Inclusão é saúde

15 de fevereiro de 2022 Off Por Ray Santos
Compartilhar

Mouse de cabeça dá autonomia a pessoas com deficiência e se destaca pelo mundo

Não é de hoje que a acessibilidade humanizada mostra sua importância nos processos de inclusão social. Agora, imagine uma pessoa com deficiência motora conseguir usar o computador apenas com movimentos de cabeça. Um grande salto quando falamos de autonomia, certo? Essa realidade já existe e, o melhor, é cada vez mais acessível, graças ao trabalho de empresas como a TiX. E é o CEO, Adriano Assis, quem representa a startup no Ideias à Venda, novo reality show da Netflix.

Na competição, que já está disponível no streaming, Adriano apresenta para o Brasil e o mundo o Colibri, um mouse de cabeça sem fios, criado para que pessoas que não podem usar as mãos consigam controlar celular, tablet e computador apenas com movimentos da cabeça e gestos faciais. A solução já é utilizada e aprovada por centenas de pessoas e por nomes de peso, como a ex-atleta olímpica Lais Souza, que se acidentou em janeiro de 2014 e ficou tetraplégica. Uma ideia genial que levou para casa o primeiro lugar na disputa e um prêmio de R$ 200 mil para investir no negócio.

Acesse netflix.com e confira essa disputa.

Sobre o Colibri
O Colibri é um mouse de cabeça sem fios, criado para que pessoas que não podem usar as mãos consigam controlar celular, tablet e computador apenas com movimentos da cabeça e gestos faciais. Ele é pequeno, leve, tem bateria recarregável e basta pareá-lo via bluetooth para começar a usar. Além disso tudo, o Colibri é lindo! Por ser um produto vestível, cada usuário pode escolher a cor do aparelho e do óculos que o acompanha. Quem preferir, também pode prender o Colibri à armação de óculos que já usa. A acessibilidade do produto também é financeira, com opções de compra ou planos de assinatura, além do “Colibrino”, a versão do Colibri que qualquer pessoa pode construir em casa de graça. O Colibri veio para revolucionar a maneira como as pessoas com deficiência são incluídas na sociedade, proporcionando autonomia aliada à inovação e impacto social.

Por Letícia Raquel


Compartilhar