença entre uma dor pós-treino e as dores de fibromialgia é o tempo. Uma dor de academia, por exemplo, é algo mais agudo e que dura mesmo tempo, já a fibromialgia, não, ela dura mais tempo.

Sintomas

Além do tempo de dor, os outros sintomas que podem se manifestar no paciente são:

– Dor generalizada

– Fadiga

– Alteração de humor (50% dos pacientes com fibromialgia tem depressão)

– Ansiedade

– Alteração de sono, tanto a insônia como a mudança na qualidade do sono

– Dores de cabeça

– Síndrome das pernas inquietas, inclusive durante o sono

– Síndrome do intestino irritado

Idade

A fibromialgia é mais comum em mulheres, geralmente entre 20 e 30 anos, mas também pode acometer homens, crianças e idosos.

Diagnóstico

Ainda não há um exame que seja realizado para confirmar o diagnóstico. O diagnóstico é clínico, com o que o paciente se queixa, sobre as dores que sente e em um exame físico. Algumas vezes é necessário pedir alguns exames para descartar outras doenças ou doenças associadas.

Tratamento

O paciente precisa:

– Tomar medicamentos

– Fazer exercícios físicos. O paciente precisa ter consciência que as atividades físicas devem ser feitas para o resto da vida

– Caso o paciente tenha algum quadro depressivo, é necessário fazer o tratamento

Exercício físico

O melhor exercício é aquele que o paciente consegue fazer. Bons exercícios são:

– Aeróbicos (natação, corrida, caminhada, hidroginástica)

– Fortalecimento (alongamento, pilates, musculação)

– Funcionais

O ideal é que o paciente seja sempre acompanhado por um profissional durante a prática, para evitar lesões. Caso não dê para ter um acompanhamento, basta realizar exercícios habituais.

É importante frisar que ao iniciar os exercícios o paciente tem dificuldades, se sente fadigado, então o ideal é começar, mesmo que seja com uma caminhada. Uma dica, para que se torne um hábito, é exercitar-se com alguém, até que isto se torne uma rotina.

É verdade mesmo?

É comum o paciente duvidar que tenha fibromialgia, porque quando ele tem apenas esse diagnóstico, sem ter outra doença associada, os exames virão normais. Adicionado a isso ainda tem a descrença da família, alguns até pensam ser frescura.

Para saber mais sobre o assunto acompanhe o episódio FIBROMIALGIA: MUITO ALÉM DAS DORES do podcast Cuidar de Você, da Unimed Campo Grande. Basta acessar o Spotify (https://bit.ly/PodcastUnimedCGe o Youtube (https://bit.ly/PodcastUnimedCGYoutube). 

Comunicação Unimed Campo Grande – MS


Compartilhar