Polícia de São Paulo prende quadrilha que invadia celulares para praticar roubos digitais

Polícia de São Paulo prende quadrilha que invadia celulares para praticar roubos digitais

27 de setembro de 2023 Off Por Marco Murilo Oliveira
Compartilhar

Após trabalho de inteligência policial, investigadores conseguiram identificar ao menos seis envolvidos

A Polícia Civil prendeu na manhã desta terça-feira (26) cinco suspeitos de integrar uma quadrilha especializada em invadir celulares para praticar roubos digitais por meio de aplicativos bancários. Além de Santo André e Ribeirão Pires, na Grande São Paulo, a ação, batizada de “Lost Line”, também mirou endereços nos estados de Goiás e Tocantins, além do Distrito Federal. Ao todo, foram cumpridos seis mandados de prisão e 11 de busca e apreensão.

Os policiais chegaram até o grupo depois que uma vítima procurou a polícia informando que criminosos invadiram virtualmente seu celular e acessaram seus aplicativos de banco, roubando valores de suas contas por meio de transferências. Após o trabalho de inteligência policial, os investigadores conseguiram identificar ao menos seis envolvidos, com indícios de atuação de crimes idênticos praticados em todo o Brasil.

Segundo as investigações, os suspeitos desenvolveram técnicas específicas para acessar virtualmente os celulares, com mecanismos para capturar as senhas bancárias. Usando perfis falsos, eles praticam estelionatos, falsificações, roubos em contas bancárias e até lavagem de dinheiro. O esquema ainda envolvia a cooptação de funcionários terceirados das operadoras, que ajudam os criminosos a praticar os golpes.

Coordenada por policiais da 1º Delegacia de Investigações Gerais (DIG), da Divisão Especializada de Investigações Criminais (DEIC) de Presidente Prudente, a operação contou com apoio de policiais civis dos estados envolvidos. Os mandados foram cumpridos em mansões, com imobiliário de alto padrão e veículos importados, de onde foram apreendidos dezenas de celulares, documentos, chips e notebooks.

Os presos foram indiciados por estelionato eletrônico, invasão de dispositivo, lavagem de dinheiro, falsidade ideológica e organização criminosa. Agora, as investigações prosseguem para identificar outros envolvidos no crime e outras possíveis vítimas.

Governo de São Paulo


Compartilhar