‘O Bom Cinema’: filme retrata primórdios do Cinema Marginal

4 de abril de 2022 Off Por Ray Santos
Compartilhar

CONTRA ‘A MORAL E OS BONS COSTUMES’, MOVIMENTO TEM ORIGEM EM FACULDADE CATÓLICA DE CINEMA

Em “O Bom Cinema”, que estreia no Curta!, o diretor Eugênio Puppo mostra que mesmo enfrentando adversidades e uma sociedade moralista, o cinema brasileiro conseguiu triunfar. Ao assistir ao documentário, cuja narrativa é recheada de cenas de outros filmes, o público se vê diante do nascimento de um dos movimentos mais importantes da cinematografia brasileira: o Cinema Marginal.

Com belas e representativas imagens de arquivo, o longa nos remete ao contexto mundial da década de 1960, vai estreitando o olhar para a cidade de São Paulo e, enfim, para a Escola Superior de Cinema da Faculdade de Economia São Luís, ligada ao colégio de mesmo nome, fundado pelo padre jesuíta José Lopes. De inclinação religiosa, a instituição quis levar a cabo uma resolução da Igreja Católica: a de incentivar uma produção cinematográfica cujos valores seriam condizentes com os preceitos morais da religião. Daí nasceria o que, para o Vaticano, seria “o bom cinema” — expressão que dá nome ao filme de Puppo.

A história mostra que tal intenção da Igreja foi não apenas frustrada, mas obteve resultado contrário ao previsto. Das salas da Escola Superior de Cinema, vieram cineastas como Carlos Reichenbach (1945-2012), conhecido como Carlão, cujo depoimento — em material de arquivo que se mescla com cenas de filmes — ajuda a guiar o espectador de “O Bom Cinema”. “Se existe um movimento chamado Cinema Marginal ou Pós-Cinema Novo, de certa forma, ele nasceu nos corredores da Escola São Luís (…), como um movimento que aglutinou pessoas de formação diferente que foram fazer um cinema vinculado à vida”, conta Carlão.

Essa reunião incluía, além dele, nomes como Rogério Sganzerla, João Callegaro, José Mujica Marins — conhecido pelo personagem que ele mesmo encarnava, o Zé do Caixão —, Andrea Tonacci, Antônio Lima e João Silvério Trevisan. Entre as cenas cuidadosamente costuradas — a fim de contar essa história —, estão trechos de diversos filmes que marcaram o Cinema Marginal como: “As Libertinas — Três Histórias de Amor e Sexo” (1968), de Callegaro, Lima e Reichenbach; “Bang Bang” (1971), de Tonacci; “À Meia-Noite Levarei Sua Alma” (1964), de Mujica; e “O Bandido da Luz Vermelha”, de Sganzerla, talvez o principal representante do movimento.

“O Bom Cinema” é um filme da Heco Produções, e foi viabilizado pelo Curta! através do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA). Além de sua estreia no canal, também estará no streaming através do Curta!On – Clube de Documentários, plataforma disponível no NOW — da NET / Claro — e no Tamanduá.TV. A estreia é na Quarta do Cinema, 6 de abril, às 22h30.

A brutalidade da Guerra do Paraguai é tema de episódio inédito de ‘Inconveniências Históricas’

Em “Guerra do Brasil”, episódio inédito da série “Inconveniências Históricas”, dirigida por Belisário Franca e Pedro Nóbrega, questiona-se o mito de que o Brasil é um país conciliador e cordial com os vizinhos da América do Sul e demais países do mundo. O capítulo conta um dos períodos mais sangrentos da nossa história: a Guerra do Paraguai ou “La Guerra Grande”, como chamam os paraguaios.

O conflito foi um divisor de águas para o Império brasileiro, então comandado por Dom Pedro II, e para o próprio exército, que cresce em tamanho e poder — e, anos depois, seria protagonista do golpe de estado que instaurou a República. A guerra, que se prolongou por muito mais tempo que o previsto, provocou um massacre no Paraguai e muitas baixas no exército brasileiro, além de ter consumido as finanças imperiais. Também escancarou os horrores da escravidão, pois homens escravizados foram obrigados a combater, substituindo uma elite que se dizia patriota.

Ainda que o conflito tenha sido iniciado pelo então presidente do Paraguai, Solano Lopez — que declarou guerra ao Brasil, à Argentina e ao Uruguai —, foi o Brasil que decidiu permanecer lutando mesmo diante de um Paraguai arrasado, com o objetivo de capturar Solano Lopez. Duque de Caxias, que comandava as tropas, renunciou ao cargo quando percebeu que não havia mais sentido continuar. No lugar dele, assumiu o Conde D’Eu, genro do imperador, que comandou o exército brasileiro na covarde Batalha de Campo Grande: contra mulheres, adolescentes e crianças — os únicos que haviam sobrevivido após a população masculina adulta ter sido dizimada. Até hoje, o Paraguai comemora o Dia das Crianças em 16 de agosto, em homenagem às que foram mortas nesta ocasião.

