Faturamento da indústria de Máquinas e Equipamentos local subiu 21,6% em 2021 e a importação de máquinas aumentou 23,4%

5 de fevereiro de 2022 Off Por Ray Santos
Compartilhar

ABIMEI

Nas importações este crescimento acumulado chegou a 23,4%, em nível observado antes da pandemia da Covid-19

Foto: Diário de Pernambuco/Google

A receita líquida do setor de indústria de máquinas e equipamentos no Brasil avançou 21,6% em 2021, na comparação com o ano anterior, revela balanço do Ministério da Economia.. A média mensal de receita em 2021 ficou em R$ 18,5 bilhões e o total anual, em R$ 222,4 bilhões.No que se refere às importações, o Brasil comprou R$ 308,9 bilhões em máquinas e equipamentos no ano passado, 14,8% a mais do que em 2020 e o fluxo cresceu 23,4%,.se comparado ao volume  antes da pandemia em 2019.

Esse resultado demonstra que apesar do fechamento de fábricas, houve uma queda na taxa de desemprego devido a mais contratações e um investimento maior em máquinas e equipamentos importados, pois apesar da oscilação constante das taxas cambiais e outros fatores que impactam o setor produtivo nacional, as indústrias viram a necessidade de importar maquinários com alta tecnologia e grande produtividade, para driblar os efeitos causados de certa forma pela pandemia, no que se refere ao aumento da dificuldade logística para abastecimento de manufaturados e de componentes importados para montagem de vários tipos de produtos produzidos no mercado nacional. 

“Com isso, o setor pode se reforçar com produtos que não existem no mercado nacional, a fim de elevar a competitividade, gerar novos empregos e reaquecer a produção industrial brasileira” – comenta Paulo Castelo Branco, economista e presidente executivo da Abimei (Associação Brasileira dos Importadores de Máquinas e Equipamentos Industriais). 

O especialista acrescenta que a pandemia mudou muito o contexto de compras externas de máquinas e equipamentos no País. Sendo assim, o setor produtivo aumentou o interesse por importações até mesmo com o dólar gerando um custo maior e o grande aumento nos valores dos fretes internacionais, ante o cenário pré-pandemia. Mesmo assim, o interesse continua crescente.

“ O setor industrial brasileiro não tem outra alternativa, se quiser produzir com competitividade e qualidade para abastecer o mercado interno  e ainda ter a capacidade de exportar produtos manufaturados com alta qualidade e valores agregados mais elevados. Aliás, isso vai ao encontro do que a Abimei defende: importação de bens de capital com alta tecnologia para produção local e reindustrialização do Parque Industrial Brasileiro “, sinaliza. . 

O levantamento realizado pelo Ministério da Economia também mostra que houve crescimento de 7,3% nas importações de máquinas e equipamentos no mês de dezembro (7,3%) na comparação com novembro e na comparação interanual (26,7%).

Missão Comunicação

Camila Carvalho
Assessora de Imprensa
Fone:(11) 3441-5565
Cel:(11) 97093-1388
camila@missaocomunicacao.com.br


Compartilhar