Estado de São Paulo faz mais de 5 mil transplantes no 1º semestre de 2023

Estado de São Paulo faz mais de 5 mil transplantes no 1º semestre de 2023

26 de agosto de 2023 Off Por Marco Murilo Oliveira
Compartilhar

Dados da Central de Transplantes do Estado apontam que número de doadores aumentou 13,5% em comparação ao mesmo período de 2022

No primeiro semestre de 2023, o Estado de São Paulo registrou 5.077 transplantes de órgãos, um aumento de 10,5% em relação ao mesmo período do ano passado. Nas operações de coração, foram 75 órgãos transplantados de janeiro a junho, dois a mais que em 2022 e também superando os primeiros semestres de 2021 (73), 2020 (67), 2019 (74) e 2018 (64), de acordo com os registros da Central de Transplantes do Estado.

Neste ano, também houve aumento do número de doadores. Foram 612, um crescimento de 13,5% se comparado ao mesmo período do ano anterior. Houve ainda diminuição da recusa de familiares, com 38,6% no primeiro semestre de 2023, ante 41% entre janeiro e junho de 2022.

A Central de Transplantes do Estado informa que, até o final de julho deste ano, 20,8 mil pacientes aguardavam por doação de órgãos. As maiores demandas são por operações de rim, córnea e fígado, com lista de espera de 16,2 mil, 3,7 mil e 462 pacientes, respectivamente. Quanto aos transplantes cardíacos, 180 pessoas estavam na fila até o mês passado.

Os pacientes que precisam de transplantes são inscritos no Cadastro Técnico do Sistema Estadual de Transplantes de São Paulo. A gestão do cadastro e da distribuição de órgãos é feita em conjunto com o Sistema Nacional de Transplantes e depende de fatores como disponibilidade de doadores, ordem cronológica, gravidade do caso e viabilidade de tratamentos alternativos, com prioridade aos casos em que há risco iminente de morte.

O coordenador do Sistema Estadual de Transplantes de São Paulo, Francisco Monteiro, ressalta que é fundamental o doador comunicar este desejo à família. Segundo ele, a doação de órgãos é um ato de amor a todas as pessoas que aguardam por um transplante.

Confira a seguir os principais esclarecimentos de Monteiro sobre a doação de órgãos:

Qualquer pessoa pode ser uma doadora de órgãos?
Qualquer cidadão pode ser um doador de órgãos. O processo para ser um doador é estabelecido por lei e segue vários passos, que chamamos de protocolos para a constatação da morte encefálica, situação obrigatória para que a pessoa possa ser doadora. Mas, para que a doação ocorra de fato, é necessária a autorização expressa dos familiares mais próximos.

Preciso avisar a minha família que quero ser um doador?
O papel da família na decisão sobre doação de órgãos é fundamental. A doação só ocorre com autorização dos parentes mais próximos, por isso, nunca é demais reforçar a importância de que o assunto seja discutido com familiares para que a pessoa expresse claramente o desejo de se tornar doadora.

A doação ocorre apenas quando a pessoa morre?
A doação entre vivos só ocorre se não houver nenhum problema de saúde para a pessoa que está doando. Doar a medula óssea, por exemplo, é um procedimento simples, pode salvar vidas e não traz nenhum risco para o doador. Em pouco tempo, a medula estará completamente regenerada.
Órgãos como o rim e parte do fígado também podem ser doados em vida. Para se tornar um doador vivo, no entanto, existem vários requisitos: é preciso ter boa saúde e aprovação em um processo rigoroso, detalhado e muito criterioso para que os riscos ao doador sejam reduzidos. Mesmo assim, o doador pode ter complicações inerentes a este procedimento.

Como esclarecer quem ainda estiver com dúvidas?
Para aqueles que demonstram falta de convicção para ser um doador, o caminho é a informação. Apesar de a informação não mudar o comportamento, ela pode ser processada e assimilada para, então, virar uma convicção.

Assessoria de Comunicação Governo de São Paulo


Compartilhar