“Inconveniências Históricas” é uma produção da Giros, viabilizada pelo Curta! através do Fundo Setorial do Audiovisual (FSA) e, neste episódio, conta com a participação de especialistas como Vitor Izecksohn, Lilia Schwarcz e Sidney Chalhoub. A exibição é na Sexta da Sociedade, 8 de abril, às 23h30.

Segunda da Música (MPB, Jazz, Soul, R&B) – 04/04

23h – “Marisa Monte — MM ao Vivo” (Show)

Este filme traz o registro do show do primeiro CD de Marisa Monte. O espetáculo foi gravado ao vivo no Teatro Villa-Lobos e teve participações especiais de Ed Motta, Paulo Moura e Nouvelle Cuisine. Direção: Nelson Motta e Walter Salles. Duração: 51min. Classificação: Livre. Horários Alternativos: 5 de abril, terça-feira, às 03h e às 17h05; 06 de abril, quarta-feira, às 11h; 10 de abril, domingo, à 21h30.

PROMOhttps://youtu.be/rkhW8dUQMmM
FOTOShttps://drive.google.com/drive/folders/1UdSMPrL1FB0wA08pfRcLJlfkDEt2VyOR?usp=sharing

Terça das Artes (Visuais, Cênicas, Arquitetura e Design) – 05/04 – Especial “Gente de Teatro”

21h – “Paulo Autran — O Senhor dos Palcos” (Documentário)
Documentário de longa-metragem sobre a vida e obra deste que foi, possivelmente, o maior ator brasileiro de todos os tempos, Paulo Autran. Diretor: Marco Abujamra. Duração: 82 min. Classificação: Livre. Horários alternativos: 06 de abril, quarta-feira, às 1h e às 15h; 07 de abril, quinta-feira, às 9h; 10 de abril, domingo, às 15h15.

PROMOhttps://youtu.be/XyVVvE5VhAA
FOTOShttps://drive.google.com/open?id=1aTBbUpzlL58Og30tCcIh9eKHyZKricMK

Quarta de Cinema (Filmes e Documentários de Metacinema) – 06/04

22h30 – “O Bom Cinema” (Documentário)
O documentário resgata a história da Escola Superior de Cinema, primeira faculdade brasileira de cinema que serviu de berço para cineastas da Boca do Lixo e do Cinema Marginal. Fundada por um padre jesuíta, a escola funcionou entre 1965 e 1972, em São Paulo, e ficou marcada por desavenças entre alunos ligados à contracultura e uma diretoria defensora “da moral e dos bons costumes”.  Direção: Eugênio Puppo. Duração: 81 min. Classificação: 12 anos. Horários alternativos: 07 de abril, quinta-feira, às 02h30 e às 16h30; 08 de abril, sexta-feira, às 10h30; 09 de abril, sábado, às 15h30; 10 de abril, domingo, às 22h30.

PROMOhttps://youtu.be/d8mYxcwvupA
FOTOS: https://drive.google.com/drive/folders/1zYTAy_VkoDrWX8vbA1ITWXujuIOQ_FWS?usp=sharing 

Quinta do Pensamento (Literatura, Filosofia, Psicologia, Antropologia) – 07/04

21h30– “Consciência³” (Série) – Episódio: “A Consciência Em Si”
“Consciência³” é uma série em que pensadoras e pensadores refletem sobre o fenômeno universal da consciência. O quarto episódio se debruça sobre o papel fundamental da consciência na ciência, em especial em tempos de fundamentalismos de toda ordem. Para bem longe das proposições de “Terra plana” e embasado pela mais contemporânea visão científica, confronta o sapiens com o cosmos. Com Antônio Nobre, Luiz Alberto Oliveira, Luiz Marques e convidados. Diretor: Renato Barbieri. Duração: 45min. Classificação: Livre. Horários alternativos: 08 de abril, sexta-feira, às 1h30 e às 15h30; 09 de abril, domingo, às 10h05; 10 de abril, segunda-feira, às 00h.

PROMO: https://youtu.be/ksRSQNFBM0M FOTOS: https://drive.google.com/drive/folders/1bhdNgZre2JchBWYDd2bzI8mf39nloid-?usp=sharing

Sexta da Sociedade (História Política, Sociologia e Meio Ambiente) – 08/04

23h30 – “Inconveniências Históricas” (Série) – Ep.: “Guerra do Brasil”
A noção de um Brasil cordial e conciliador por vocação, de um Estado sem inimigos externos e sem pretensões imperialistas, é uma das construções mais caras ao imaginário brasileiro. Mas pelo menos um episódio de nossa história coloca esse mito em xeque: a Guerra do Paraguai — ou, como preferem os paraguaios —, La Guerra Grande. Foi um conflito que mostrou uma outra face de nossas lideranças políticas e militares, além de moldar o futuro das Forças Armadas do Brasil. Direção: Belisario Franca, Pedro Nóbrega Duração: 26 min. Classificação: 10 anos. Horários alternativos: 9 de abril, sábado, às 3h30 e às 13h; 10 de abril, domingo, às 18h; 11 de abril, segunda-feira, às 17h30; 12 de abril, terça-feira, às 11h30.

