Pagamento proposto por assassinato de Marielle era um loteamento clandestino que valeria R$ 100 milhões, afirma Ronnie Lessa

Pagamento proposto por assassinato de Marielle era um loteamento clandestino que valeria R$ 100 milhões, afirma Ronnie Lessa

27 de maio de 2024 Off Por Ray Santos
Compartilhar

Delação do ex-policial que assassinou Marielle levou à prisão dos mandantes irmãos Brazão e Rivaldo Barbosa

Redação Terra Redação Terra 

26 mai 2024 – 23h44
(atualizado em 27/5/2024 às 00h02)
Compartilhar
Exibir comentários
Foto: Reprodução/TV Globo

O ex-policial Ronnie Lessa, que foi contratado por Domingos e Chiquinho Brazão para assassinar Marielle Franco, contou em delação premiada que o pagamento proposto pelo crime era um loteamento clandestino na zona oeste do Rio de Janeiro. Segundo teriam dito os irmãos Brazão, o espaço valeria, no futuro, ao menos R$ 100 milhões. Lessa também se se tornaria um dos chefes de uma nova milícia também na zona oeste carioca.

    Receba as principais notícias direto no WhatsApp! Inscreva-se no canal do Terra

“Então, na verdade, eu não fui contratado para matar a Marielle como um assassino de aluguel. Não. Eu fui chamado para uma sociedade”, disse na delação, que durou duas horas, e teve recortes exibidos em reportagem do Fantástico, neste domingo, 26.

Notícias relacionadas
Sede do CNJ em Brasília Foto: GABRIELA BILO / ESTADAO / Estadão
Conselho Nacional de Justiça condena desembargadora que atacou Marielle nas redes sociais
Delegado Rivaldo Barbosa, ex-chefe da Polícia Civil do Rio, na sede da Polícia Federal Foto: Pedro Kirilos/Estadão / Estadão
Delegado apontado como mentor da morte de Marielle pede para ser ouvido ‘pelo amor de Deus’
Investigações fazem parte da Operação Murder Inc Foto: Reprodução / Perfil Brasil
Domingos Brazão promoveu almoço para discutir caso Marielle um dia antes de ser preso, diz PF

Por conta da proposta, Ronnie Lessa afirmou ter aceitado ‘de cara’, sem nem saber quem era o alvo. Em um primeiro momento, foi o político Marcelo Freixo foi cogitado. Mas, por sua visibilidade, o ‘trabalho’ seria mais arriscado.

Depois, então, Marielle se tornou o alvo escolhido – por, na época, ter feito mobilizações políticas justamente contra os loteamentos em questão. “Marielle foi colocada como uma pedra no caminho”, disse Lessa.
Por que Marielle foi morta?

As investigações indicam que o planejamento da execução teria começado no segundo semestre de 2017, após uma “descontrolada reação” de Chiquinho Brazão devido à participação de Marielle na votação do Projeto de Lei Complementar 174/2016.

A proposta, de autoria de Chiquinho Brazão quando ainda era vereador, dispunha sobre a regulamentação fundiária de loteamentos e grupamentos existentes nos bairros de Vargem Grande, Vargem Pequena e Itanhangá, assim como nos bairros da XVI RA – Jacarepaguá, no Rio de Janeiro.

A presença de Marielle junto a comunidades em Jacarepaguá era o que mais atrapalhava os interesses dos irmãos. Na região, em sua maioria é dominada por milícias, se concentrava relevante parcela da base eleitoral da família Brazão.

Também foram identificados diversos indícios do envolvimento dos Brazão com atividades criminosas, incluindo as relacionadas com milícias e ‘grilagem’ de terras. Ficou, então, delineada a divergência no campo político sobre questões de regularização funciária e defesa do direito à moradia. No caso, Marielle queria utilizar esses territórios para fins sociais e a construção de moradias populares.

*Com informações de Estadão Conteúdo.

+Os melhores conteúdos no seu e-mail gratuitamente. Escolha a sua Newsletter favorita do Terra. Clique aqui!

Fonte: Redação Terra


Compartilhar