Temperaturas mais frias aumentam risco de infarto

11 de agosto de 2022 Off Por Ray Santos
Compartilhar

Manter o corpo aquecido e o acompanhamento cardiológico durante todo o ano é fundamental para evitar a complicação

São Paulo, 11 de agosto do ano 2022 — As quedas de temperatura durante o inverno acendem um sinal de alerta para os especialistas do Hcor, hospital referência em Cardiologia no Brasil. Isso porque durante esta estação, todos os anos, a instituição registra crescimento nos casos de infarto agudo do miocárdio. As principais vítimas são os idosos, os cardiopatas e as pessoas que ficam mais expostas ao tempo, como aquelas que trabalham em ambientes externos ou não têm abrigos adequados.

“Em temperaturas mais baixas, ocorre um estreitamento do diâmetro das artérias, que pode prejudicar o fluxo adequado de oxigênio ao coração. Com o desequilíbrio, começa a acontecer um processo de morte do músculo cardíaco (necrose), que pode resultar no infarto agudo do miocárdio”, explica o cardiologista do Hcor, Dr. Leopoldo Piegas.

Conhecido popularmente como “ataque cardíaco”, o infarto agudo do miocárdio é uma das doenças cardiovasculares mais comuns no Brasil. De acordo com o Ministério da Saúde, mais de 300 mil pessoas são diagnosticadas todos os anos com a enfermidade. Cerca de 80 mil delas acabam indo a óbito, sendo muitas de maneira súbita.

Para prevenir complicações durante o inverno, além de se manter aquecido com roupas apropriadas e evitar longos períodos de exposição ao frio, o especialista recomenda o acompanhamento adequado com cardiologista ao longo de todo o ano. “Principalmente para aqueles que já têm uma enfermidade diagnosticada, como a doença das artérias coronárias, a hipertensão arterial, entre outras. Em alguns casos, também pode ser necessário o ajuste naqueles que fazem uso de medicação cardiológica”, completa Dr. Piegas.

Fique atento aos sinais mais comuns de um infarto:

– Dor súbita no peito, que irradia para pescoço, costas, ombro e braço;

– Falta de ar;

– Suor frio;

– Tontura e desmaio;

– Náusea, falta de apetite e indigestão;

– Fadiga repentina.

Sobre o Hcor

O Hcor atua em mais de 50 especialidades médicas, entre elas Cardiologia, Oncologia, Neurologia e Ortopedia, além de oferecer um centro próprio de Medicina Diagnóstica. Possui Acreditação pela Joint Commission International (JCI) e diversas certificações nacionais e internacionais. Desde 2008, é parceiro do Ministério da Saúde no Programa de Apoio ao Desenvolvimento Institucional do Sistema Único de Saúde (PROADI-SUS).

Instituição filantrópica, o Hcor iniciou suas atividades em 1976, tendo como mantenedora a centenária Associação Beneficente Síria. Além do escopo assistencial, o hospital conta com um Instituto de Pesquisa, reconhecido internacionalmente, que coordena estudos clínicos multicêntricos com publicações nos mais conceituados periódicos científicos. Também está à frente de um Instituto de Ensino, que capacita e atualiza milhares de profissionais anualmente e é certificado pela American Heart Association.

Fleishman Hillard


Compartilhar