ELEIÇÕES 2022 Unido e de confiança renovada, PT reafirma apoio a Zeca na sucessão estadual

17 de fevereiro de 2022 Off Por Ray Santos
Compartilhar

Ex-governador tem apoio de todas as correntes internas e pré-candidatura cresce no interior

Por REDAÇÃO – 17/02/22 às 08H29 atualizado em 17/02/22 às 08H34

Ex-governador Zeca do PT e Lula, candidatos às eleições de 2022.

Mato Grosso do Sul está entre os 10 estados nos quais o ex-presidente Lula e o PT dispõem de candidaturas competitivas para as disputas sucessórias locais. O nome sul-mato-grossense nesta lista é o de José Orcírio Miranda dos Santos, ex-governador em duas gestões e com mandatos acumulados de vereador, deputado estadual e deputado federal.

Sua pré-candidatura ao governo ainda não foi lançada formalmente, porém já conta, de antemão, com o estímulo da unidade interna, tem a indicação de plenárias regionais e avança com a coesão maciça da militância e o apoio de lideranças que poderiam entrar na raia e abriram mão em seu favor, como o ex-prefeito de Mundo Novo, Humberto Amaducci.

ORGANIZAÇÃO

Apesar de tudo isso, Zeca faz seu trajeto seguindo o ritual político da cautela. Faz a lição básica, que é cuidar da organização da casa e, evidentemente, a interlocução preliminar com outras forças. Embora disposto a estender e ampliar as conversas externas, não quer precipitar-se nas movimentações, pois aguarda as definições mais importantes que vão definir o cenário dos confrontos de outubro, como as federações partidárias e as novas filiações.
 

“Minha pré-candidatura é um chamado do partido e de amplos setores da sociedade. Inicialmente, está consolidada dentro do PT. Mas este processo é dinâmico”, afirma. “Faremos a partir de março seis ou sete encontros regionais. Além de mobilizar e reforçar a nossa militância, levantar nomes de potencial político e eleitoral para as candidaturas à Assembleia Legislativa, Senado e Câmara dos Deputados”.

Zeca admite ser normal conversar com todo mundo, “até porque ninguém tem como oferecer garantias e definições que só teremos quando as regras do jogo e a posição de cada time estiverem conhecidas”. O ex-governador assegura estar atento ao que acontece. “Acompanho as articulações do Lula e das forças que se movimentam. As federações ainda estão engatinhando, mas tem muita coisa acontecendo”, salienta. “A verdade é que precisamos esperar, saber como e onde ficarão as lideranças e partidos, sobretudo no campo da sucessão presidencial, porque esta eleição vai impactar direta e fortemente nas sucessões estaduais”, opina.  

PROJETO NACIONAL

Por isso, continua Zeca, não adianta se precipitar agora. “É necessário ter claro que o principal é o projeto nacional. Sei do meu potencial eleitoral e sei também que com a minha candidatura eu estou contribuindo com esse projeto”, pontua. “Eu não tenho pesquisa, mas as informações que chegam me mostram bem colocado em qualquer cenário. Isso demonstra que existe aqui uma saudade dos governos do Lula e do meu”, enfatiza.

“Nunca na história do Estado os servidores públicos foram tratados com tanto respeito. Nunca se teve política pública de inclusão, de transferência de renda e construção de cidadania: bolsa família, segurança alimentar, restaurante popular, cursinho popular, bolsa universitária. É bom dizer que de lá para cá nada de novo aconteceu. Todos os programas sociais dos dois governos que me sucederam foram em cima das matrizes do Fundo de Investimento Social e Fundersul. O nosso governo teve a ousadia de criar programas arrojados de inclusão emancipista e infraestrutura. E, da mesma forma, os investimentos no esporte e na cultura”.

Zeca assinala que são fundamentais a paciência, a tranquilidade, a autocrítica e a sensatez para avaliar – no caso do PT – a melhor solução político-eleitoral “para fazer da disputa um movimento maiúsculo e determinante na defesa da democracia e de rechaço, pelas urnas, às maquinações golpistas e de caráter fascista “. Esta semana ele conversa com Lula para, entre outras coisas, ajustar sugestões de datas de lançamento da pré-candidatura, com a presença do ex-presidente.

MS Notícias


Compartilhar