RAPS seleciona líderes para participar da eleição 2018

downloadAttachment&Message%5Buid%5D=206626&Message%5Benvelope%5D%5Bmessage-id%5D=%253C00a301d39ad4%2524c8d346b0%25245a79d410%2524%2540pineapplehub.com.br%253E&Message%5BmailBox%5D%5Bmailbox_id%5D=INBOX&MessageAttachment%5B%5D%5Battachment_id%5D=%3C00a301d39ad4%24c8d346b0%245a79d410%24%40pineapplehub.com.br%3E-1.2

Integram a lista 102 lideranças de 22 partidos, de todas as regiões do país, sendo 41 mulheres (uma transgênero), negros, LGBTs e indígenas; meta da instituição é colaborar para eleger cerca de 50 parlamentares e 3 ou 4 governadores

A Raps (Rede de Ação Política pela Sustentabilidade) concluiu o processo de seleção para líderes que vão participar do processo eleitoral em 2018. Entre os mais de mil que se inscreveram para o processo seletivo em novembro do ano passado, foram escolhidos 102, entre eles o líder indígena Almir Suruí, de Rondônia, o jovem pernambucano João Campos, filho do ex-governador Eduardo Campos, o líder do Vem pra Rua, Rogério Chequer, e o presidente nacional da Frente Favela Brasil, Wanderson Maia Nascimento.

Os candidatos, assim como acontece anualmente, foram selecionados com base em critério de diversidade de gênero, partidária e geográfica, e integridade. Eles terão que assinar um termo de compromisso alinhado com princípios e valores básicos da organização, que são ética, transparência e sustentabilidade. Além disso, todos terão sua atuação política acompanhada pela organização.

Integram a lista de líderes RAPS 2018 candidatos de 24 estados, de todas as regiões do país, filiados a 22 partidos políticos, num espectro que vai do DEM, passando pelo PSDB, REDE, PT até o PSOL. Dentro dos princípios da organização de incentivar e promover a diversidade na política, foram selecionadas 41 mulheres, sendo uma transgênero, negros, indígenas e LGBTs.

Os selecionados irão participar de um programa com atividades de integração, formação e capacitação, envolvendo temas como estratégias politicas, planejamento de campanhas eleitorais, sustentabilidade e estruturação de mandatos e passam a fazer parte de uma rede de trocas de experiências.

A primeira etapa das atividades de formação será realizada nos dias 24 e 25 de fevereiro, em São Paulo.

A lista dos selecionados será divulgada no site da RAPS www.raps.org.br

A RAPS

Criada em 2012, a RAPS é uma entidade civil, sem fins lucrativos, multipartidária e com pluralidade ideológica, que tem como principal missão contribuir para o aperfeiçoamento da democracia e do processo político brasileiro.

A instituição foi a primeira do Brasil a selecionar e formar lideranças e é embrionária dos diversos movimentos políticos que pregam uma renovação de qualidade no cenário político nacional.

Além dos novos líderes divulgados hoje, outros 130 membros da RAPS manifestaram interesse em participar do processo eleitoral desse ano. Entre eles, nomes como o ex-secretário de Estado da Cultura do Estado de São Paulo e ex-vereador Andrea Matarazzo (PSD), que deve ser candidato a deputado federal, o ex-prefeito de Pelotas Eduardo Leite (PSDB), potencial candidato ao governo do Estado do Rio Grande do Sul, e a jovem Michele Guimarães, de Manaus, que também quer conquistar uma cadeira na Câmara Federal.

Hoje, fazem parte da RAPS cerca de 400 líderes em todo o Brasil, entre eles os vereadores paulistanos Janaína Lima (NOVO), José Police Neto (PSD), Gilberto Natalini (PV) e Aline Cardoso (PSDB). Alexandre Schneider, atual secretário da Educação da gestão João Doria, é um dos membros mais antigos do grupo.

No Congresso Nacional a RAPS conta hoje com 12 membros, entre eles o deputado Alessandro Molon (REDE-RJ), Mendes Thame (PV-SP), Mara Gabrilli (PSDB-SP), Tadeu Alencar (PSB-PE), Thiago Peixoto (PSD-GO), e os senadores Randolfe Rodrigues (REDE-AP) e José Antônio Reguffe (DF-Sem partido). Na próxima eleição, a instituição tem como expectativa contribuir para a eleição de cerca de 50 parlamentares, entre deputados federais e estaduais, senador, e de três a quatro governadores.

FnSocial | Marcela Costa