RN 443 da ANS destaca a importância do trabalho de compliance na área da saúde

19 de abril de 2022 Off Por Ray Santos
Compartilhar

Operadoras têm até dezembro de 2022 para se adequar às novas recomendações

A Resolução Normativa nº 443 da Agência Nacional de Saúde Suplementar (ANS) foi publicada em 25 de janeiro de 2019, mas o prazo para a adequação às novas regras termina em dezembro deste ano. A partir de então, as operadoras de saúde suplementar precisarão apresentar práticas mínimas de governança corporativa em suas respectivas empresas. A normativa teve como base a experiência de outros reguladores nacionais, como o Banco Central e a Superintendência de Seguros Privados (Susep). 

A medida tem ênfase em controles internos e gestão de riscos, para fins de solvência das operadoras de plano de assistência à saúde. Entre as exigências da medida estão: definição clara de objetivos e controles das responsabilidades da empresa; testes de segurança e aprimoramento dos sistemas de informações; padronização do conhecimento entre os administradores quanto aos principais riscos de suas atividades; elaboração do Relatório de Procedimentos Previamente Acordados (PPA), feito por auditor independente e enviado anualmente à ANS no primeiro trimestre de cada ano subsequente; entre outros itens.

Segundo o presidente da Abracos (Associação Brasileira de Compliance em Saúde), Ademilson Costa dos Santos, essa normativa ressalta a importância dos programas de integridade no setor de saúde. “Para que uma operadora de saúde tenha resultados satisfatórios em termos de crescimento, qualidade e economicidade é indispensável que ela tenha um programa de compliance bem estruturado. A medida é indispensável para o desenvolvimento do setor”. 

O presidente acrescenta que a RN contribui também para a expansão do mercado de saúde, especialmente para a profissão de compliance. “Essa área já encontra-se em ascensão e deve ser ainda mais impulsionada com a medida, visto que para atender às exigências da RN 443 é de extrema importância que organizações de saúde invistam em uma gestão corporativa qualificada, com o objetivo de evitar erros nos processos. Essa normativa possui diferentes requisitos, por isso, as empresas precisam se atentar às particularidades de cada caso”, explica o presidente. 

De acordo com Ademilson, as operadoras que ainda não estão em conformidade com a normativa devem se apressar. Para atender à extensa lista de recomendações da ANS, o planejamento estratégico deve ser adotado com antecedência e deve contar com uma equipe multidisciplinar para efetuar o trabalho em etapas.   

As novas regras acompanham o desenvolvimento do mercado de governança corporativa e gestão de riscos no Brasil e no mundo, com foco em transparência, credibilidade e satisfação dos beneficiários. Cada vez mais empresas buscam aplicar programas de integridade para assegurar sustentabilidade e mitigação de riscos. Segundo a publicação do estudo “O mercado Global de Governança, Riscos e Compliance (GRC) até 2025”, desenvolvido pela Bravo Research, o mercado de de GRC no Brasil terá um crescimento anual médio de 10,8% para o setor de saúde entre 2019-2025. 

Por Aline Porfírio


Compartilhar