Justiça condena Globo a pagar R$ 150 mil a mulher presa por engano

Justiça condena Globo a pagar R$ 150 mil a mulher presa por engano

20 de março de 2024 Off Por Ray Santos
Compartilhar

Segundo o processo, ela teve sua imagem divulgada pela emissora em uma reportagem sobre uma operação policial contra traficantes em SP

Redação Terra Redação Terra 

20 mar 2024 – 16h27
Compartilhar
Exibir comentários

A repercussão ganhou ainda mais destaque porque ocorreu em meio a uma onda de demissões envolvendo jornalistas veteranos da emissora.
Foto: divulgação / Flipar

O Tribunal de Justiça de São Paulo (TJ-SP) condenou a Globo a pagar uma indenização por danos morais, no valor de R$ 150 mil, a uma mulher presa pela polícia, em 2018. À época, ela teve sua imagem divulgada pela emissora em uma reportagem sobre uma operação policial contra traficantes de Paulínia, no interior paulista. No entanto, ela foi solta depois por falta de indícios de que estaria vinculada aos criminosos. A decisão foi proferida pelo juiz Lucas de Abreu Evangelinos, no último dia 13.

O vídeo veiculado pela emissora naquele ano relatou que a polícia a apontava como a responsável pelo controle financeiro da quadrilha.

Notícias relacionadas
Flávia Alvarenga será substituída por Ricardo Abreu no ‘Jornal da Globo’ Foto: Reprodução/Instagram
Jornalista Flávia Alvarenga é demitida da Globo após mais de 20 anos
Criticar o jornalismo da Globo faz parte do jogo democrático, mas segregar um canal de TV não é aceitável Foto: Reprodução/TV Senado
Um bolsonarista põe microfone da Globo no chão e outro desfaz agressão ao canal
Flávia Alvarenga deixa a Globo após 22 anos com avaliação positiva Foto: Reprodução/TV
Quem é a repórter demitida pela Globo para se promover nova estrela do jornalismo

O processo ao qual o Terra teve acesso, foi movido contra a Globo e a EPTV, uma emissora afiliada da rede localizada na região de Campinas, que também foi condenada. A mulher alegou na ação que foi presa por engano e, consequentemente, solta logo depois. Ela apresentou seu registro de antecedentes criminais, no qual não constava nenhuma acusação contra ela.

À Justiça, a emissora afirmou que, apesar de o vídeo da reportagem continuar disponível, o conteúdo escrito foi atualizado para incluir uma declaração da Polícia Civil, informando que, após prender a mulher por suspeita de tráfico e associação ao tráfico de drogas, não foram encontrados indícios que comprovassem sua atuação no esquema. Além disso, a polícia pediu a liberdade da mulher em 2018.

O juiz interpretou a situação como um reconhecimento por parte da Globo de que houve um equívoco na reportagem original. No entanto, ele ressalta que, mesmo com a atualização do conteúdo escrito, o vídeo da reportagem original continua disponível no portal da emissora, o que mantém a divulgação das acusações injustas contra a mulher.

“Neste caso, verifico que não houve preservação dos direitos da personalidade da parte autora. Como – ainda – consta do vídeo da reportagem, a jornalista afirma “A polícia acredita que essa mulher é quem fazia todo o controlefinanceiro da quadrilha”, enquanto há um foco no rosto da autora. […] Ademais, com a manutenção do vídeo em sua íntegra, verifico também violação aocompromisso ético com a informação verossímil, o que, aliás, é confesso pela corré Globo”, argumentou o magistrado.
Publicidade

O magistrado determinou que a Globo edite o vídeo da reportagem, retirando a imagem da mulher, sob pena de multa diária. Além disso, a emissora foi condenada a pagar uma indenização de R$150 mil para ela, corrigida e com juros moratórios.

O Terra entrou em contato com a emissora, mas não obteve nenhum retorno até a última atualização desta reportagem. O espaço segue aberto para manifestações.

+Os melhores conteúdos no seu e-mail gratuitamente. Escolha a sua Newsletter favorita do Terra. Clique aqui!

Fonte: Redação Terra


Compartilhar