Saúde de Três Lagoas investiga casos suspeitos de sarampo

1 de julho de 2022 Off Por Ray Santos
Compartilhar

Foram notificados cinco casos suspeitos de sarampo neste ano em Três Lagoas, segundo informou a Secretaria Municipal de Saúde (SMS), por meio da Vigilância Epidemiológica. Os pacientes acompanhados são crianças de 01 a 09 anos de idade, que apresentaram sintomas característicos da doença.

O diagnóstico não é imediato, pois são necessários diversos exames para confirmação da doença. Na semana passada, três crianças concluíram a investigação e os exames deram negativo para o sarampo, os outros dois casos suspeitos seguem em investigação.

De acordo com dados informados pela Vigilância Epidemiológica, o último caso confirmado em Três Lagoas foi no ano de 2019. Dos cinco suspeitos, uma das crianças não foi imunizada.

DOENÇA VOLTANDO

O médico de família e comunidade da Vigilância Epidemiológica da SMS, Vinícius de Jesus Rodrigues, explica que a doença vinha sendo erradicada, porém novos casos têm aparecido nos últimos anos. “Esse aparecimento ocorre por conta da redução da vacinação contra o sarampo. Para conter o problema, é necessária a imunização de pelo menos 95% da população alvo, taxa que vem caindo ano a ano”, disse.

Atualmente, em Três Lagoas, de acordo com dados da Coordenação de Imunização da Secretaria Municipal de Saúde (SMS), a cobertura da vacinação contra sarampo em crianças está em 38,65%, contabilizando que apenas 3.224 se vacinaram de uma meta de 8.484 pessoas previstas, distante do ideal e um risco para a saúde pública

O QUE É O SARAMPO?

O sarampo é uma infecção causada por vírus altamente transmissível. O contágio acontece principalmente por via respiratória, onde gotículas de saliva contendo o vírus são inaladas por pessoas que permanecem próximas da pessoa contaminada. Portanto, o uso de máscaras é um fator protetor contra a doença.

SINTOMAS

A pessoa com suspeita de sarampo costuma apresentar febre, manchas no corpo, tosse, coriza, perda de apetite, fraqueza e às vezes conjuntivite. Dessa forma, a avaliação por um profissional de saúde é fundamental.

No momento da avaliação, devem ser informados à equipe de saúde todas as pessoas que tiveram contato com quem está com os sintomas, de forma a proceder com investigação também desses contatos.

Vinícius esclarece que assim como a COVID, o sarampo não possui medicação específica para matar o vírus, tratam-se apenas os sintomas. “Por isso, é tão importante a vacinação, que é a melhor forma de se proteger, principalmente do desenvolvimento de quadros graves. A recente baixa vacinação contra essa doença, em todo o país, tem feito surgir novos casos e tem colocado nossas crianças em risco”, informou.

VACINAÇÃO

Lembramos que a vacina contra o sarampo está disponível em todas as unidades de saúde do Município, suas doses constam no calendário vacinal regular e é obrigatória.

O atendimento das Unidades de Saúde é de segunda a sexta-feira das 8h às 16h30, e nas Unidades de Saúde na Hora das 8h às 18h, (Santo André, Atenas, Santa Rita, Vila Haro, Paranapungá, Jardim Maristela, Vila Piloto, Interlagos, São Carlos e Vila Nova).

AIorK4xFNr-wL5nBkEqd_-h7ZB-2ej6h63DQRL_24T3VaZNcRV-RQAGVAXk-Ii0HjLu7lBFXDlIqxCU

Compartilhar