Médica estrangeira pode realizar inscrição no Conselho Regional de Medicina sem certificado de proficiência em Língua Portuguesa

11 de fevereiro de 2022 Off Por Ray Santos
Compartilhar

Magistrado seguiu entendimento no sentido de que é ilegal a exigência do documento para a efetivação do registro

O juiz federal Lucas Medeiros Gomes, da 1ª Vara Federal de Campo Grande, concedeu decisão liminar e determinou ao Conselho Regional de Medicina do Mato Grosso do Sul (CRM/MS) inscrever em seu quadros uma médica paraguaia sem apresentação do Certificado de Proficiência em Língua Portuguesa para Estrangeiros (Celpe Bras).
O magistrado seguiu entendimento do Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) no sentido de que é ilegal a exigência do documento para a efetivação do registro junto à autarquia.  
“O que a lei estabelece como requisito é que o requerente possua diploma expedido por instituição brasileira ou expedido por instituição estrangeira e devidamente revalidado por universidade pública brasileira”, destacou.
Conforme o processo, a médica relatou que é nacional do Paraguai, tem formação em Cuba e há 13 anos exerce a profissão em seu país de origem, na especialidade medicina intensiva e como professora universitária.  
Com o objetivo de trabalhar no Brasil, realizou o Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos Expedidos por Instituição de Educação Superior Estrangeira (Revalida), do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira (Inep), e foi aprovada.  
Após requerer sua inscrição junto ao CRM/MS e ter o pedido negado, sob o fundamento de que faltou a apresentação do Celpe Bras, ela acionou o Judiciário.
Ao analisar o caso, o juiz federal ponderou que a médica foi aprovada no Revalida em 2020. “Há de se considerar que a impetrante se submeteu ao processo de revalidação, inclusive realizando provas escritas, tendo obtido aprovação, donde resulta que seu conhecimento da língua portuguesa foi aferido como satisfatório para o exercício da profissão de médica no país”, concluiu.
Assim, o magistrado deferiu a liminar e determinou ao CRM/MS que não exija apresentação do Celpe-Bras como requisito à inscrição da médica em seus quadros.
Mandado de Segurança Cível 5000211-02.2022.4.03.6000/MS

Assessoria de Comunicação Social do TRF3
www.twitter.com/trf3_oficial


Compartilhar