PROMO: https://youtu.be/JU-1GFis1HU
FOTOS:  https://drive.google.com/drive/folders/1ZeNfq5KL0rdIY6PNbrxU7Dyk6rhgPIRV?usp=sharing

Sábado – 09/04

19h35 – “Lost + Found” (Série) – Ep. “Francisco Sérgio Moreira”
Um dos raros profissionais do cinema brasileiro a conjugar a paixão pelo passado do meio, sua preservação e a criação a partir de materiais fílmicos antigos, Francisco Sérgio Moreira pode ainda ser considerado um pioneiro e um dos maiores restauradores cinematográficos do país. Apaixonado por tecnologia de cinema, tornou-se colecionador de equipamentos e da bibliografia especializada no assunto, possuindo a maior coleção do país. Na esteira dos velhos artesãos do cinema brasileiro, Francisco foi talvez o último dos mágicos inventores de traquitanas, aplicando o “cinema gambiarra” ao campo da preservação.  Diretor: Thiago Brito. Duração: 27 min. 

PROMOhttps://youtu.be/JZugCRl1hKk
FOTOShttps://drive.google.com/drive/folders/1SHcnEj-SKsCMHgQnr080I0cmtGzGmFk5?usp=sharing

Domingo – 10/04

19h30 – “Nelson Freire” (Documentário)
O documentário acompanha a rotina do pianista mineiro Nelson Freire na intimidade de sua casa e em salas de concerto, desde o primeiro contato com os pianos desses locais até a recepção dos admiradores no camarim. A singularidade do filme está na ausência de depoimentos sobre Nelson. Não há testemunhos de amigos ou parentes, de outros músicos, de críticos e nem de admiradores. A exceção é a renomada pianista argentina Martha Argerich, que manteve com Nelson — morto em 2021 — uma amizade de mais de quatro décadas. Em foco, está a intimidade do artista, que surgiu como menino-prodígio no interior de Minas Gerais  e se tornou um dos mais consagrados pianistas clássicos da atualidade. “Nelson Freire” foi filmado no Rio de Janeiro, em São Paulo, na França, na Bélgica e na Rússia, entre maio de 2000 e agosto de 2001. Diretora: João Moreira Salles. Duração: 107 min. Classificação: Livre. Horários alternativos: 16 de abril, domingo, às 13h15.

PROMO: https://youtu.be/2Z922j1z8Co
FOTOS: https://drive.google.com/drive/folders/1Da64IPg09UG-I5yesy2sNnDPWu7FyYD3?usp=sharing

Sobre o Grupo Curta!
O Grupo Curta! tem como missão a difusão de conteúdos audiovisuais relevantes nas áreas de artes e humanidades, sejam brasileiros ou estrangeiros, através da TV linear (canal CURTA!), de plataformas de streaming de operadoras de telecom e da internet. A curadoria de conteúdos é, portanto, o motor central do grupo e foi uma das que mais aprovaram projetos originais para financiamento da produção pelo Fundo Setorial do Audiovisual: já foram mais de 125 longas documentais e 872 episódios de 77 séries que chegam ao público em primeira mão através de suas janelas de exibição: O canal Curta!, linear, está presente nas residências de mais de 10 milhões de assinantes de TV paga e pode ser visto nos canais 556 da NET / Claro TV, 75 da Oi TV e 664 da Vivo Fibra, além de em operadoras associadas à NeoTV;  O Curta!On, o novo clube de documentários do Curta!, no NOW da Claro/NET, conta com mais de 450 filmes e episódios de séries documentais, organizadas  por temas de interesse como Música, Artes, MetaCinema, Meio Ambiente e Sustentabilidade, Mitologia e Religião, Sociedade e Pensamento. Há também pastas especiais com novidades – que estreiam a cada mês –, conteúdos originais exclusivos, biografias, além de uma degustação para quem ainda não é assinante do serviço. A Tamanduá TV, plataforma marketplace aberta para qualquer internauta, já reúne mais de quatro mil conteúdos. O usuário pode alugar filmes e séries específicos ou assinar de forma econômica um dos pacotes que contêm conteúdos segmentados por área de interesse: CineBR, CineDocs, CineEuro, CurtaEducação (para professores e estudantes do Ensino Médio e Enem), MetaCinema (para aficcionados e estudantes de Cinema), entre outros.  Os pacotes CineBR, CineDocs e CineEuro são disponibilizados desde 2018 como serviço de valor agregado (SVA) para perto de oito milhões de assinantes de banda larga fixa (ISP) da operadora CLARO, sem custo adicional.  As atividades do Grupo Curta! também promovem a geração de royalties para produtores audiovisuais independentes, com a exploração de seus direitos audiovisuais nas diferentes janelas de streaming. O pacotes Cines da Tamandua TV e do Curta!ON estão repassando anualmente mais de R$ 1,5 milhão de reais em royalties para os produtores dos conteúdos que difunde.

Agência Febre


Compartilhar