PMA de Dourados reúne-se em segundo assentamento com assentados e realiza orientação em prevenção aos incêndios na operação “Prolepse” Nova Alvorada do Sul

14 de abril de 2022 Off Por Ray Santos
Compartilhar

Campo Grande (MS) – A Polícia Militar Ambiental de Dourados, neste ano (2022), está priorizando nos assentamentos rurais, nos trabalhos de orientação da operação Prolepse lançada o ano passado (22/3/2021), que visa a minimização dos incêndios no Estado por meio da orientação, educação e, por último, pela repressão. No dia (6) uma equipe reuniu-se com os assentados rurais do Assentamento Silvio Rodrigues, no município de Rio Brilhante.

Hoje (13), as orientações aconteceram no município de Nova Alvorada do Sul, onde foram reunidos os assentados do Assentamento Bebedouro e receberam orientação sobre medidas para evitar incêndios. Além disso, foram respondidas perguntas dos assentados e também passadas informações sobre a legislação ambiental, principalmente sobre danos às áreas protegidas por lei de reserva legal e as áreas de preservação permanente (APP). Os trabalhos continuarão, sempre em busca da informação, para a minimização dos incêndios e de outros crimes e infrações ambientais.

OPERAÇÃO PROLEPSE

A fase informativa e educativa, que é permanente durante a operação na operação Prolepse, as propriedades rurais são visitadas e os proprietários recebem informações verbais, bem como por meio de “folders” contendo as informações relativas aos problemas dos incêndios. Em cada propriedade em que as pessoas são orientadas há o preenchimento de um questionário contendo algumas questões sobre medidas preventivas aos incêndios adotadas em cada propriedade rural. Também é firmado o compromisso dos orientados, pequenos, médios e grandes proprietários rurais em prevenir e não fazer uso do fogo e, se realmente for necessário o uso, que seja feito com a devida licença ambiental.

A PMA sempre se preocupou com o problema ambiental dos incêndios, pois além do alastramento do fogo colocar em risco o meio ambiente e vidas selvagens, a dispersão de gases tóxicos que compõem a fumaça transcende os limites das propriedades, podendo causar danos irreparáveis a vizinhança, especialmente no perímetro urbano.  Os trabalhos de orientações continuam em todo o Estado e a PMA espera ao longo do tempo que este problema seja sanado, ou no mínimo, controlado.

ASSESSORIA DE COMUNICAÇÃO DA POLÍCIA MILITAR AMBIENTAL – PMMS – (Contato – TENENTE CORONEL EDNILSON PAULINO QUEIROZ) tel. – 3357-1500

Fotos: PMA/MS


Compartilhar